Veja o que Fazer Quando o Tímpano é Perfurado?

Normalmente, as pessoas acreditam que o tímpano é a parte responsável pela audição no ouvido interno, mas essa informação é totalmente incorreta. O tímpano é uma membrana fina na porção terminal do conduto auditivo, que separa o ouvido externo do ouvido médio. Quando o som chega ao tímpano, ele aciona os ossículos (ouvido médio) que transmite o som para a cóclea (ouvido interno).

Aperte o play acima e ouça a narração desse post feita pelos nossos parceiros do Vooozer.

Quais são as principais causas de perfuração de tímpano?

Veja o que Fazer Quando o Tímpano é Perfurado?

Veja a seguir a lista das principais casos:

  • A inserção de um objeto, como um cotonete.
  • Um ruído muito alto.
  • Um traumatismo craniano
  • Um golpe aplicado no região do ouvido
  • Uma lesão no ouvido causada por alterações súbitas na pressão atmosférica (barotraumas). Ex: mergulho no mar ou voo de avião

Quais são os tratamentos?

Quando o tímpano é perfurado, a pessoa sente dor, diminuição da audição, pode haver zumbido e sangramento pelo canal do ouvido. Além disso, o  ouvido interno e o externo ficam sem proteção e, consequentemente, tem grande possibilidade de ter uma infecção.

É importante manter ouvido seco e proteger com algodão embebido numa solução oleosa ou com tampões especiais para evitar a infecção. Nos casos de uma simples infecção, podem ser tratadas com gotas óticas com antibiótico. Normalmente, em perfurações simples, o tímpano pode ser curado sem tratamento e em algumas semanas a pessoa já poderá sentir a melhora, mas se for uma perfuração mais profunda será necessário que a pessoa recorra à um cirurgião (timpanoplastia).

O que é timpanoplastia?

A timpanoplastia é uma cirurgia que trata perfurações do tímpano, que podem ser causadas devido a uma infecção (seqüelas da otite média crônica), inserção de objetos no ouvido ou um trauma de pressão não cicatrizada. Em casos muito graves, se são atingidos os ossinhos da audição (martelo, bigorna e estribo), além de reconstruir o tímpano, é necessário recompor também estas estruturas lesadas.

Na timpanoplastia, o médico otorrinolaringologista utiliza uma técnica que consiste na retirada de uma pequena parte da cartilagem da orelha da pessoa e a usa como enxerto no local da perfuração. Assim, seu objetivo é restaurar e melhorar a audição, além de evitar novas infecções de ouvido.

Como funciona esta cirurgia?

A timpanoplastia dura em média de 1 a 2 horas e basicamente funciona assim:

  • Aplica-se a anestesia geral ou local no paciente;
  • O cirurgião desloca o tímpano, utilizando um microscópio para melhor visualização da cavidade auditiva e analisar se outras estruturas também foram lesadas;
  • É feito um corte atrás da orelha ou do pequeno lóbulo triangular que fica a frente da orelha, retirando-se um pedaço da cartilagem (poderá ser realizado o corte também através do canal auditivo, mas tudo depende do tamanho e da localização da perfuração; além disso, a técnica também depende do médico, do que ele escolherá como melhor opção);
  • Aplica-se este enxerto no tímpano para fechar a perfuração, possibilitando o crescimento de uma nova pele;
  • É feito um curativo na parte externa do ouvido;
  • Coloca-se o paciente em uma sala para se recuperar, e em até 10 horas ele poderá ir para casa. O médico irá indicar antibióticos e analgésicos para aliviar qualquer dor.

Em torno de 10 dias depois, é retirado o curativo e o paciente pode retomar suas atividades em até 5 dias, porém, alguns cuidados serão necessários.

Quais são os cuidados antes e depois da timpanoplastia?

Os preparos e cuidados necessários são:

A) Antes da cirurgia: trate qualquer infecção antes da cirurgia, ou seja, o tímpano não pode ser operado sem antes cuidar de uma infecção; tenha uma alimentação leve e faça jejum absoluto (água e alimentos) de 8 horas antes da cirurgia; leve todos os exames solicitados; compareça no horário marcado; vá à cirurgia com um acompanhante; informe ao médico qualquer sintoma ou problema de saúde que venha a acontecer, ou se tem alergia a algum medicamento; não utilize medicamentos que alterem a coagulação do sangue 15 dias antes da timpanoplastia (como, por exemplo, aspirina, cataflan, nisulid, etc); evite exposição ao sol; mantenha normalmente os medicamentos de uso contínuo; não ingira bebidas alcoólicas.

B) No dia da cirurgia: tome um banho normalmente; não faça uso de pomadas, cremes ou talco após o banho, nem maquiagens, esmaltes ou lentes de contato; escove os dentes (sem tomar água); retire suas bijuterias e relógios de pulso.

C) Após a cirurgia: repouse por 5 a 7 dias; não realize atividades que necessitam de uso da força ou agilidade (como assoar o nariz com força, carregar peso ou fazer exercícios físicos, por exemplo); não faça viagens onde há pressão no ouvido; não faça uso de tabaco (pois pode levar a infecções e dificulta a cicatrização); não retire a faixa colocada em volta da cabeça, somente após 1 ou 2 dias e conforme instrução médica; não retire o tampão colocado pelo médico, uma vez que ele é quem fará isso após 5 dias; utilize corretamente os medicamentos prescritos; não molhe a região da orelha operada, nem mergulhe na piscina ou praia (a água pode causar infecções).

Quando é indicada a timpanoplastia?

A timpanoplastia é indicada em casos graves quando há perfuração do tímpano causada por alguma infecção crônica, trauma ou inserção de objetos no ouvido, que levem a uma perda da audição. Pode ser realizada em crianças com mais de 7 anos de idade, onde se faz uso de anestesia geral, e nos adultos a anestesia pode ser local.

Quais os benefícios da timpanoplastia?

A realização de uma timpanoplastia faz com que os pacientes tenham um tímpano completo, inteiro, não se preocupando mais com a entrada de água e infecções crônicas de ouvido. Assim, eles podem voltar a molhar o ouvido, freqüentar piscinas e praias após 3 ou 4 meses. Além disso, a audição fica muito melhor. A cirurgia é bem sucedida em mais de 90% dos casos.

Há riscos em realizar esta cirurgia?

Qualquer cirurgia pode levar a complicações. Na timpanoplastia são raros os casos, mas podem ocorrer:

  • Tontura, mas que geralmente passam após 1 ou 2 semanas com uso de medicamentos;
  • Rejeição do enxerto, que não fecha a pele do tímpano corretamente;
  • Nova perfuração, sendo necessária nova cirurgia;
  • Retração do tímpano;
  • Penetração de água no ouvido que dificulta a cicatrização e leva a infecções;
  • Não melhoria da audição, podendo até piorar (principalmente quando se opera os ossinhos da audição);
  • Nova infecção e sangramento;
  • Zumbidos no ouvido, mas que podem passar posteriormente à cirurgia;
  • Distúrbios do paladar (perda do gosto em um lado da língua e boca seca, já que se manipula durante a cirurgia um nervo que ajuda no paladar);
  • Fraqueza dos músculos da face (caso haja lesão no nervo facial que fica próximo ao local da cirurgia).

Qualquer dúvida que surja diante dessas complicações, comunique imediatamente seu médico, que saberá como proceder e explicará tudo o que for necessário.

Como diagnosticar?

Normalmente, o médico faz um exame no interior do seu ouvido com um aparelho chamado otoscópio para verificar a perfuração do tímpano. Se não conseguir certificar com o otoscópio o médico confirmará o diagnóstico injetando uma pequena quantidade de ar comprimido utilizando um aparelho designado para isso.

A tecnologia que está disponível, atualmente, pode cuidar do caso em questão de semanas, mas a recomendação é que se previnam com as dicas mencionadas acima porque o ouvido é uma das parte mais sensíveis do nosso corpo humano.

Veja também este vídeo sobre a perfuração de tímpano (7:28). 

Fontes:

Perfuração do Tímpano

http://pt.wikipedia.org/wiki/Membrana_timp%C3%A2nica

http://emedicine.medscape.com/article/2051819-overview

Niacina é Usada para o Tratamento de Zumbido no Ouvido

A Niacina é uma vitamina, também conhecida como B3, vitamina PP ou ácido nicotínico e faz parte do complexo B. É usada em doses mais elevadas para reduzir os níveis de colesterol de pacientes. No passado, a Niacina foi usada como tratamento para o zumbido no ouvido, mas não há dados claros sobre a sua eficácia.

A Niacina pode causar elevação dos níveis de açúcar no sangue em diabéticos; também pode causar rubor na face e no pescoço, perda de apetite, dor de estômago e dor de cabeça. Segundo o Tinnitus Daily News (EUA), os otorrinolaringologistas utilizavam a Niacina combinada com Dramamina para tratar eficazmente o zumbido, mas não há nenhuma evidência científica de que seria eficaz. Efeitos colaterais mais graves, que a Niacina pode causar seriam, batimento cardíaco irregular e olhos amarelos, e portanto indicam que é preciso mais estudos sobre a Niacina.

O que o Estudo diz sobre Niacina?

zumbido-ouvido-niacina

A Niacina está relacionada a uma droga chamada nicotinamida. Um pequeno estudo foi realizado por Jh Hulshof e P. Vermeij, em 1987 com 48 indivíduos para determinar se a nicotinamida poderia ser eficaz no tratamento do zumbido no ouvido. Os efeitos da nicotinamida foram comparados com os de um placebo e foi constatado que a nicotinamida não trouxe nenhuma melhora que a do placebo.

Fale com especialistas

zumbido-niacina-especialista

Os medicamentos não trazem a cura do zumbido no ouvido, mas podem aliviar os sintomas do mesmo. Antes de usar qualquer medicamento ou iniciar qualquer tratamento. procure um médico especializado na área.

 

Fonte

http://www.livestrong.com/article/505542-niacin-tinnitus/

 

4 Tipos de Vitaminas para Aliviar o Zumbido no Ouvido

Imagem

Se você é um desses 28 milhões de brasileiros que sofrem de zumbido no ouvido, deve estar perguntando como alguma vitamina pode aliviar o seu zumbido.

Os diabéticos têm uma chance maior de sofrer zumbido nos ouvidos. Um estudo clínico realizado no Brasil mostrou que entre 84-92 % dos indivíduos que se queixavam dos zumbidos também tinham diabete. Veja abaixo como tratá-lo na base de vitaminas.

Felizmente, este ruído pode ser evitado através da manutenção do níveis normais de açúcar. Com uma mudança na dieta e no estilo de vida. Neste estudo, dos 80 pacientes iniciais, 59 seguiram a dieta durante dois anos e o resultado mostrou que 39% tiveram melhoria significativa do seu zumbido, 22% tinham alguma melhoria e em 15% seu zumbido desapareceu totalmente.

O primeiro grande passo para mudar o estilo de vida é começar a exercitar, e claro que consequentemente devemos cuidar na alimentação, há diversas vitaminas que nos auxiliam para melhorar ou amenizar o zumbido, mas para esse caso seria bom iniciar com o complexo de vitaminas B.

Além de tratamentos para os diabéticos, nós descobrimos os tipos de vitaminas para aliviá-lo. Abaixo estão os quatro tipos de vitaminas para aliviar o zumbido e as suas descrições:

 

Veja os 4 Tipos de Vitaminas para Aliviar o Zumbido no Ouvido

4 Tipos de Vitaminas para Aliviar o Zumbido no Ouvido

1) Vitamina B-6 e B-12

A vitamina B6 é solúvel em água e não pode ser armazenada no corpo. Ela está envolvida na quebra de carboidratos, gorduras e proteínas e na fabricação de hormônios, glóbulos vermelhos e enzimas.

A vitamina B6 também é necessária para a produção de serotonina, um neurotransmissor do cérebro que controla o nosso humor, apetite, sono e dor que sentimos. Vitaminas B6 também tem sido muito usada para a náusea, depressão e zumbido.

Vitamina B6 é encontrada em produtos como grãos integrais, ovos, produtos lácteos e bananas. Curandeiro naturais dizem que esta vitamina ajuda a estabilizar os fluidos no interior do ouvidos.

Outra vitamina extremamente importante é a B12. Uma pesquisa revelou que pessoas que sofrem de zumbido associado com a exposição ao ruído e envelhecimento natural têm uma deficiência em vitamina B12. Isso significa que há uma relação entre a vitamina B12 e perda auditiva.

Também chamada de cobalamina, é uma vitamina do complexo B. Esta vitamina é necessária para a produção de mielina, uma substância que cobre o nervo do seu ouvido interno e os protege contra danos causados por bactérias, células de vírus e toxinas, conta Alice Feinstein em seu livro Prevention’s Healing with Vitamins (Prevenção e cura com vitaminas). Isso pode ajudar a reduzir o zumbido no ouvido. A vitamina B-12 é um dos tipos de vitaminas para aliviar o zumbido e está disponível em forma de suplementos, assim como em carnes, produtos lácteos e ovos.

 

2) Vitamina E

A vitamina E pode reduzir os sintomas do zumbido auxiliando na reparação de células em seu ouvido interno e do cérebro. Esta vitamina é um potente antioxidante que pode prevenir danos nos nervos e do ouvido interno causados por moléculas de radicais livres e dos lipídios do seu corpo. Ele também ajuda na circulação fornecendo oxigênio e nutrientes necessários para o cérebro e funções da do ouvido. Além dos suplementos, a vitamina E também pode ser encontrada em alimentos, como ovos, óleo vegetal, nozes, pães, integrais, algas e couve.

3) Vitamina A

A vitamina A é encontrada em todos os tecidos do seu corpo, mas ela é encontrada em concentrações particularmente elevadas na cóclea de sua orelha interna. Esta vitamina é essencial para o próprio ouvido e o nervo. Ele também é um poderoso antioxidante, como a vitamina E, e pode ajudar a reparar as células do ouvido interno. Você pode aumentar a vitamina A do seu corpo consumindo cenouras, pimentão, aspargo, espinafre, damascos, e batatas doces. Consumindo suplementos de beta-caroteno o seu corpo automaticamente o converte em vitamina A.

4) Vitamina C

A vitamina C é um potente reforço para o sistema imunológico ajudando a combater as infecções bacterianas e virais, que podem contribuir para a melhora do zumbido. Ela também oferece propriedades antisstress, que também  pode ajudar a diminuir a frequência do seu zumbido no ouvido causado pelo stress. Laranjas, maçãs, brócolis, espinafre, pimentas, acelga, couve, abacaxi e acerola são ricas fontes naturais de vitamina C.

Você que pensou que vitamina era achada apenas na drogaria ou farmácia, está enganado! Você acabou de descobrir que as vitaminas podem ser achadas em simples alimentos e podem ser facilmente compradas em qualquer lugar do seu bairro.

Veja abaixo mais algumas dicas complementares de nosso Earman:

vitaminas para aliviar o zumbido

Não fique aí parado apenas usando o Hearing Guardian! O seu progresso será mais rápido com a combinação de bons hábitos.

Nutrientes e Alimentos que Ajudam a Ter uma Audição Saudável

Imagem

O hábito alimentar é uma das formais mais poderosas para um corpo saudável. O uso de alimentos no tratamento e prevenção de problemas de saúde está se tornando mais comum. No Brasil, já existem restaurantes que usam o conceito de “Cuidem da sua saúde se alimentando”. Por isso, abordamos este tema sobre alimentos que podem reduzir o seu risco de desenvolver perda auditiva ou retardar sua progressão, um número de diferentes alimentos e suplementos que podem ajudar você a ter uma audição saudável.

4 Tipos de Alimentos que Ajudam a Ter uma Audição Saudável

4 Tipos de Alimentos que Ajudarão a Ter uma Audição Saudável

Potássio

De acordo com as pesquisas, níveis baixos de potássio podem influenciar na perda auditiva. Independente disto ser devido à baixa ingestão de potássio ou mau funcionamento dos canais de potássio em seu ouvido interno, os especialistas sugerem que se aumente a ingestão de alimentos ricos em potássio. Aqui vão as dicas! Frutas, como Damasco, banana, melões e laranjas são ricos em potássio e  verduras, como espinafre, além de outros alimentos, como batata, feijão, leite e passas são conhecidos com níveis altos de potássio.

Folato

O folato ou ácido fólico, em sua forma sintética, é vital para a capacidade do seu corpo produzir DNA, RNA e novas células por todo o corpo. Na Holanda, uma pesquisa em 2007, estudou os efeitos da ingestão de ácido fólico em idosos com perda auditiva. Enquanto esta condição comum pode parecer um inevitável efeito colateral do envelhecimento, este estudo descobriu que pessoas que tomavam suplementos de ácido fólico eram menos propensos a perda auditiva à medida que envelheciam. Folato é encontrado em cereais matinais fortificados e também é proeminente no fígado, espinafre, aspargos e brócolis.

Vitaminas

Soldados, trabalhadores da construção civil, ouvintes de música e as pessoas mais velhas estão entre aqueles com risco de perda auditiva, já que os barulhos e o processo de envelhecimento contribuem para perdas auditivas. Mutações celulares podem promover a perda de audição, de acordo com a “University of Michigan Health System”. Certas vitaminas que ocorrem naturalmente e combinações de vitaminas atuam como antioxidantes libertando o corpo de radicais livres.

Em Boston, em 2010,  baseado em suas descobertas e de pesquisas anteriores, pesquisadores sugerem que grandes quantidades dessas vitaminas podem ajudar a prevenir perda auditiva. Para atingir níveis tão elevados, é necessário combinar com suplementos ricos em vitamina C. Alimentos, como frutas cítricas: limão, laranja e tangerina e alimentos ricos em vitamina E: amêndoas, óleo de girassol e manteiga de amendoim.

Cogumelo é  um alimento que melhora a audição. Isso porque ele é rico em vitamina D e fortalece os ossos do ouvido que transfere o som para o cérebro.

1- Vitaminas A, C e E

De acordo com uma pesquisa “University of Michigan Health System”, uma combinação de antioxidantes e minerais podem proteger os indivíduos de perda auditiva induzida por ruídos, ao serem consumidos vários dias após a exposição. Vitaminas A, C, E e magnésio impediram a perda auditiva induzida por ruído nas cobaias. A perda auditiva após níveis de ruídos extremos resulta em dano ao ouvido interno quando radicais livres estão presentes em excesso. Esta combinação de vitaminas e minerais foi pensada para eliminar os radicais livres no ouvido interno e evitar danos permanentes. Fontes de vitamina A são cenouras, abóbora e batata doce. A vitamina C é encontrada em laranjas, toranjas, acerolas e maçãs. Azeitonas, nozes e sementes fornecem uma fonte natural de vitamina E.

2- Vitamina H

A vitamina H, também conhecida como biotina, alivia os sintomas de deficiência de biotinidase. Deficiência de biotinidase é um distúrbio hereditário caracterizado por perda auditiva, distúrbios visuais, convulsões e problemas de pele. Biotina ajuda a tratar a deficiência ao se ligar a uma enzima e restaurar os défices sensoriais. Os alimentos que contêm biotina incluem ovos cozidos, cogumelos, soja, nozes e sardinhas.

3- Vitamina B9

A vitamina B9, também conhecida como ácido fólico ou folato, está associada com a perda de audição relacionada à idade. De acordo com um estudo de 2010 publicado no “Otolaryngology-Head and Neck Surgery”, adultos com mais de 60 anos de idade com baixos níveis de ácido fólico aumentaram significativamente o risco de perda auditiva de alta frequência ou perda auditiva de sons agudos. Fontes de ácido fólico incluem cereais enriquecidos, nozes, alface, ervilhas e espinafre.

4- Vitamina B12

Similar ao ácido fólico, a vitamina B12 está também associada com perda de audição relacionada à idade. Vitamina B12 e ácido fólico ajudam a regular os níveis de homocisteína. A homocisteína é um aminoácido auxiliando na saúde vascular. O baixo funcionamento vascular está associado com disfunção coclear, uma causa comum de perda de audição de idade. Além disso, as deficiências de vitamina B12 estavam ligadas a um distúrbio auditivo chamado de zumbido. Ruídos ou zumbido nos ouvidos que afetam sua capacidade de ouvir. Alimentos com vitamina B12 incluem ovos, laticínios, algas, peixes e frango.

Alimentos pobre em carboidratos e pobres em sódio

Na Austrália, um grupo de amigos explorou os efeitos de dietas ricas em açúcar e alto teor de carboidratos em uma pesquisa em 2010. Embora estes pesquisadores não sugerem cortar açúcares e carboidratos de sua dieta, eles descobriram que pessoas que comem uma quantidade excessiva desses compostos são mais propensos a desenvolver problemas de audição.

Fonte:

http://www.livestrong.com/article/477832-natural-vitamins-for-hearing-loss/

Síndrome Otopalatodigital (OPD) de Taybi

Síndrome Otopalatodigital (OPD), também chamada de síndrome digitootopalatal ou síndrome palatootodigital, é uma desordem genética rara ligada ao cromossomo X que afeta a estrutura óssea e facial. A OPD se expressa plenamente no sexo masculino, as mulheres são apenas levemente afetadas.

As Duas Formas de Síndrome Otopalatodigital

Existem duas formas de síndrome de OPD. O tipo I é herdada através de uma característica ligada ao X com expressão intermediária nas mulheres enquanto o tipo II é herdada através de um traço ligado ao X recessivo. O tipo I da síndrome da OPD é também chamado Taybi. A síndrome OPD de tipo II é alternativamente chamado Andre, síndrome cranioorodigital, ou síndrome (FPO) faciopalatoosseous.

Diagnóstico

A Síndrome Otopalatodigital (OPD) é caracterizada por malformações e/ou disfunções dos ouvidos (oto), palato (palato), dedos das mãos e pés (digito), crânio (crânio), boca (oro), face (facio) e os ossos (ósseo). Algumas das características comuns aos dois tipos de síndrome de OPD incluem: a fissura de palato, uma testa proeminente, um nariz largo, olhos amplamente espaçados (hipertelorismo), um descendente inclinado da abertura entre as pálpebras superior e inferior (fendas palpebrais), perda auditiva condutora, dedos curtos (braquidactilia), uma curvatura interior anormal dos dedos (clinodactilia), uma cava no peito no recém-nascido (pectus excavatum); baixa estatura (nanismo) e uma luxação congênita dos cotovelos causadas por um desalinhamento da cabeça do osso grande no antebraço (raio).

Tratamento

Não existem tratamentos que visem especificamente a Síndrome Otopalatodigital (OPD). Em vez disso, o tratamento é caso a caso, baseado em cada sintoma.

Mal formações da cabeça e da face geralmente podem ser corrigidos, se necessário, por cirurgias. Em certos casos, a perda auditiva condutiva vivenciada pelos indivíduos com síndrome de OPD também pode ser corrigida através de cirurgia. Quando não pode, o uso do aparelho auditivo pode ser necessário.

Prognóstico

A maioria dos indivíduos afetados com tipo Síndrome Otopalatodigital (OPD) I pode esperar levar uma vida plena se os tratamentos médicos, inclusive cirurgias corretivas, são procurados. Muitos indivíduos afetados com o tipo de Síndrome Otopalatodigital (OPD) II morrem, quer antes do nascimento ou na infância, devido à insuficiência respiratória associada à malformação dos ossos da caixa torácica. Se estes indivíduos sobreviverem à infância, eles também podem esperar viver uma vida plena após cirurgias corretivas e outros tratamentos médicos.

 

Fonte:

Heath Line – http://www.healthline.com/galecontent/otopalatodigital-syndrome-1#1

 

Coenzima Q10 pode ajudar a tratar o zumbido no ouvido

Coenzima Q10, conhecido como Ubiquinona, é um poderoso antioxidante que melhora a circulação sanguínea da audição e pode tratar o zumbido no ouvido. Além da circulação sanguínea, o nutriente é utilizado para o tratamento de câncer, distrofia muscular, doença periodontal e insuficiência cardíaca. Ele estimula o sistema imunológico que ajuda a converter alimentos em energia e auxilia na regeneração da vitamina C e E.

Normalmente, a coenzima Q10 está em todo o nosso corpo. Ela é necessária para a conversão de alimentos na mitocôndria das células para produzir energia sob a forma de trifosfato de adenosina, ou ATP. A Q10 é um antioxidante útil que irá impulsionar o sistema imunológico e melhorar a circulação sanguínea nos ouvidos.

Estudo sobre Coenzima Q10

Em um estudo publicado em 2007 na publicação Otorrinolaringologia – Cirurgia de cabeça e pescoço (Otolaryngology – Head and Neck Surgery), descobriram que a coenzima Q10 na dose de 100mg – três vezes ao dia durante 16 semanas – melhorou significativamente os sintomas de zumbido, distúrbios de sono e estresse cognitivo. Segundo os pesquisadores, a Q10 só foi benéfica em pacientes com baixo nível de Q10, antes do início do tratamento.

Efeitos da Coenzima Q10

A coenzima Q10, geralmente, parece ser segura e bem tolerada em doses de até 200mg por dia, de acordo com a Universidade de Maryland Medical Center. No entanto, altas doses de Q10 pode induzir efeitos colaterais indesejáveis, tais como agitação, insônia, perturbação do estômago e fadiga. Os suplementos devem ser tomados sob supervisão médica.

Onde comprar a Coenzima Q10

Estes são alguns links onde você poderá adquirir o Coenzima Q10. Lembrando que qualquer aquisição feita nesses websites é a responsabilidade de cada consumidor e nós não responsabilizamos por qualquer transação.

Fontes:

http://www.livestrong.com/article/429928-coenzyme-q10-tinnitus/

Ouvido esquerdo para entender o sarcasmo

Imagem

O que faz a pessoa compreender o sarcasmo é o lado direito do cérebro. Enquanto, o lado esquerdo do cérebro faz a pessoa entender o real significado da palavra.

Compreender o sarcasmo é essencial para uma comunicação apropriada. Faz a pessoa interpretar uma frase, como “você é muito inteligente”, literalmente na pé da letra ou no sentido oposto e responder apropriadamente.

Agora, se você quer fazer uma piada sarcástica para seus amigos, aproveite para falar na direção do ouvido esquerdo deles para ter maiores chances de eles darem risada. Essa estratégia vale ainda mais se você deseja fazer um comentário do mesmo tipo para pessoas com quem você não tem intimidade e, portanto, não conhece seu humor.

Estudo sobre ouvido esquerdo entende melhor o sarcasmo

sarcasmo

Você sabia? Seu ouvido esquerdo entende melhor o sarcasmo, enquanto o direito compreende mais facilmente as declarações sinceras. Pelo menos, é o que afirmam pesquisadores da Universidade de New Brunswick, no Canadá.

Segundo o estudo, o ouvido esquerdo possui mais agilidade em perceber as nuances do discurso das pessoas por causa da maneira de como o hemisfério correspondente do cérebro processa a linguagem. Para chegar em tal conclusão, os pesquisadores realizaram uma série de testes com 40 voluntários.

Sendo assim, pense duas vezes antes de tentar persuadir alguém e fale no ouvido direito da pessoa. A mesma estratégia serve para situações de paquera. E se você parar para observar, vai perceber que nós temos a tendência de preferir que falem no nosso ouvido direito.

Estudo na prática

Para provar isso, pesquisadores da Universidade de Gabriele d’Annunzio, na Itália, foram até uma balada e pediram cigarro para as pessoas, perguntando intencionalmente ao pé do ouvido direito ou esquerdo. O resultado foi que eles receberam mais respostas positivas quando perguntaram no ouvido direito.

O mesmo acontece no ouvido esquerdo, especialistas afirmaram que com o ouvido esquerdo, a audição capta melhor os sons. Então, se quiser analisar e ouvir bem uma música, procure ouvi-la com este lado.

 

Tudo Sobre a Síndrome de Kartagener

A Síndrome de Kartagener é causada por uma doença autossômica recessiva rara, que apresenta uma tríade composta por pansinusite crônica, bronquiectasia e situs inversus com dextrocardia. A incidência desta desordem genética é estimada em 1/25.000.

Foram realizadas tomografias computadorizadas do tórax, abdome e crânio, além da tomografia computadorizada de alta resolução do tórax, audiometria, imitanciometria e vídeo-naso-fibroscopia.

Tratamento para o Síndrome de Kartagener

A DCP não possui tratamento específico. De forma semelhante ao que ocorre na fibrose cística e nas imunodeficências, o objetivo do tratamento é prevenir e diagnosticar precocemente os episódios infecciosos das vias aéreas, orientando o paciente a realizar fluidificação das secreções e fisioterapia respiratória.

Dada a fisiopatologia da DCP, na qual o batimento ciliar é ineficaz para o clareamento das secreções, com consequente estase e infecção bacteriana secundária. Entre os tratamentos preconizados estão a cirurgia endoscópica nasossinusal para ampliação dos óstios de drenagem dos seios paranasais, colocação de tubo de ventilação na orelha média e adenoidectomia.

Com estas medidas tem sido observada melhora significativa na qualidade de vida dos pacientes com DCP.

Fontes

SWENSSON, Rubem C. et al . Síndrome de Kartagener: relato de caso. Rev. Bras. Otorrinolaringol.,  São Paulo,  v. 69,  n. 6, Dec.  2003 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-72992003000600021&lng=en&nrm=iso>. Acessado em 08  Fev.  2012.

http://medensina-edu.blogspot.com/2010/09/sindrome-de-kartagener.html

Mucopolissacaridose tipo I – Causas e Tratamentos

Mucopolissacaridose tipo I (MPS I) conhecido como Síndrome de Hurler e Síndrome de Scheie, é uma doença metabólica rara de origem genética caracterizada pela falta da enzima α-L-iduronidase, resultando em um acúmulo de longas moléculas de açúcar chamadas originalmente de mucopolissacarídeos (atualmente mais conhecidas como glicosaminoglicanos ou GAGs).A doença que foi descrita em 1919, por Hurler, afeta ambos os sexos, com característica hereditária autossômica recessiva de incidência estimada em 1 / 100.000.

O quadro clínico relatado por GRANATO et al. (1997), inclui gargolismo com macrocefalia, abdome proeminente, orelha de baixa implantação, hipertelorismo, prega epicântica, baixa estatura, involução do desenvolvimento neuropsicomotor, face progressivamente grosseira, lábios grossos, dentes afastados, cabelos grossos e hepatoesplenomegalia. RUSSO & SANTOS (1993), referem um aumento do baço e fígado, cegueira e perda auditiva neurossensorial profunda.

A evolução da patologia relatada por SANVITO (1997), prevê  quadro fatal com óbito antes dos 10 anos de idade decorrente de infecções respiratórias ou insuficiência cardíaca.

Como diagnosticar a Mucopolissacaridose tipo I (MPS I)?

A Mucopolissacaridose tipo I (MPS I), é uma doença genética rara, que se manifesta entre os 6 e 8 meses do bebê e pode levar à morte, por volta dos 10 anos de idade. A doença pode ser diagnosticada ao surgirem os primeiros sintomas dificuldade de respirar e febre. Esta síndrome provoca o desenvolvimento de deformidades ósseas, alteração da córnea, problemas cardíacos, alteração dos ossos da face, baixa estatura e comprometimento intelectual. A criança portadora da síndrome terá um menor desenvolvimento motor, necessitando de tratamento para que atinja os marcos do desenvolvimento, como sentar, ficar de pé e andar.

Quais são os tratamentos para Mucopolissacaridose tipo I (MPS I) ?

Terapia de reposição enzimática, especificamente, para MPS I, tem se mostrado útil na redução dos sintomas não neurológicos. A marca farmacêutica BioMarin fornece terapia para MP com laronidase (Aldurazyme) comercializado pela empresa Genzyme e pode ser administrado por via endovenosa (aplicação de medicamento direto na corrente sanguínea, através de uma veia).

A fisioterapia e a psicomotricidade podem ajudar no tratamento da doença, melhorando a qualidade de vida do indivíduo e de seus cuidadores. O tratamento para a síndrome mais adequado é a transfusão sanguínea. Pesquisas recentes demonstram que os pacientes que utilizaram as células tronco conseguiram vencer a doença.

Fontes:

http://www.cefac.br/library/teses/bcfcde35656d85bfd023ce757cb6703c.pdf

 

Síndrome de Stickler – Causas e Tratamentos

A síndrome de Stickler, também conhecida como artro-oftalmopatia hereditária, síndrome de Marshall-Stickler ou síndrome de Wagner-Stickler, trata-se de um grupo de distúrbios genéticos que acomete o tecido conjuntivo, mais especificamente o colágeno.

No ano de 1965, Stikler e colaboradores descreveram um quadro sintomatológico com transmissão autossômica dominante que envolvia miopia55 com alterações vítreo-retinianas, Síndrome de Pierre Robin, displasia epifisária e perda auditiva neurossensorial (SMITH, 1972). BARAITSER & WINTER (1998), sugerem aos recém nascidos que apresentam a Síndrome de Pierre Robin um exame e acompanhamento oftalmológico devido a semelhança com a mesma. A perda ocorre em aproximadamente em 15% dos casos com comprometimento neurossensorial ou misto.

Causas de Síndrome de Stickler

Constitui-se em doença autossômica dominante, progressiva, causada a partir de mutações em genes responsáveis pela síntese de colágeno, como COL2A1, COL11A1 e COL11A2. Possui variada sintomatologia, inclusive dentro de uma mesma família. Ocorrem alterações otorrinolaringológicas, oftalmológicas, ortopédicas e sistêmicas, como hipoacusia, fenda palatina, face plana, nariz achatado, miopia intensa, catarata, glaucoma, articulações hiperflexíveis e prolapso da valva mitral. Dentre as principais complicações dos indivíduos afetados se encontram surdez neurossensorial, descolamento da retina e cegueira.

Tratamento

A expressividade do síndrome é variável e o seu prognóstico impossível de prever. O tratamento é adaptado a cada caso.

 

Fontes

http://www.orpha.net/consor/cgi-bin/OC_Exp.php?lng=PT&Expert=828

http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=3937