Exercício Respiratório para Ajudar a Aliviar o Zumbido

Imagem

Já que o zumbido continua nos atormentando, nós tentamos descobrir os métodos que pudessem aliviar esse problema. Dois fatores que aumentam muito o zumbido são o stress e a hipertensão. Normalmente, quando procuramos o médico, ele recomenda descanso para relaxarmos, mas para ajudar ainda mais, nós pesquisamos algumas técnicas de relaxamento, como exercício respiratório para beneficiar os que sofrem destes problemas.

Zumbido, mesmo que não diretamente causado por estresse, pode ser agravado por ele. O exercício respiratório é um método eficaz de aliviar o estresse, e pode ajudá-lo a livrar sua mente do zumbido. Praticar a respiração profunda pode ajudar a se reorientar ou sentir a calma suficiente para conseguir dormir e se concentrar. Um exercício simples de respiração para o relaxamento pode ser realizado várias vezes ao dia em qualquer lugar que esteja.

Vamos começar o exercício respiratório?

Exercício Respiratório para Ajudar a Aliviar o Zumbido

  1. Desligue o celular e a televisão
  2. Pratique em um lugar silencioso
  3. Faça os exercícios ouvindo uma música calma, se a música atrapalhar, é melhor desligá-la
  4. Tire o tênis e use roupas confortáveis
  5. Sente-se no chão ou na cadeira em uma posição confortável, com as pernas cruzadas
  6. Mantenha a coluna reta, permitindo que seus ombros relaxem
  7. Feche a boca, inspire profundamente através do nariz, reproduzindo um som audível
  8. Inale o ar enchendo a barriga
  9. Expire lentamente, fazendo o mesmo barulho audível
  10. Repita esse exercício durante cinco a trinta minutos, até que se sinta completamente relaxado

Considerações

O software Hearing Guardian ajuda milhões que têm problemas de zumbido causado por perda neurossensorial associado a idade e ao ruído excessivoÉ bom que a respiração profunda seja  usada apenas como um tratamento adjuvante para o zumbido. Consulte o seu médico para um diagnóstico e tratamento da causa subjacente deste problema. Em alguns casos, o zumbido pode ser um sinal de uma doença grave. É aconselhado evitar certos elementos que podem piorar o seu zumbido, incluindo nicotina, álcool e exposição a ruídos altos.

Veja este video que explica passo a passo como que usar este software Hearing Guardian v1 (3:07):

Fontes

http://www.livestrong.com/article/551196-breathing-exercise-to-help-relieve-tinnitus/

3 Dicas Eficientes para Você Cantar Melhor

Imagem

Você queria ser cantor(a) quando era pequeno(a), mas simplesmente não tem esse dom? Com certeza você já achou que cantava no chuveiro como um profissional, mas não chegou nem perto do tom e da suavidade desses artistas. Pois saiba que cantar bem não é muito bem um dom, e sim mais uma habilidade que envolve duas coisas: a audição e a reprodução de sons. Veja abaixo o que faz uma pessoa cantar melhor.

Segue as 3 dicas para você cantar melhor

1) A percepção no canto

cantar melhor

Estamos falando de dois fatores fisiológicos que ajudam você a cantar melhor. Um deles é a percepção. O funcionamento da audição parece ser algo muito simples. No entanto, muitas pessoas possuem dificuldade em reconhecer os diferentes tons e suas progressões.

No entanto, quase todo mundo já passou pela experiência de ouvir duas músicas e achá-las muito parecidas. Isso acontece quando existe uma grande semelhança nos intervalos e tempos das notas entre essas composições.

2) Desafinar

cantar melhor

O segundo fator fisiológico é decorrente do primeiro, pois não é possível reproduzir um som que você escutou sem a percepção auditiva. Percebemos quando um cantor não está se ouvindo bem e acaba desafinando, por exemplo. Tem gente que já nasce sabendo, tem um dom de cantar.

3) Cantar

cantar melhor

Saber cantar também é uma questão de investimento, um treinamento a longo prazo. A facilidade na reprodução de sons captados é determinada de acordo com a elasticidade das cordas vocais. Elas se expandem e se contraem na traqueia para formar orifícios por onde o ar passa, fazendo surgir a voz.

Cantar não é uma tarefa fácil. É preciso ter a audição saudável, um ouvido treinado para reconhecer diferentes tons, uma garganta flexível e bem exercitada e, às vezes, um pouco de dom.

 

Fontes

http://bodyodd.nbcnews.com/_news/2011/09/29/8020046-why-some-of-us-are-terrible-singers

Como se Livrar de Música Chiclete?

Imagem

“Tchê tchê re re tchê tchê”, “Agora eu fiquei doce que nem caramelo, tô tirando onda de Camaro amarelo”, “Ai se eu te pego, ai, ai, se eu te pego”. Vai dizer que você nunca ficou com uma música chiclete ou só com um trecho dela na cabeça?

A música age no nosso cérebro de forma única. Sistemas fundamentais do nosso cérebro são exercitados quando ouvimos uma canção. Charles Limb, médico da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, afirma que ouvir música faz com que muitas de nossas habilidades cognitivas sejam treinadas, permitindo novas formas de pensar.

1) Por que a música chiclete não sai da cabeça?

Já experiências com a audição de músicas repetitivas, como a do Michel Teló e a do Gusttavo Lima, entram e subvertem parte do nosso cérebro. Isso quer dizer que ele é forçado a reproduzir a música de forma autônoma.

A repetição “chiclete” é um fenômeno do nosso cérebro, chamado de earworm (minhoca de ouvido, em tradução livre). Existem duas histórias diferentes para o surgimento desse termo.

Alguns dizem que o termo foi criado pelo professor James Kellaris, da Universidade de Cincinnati, enquanto o neurologista Oliver Sacks afirma em seu livro “Alucinações Musicais” que a expressão foi utilizada pela primeira vez nos anos 80, como uma tradução da palavra alemã ohrwurm.

O neurocientista e psicólogo Daniel Levitin, da Universidade McGill, no Canadá, diz que esses fragmentos musicais que ficam nos atormentando repetidamente são bem simples, ou seja, músicas complicadas não grudam que nem chiclete no cérebro.

Pesquisadores da Universidade Dartmouth, nos Estados Unidos, realizaram um teste para entender melhor esse fenômeno. Eles colocaram voluntários para ouvir uma música que era pausada sem aviso prévio.

Foi observado que o córtex auditivo continuava trabalhando quando a canção era conhecida do voluntário. Caso contrário, quando a música era desconhecida, a mente permanecia vazia e, para ocupar esse vazio, o cérebro começava a repetir o que havia acabado de escutar.

2) Veja as 4 dicas para se livrar de música chiclete!

Existem casos extremos em que a música chiclete pode grudar tanto na nossa cabeça que  a gente deixa de viver a nossa rotina. Dormir e trabalhar se tornam as atividades mais difíceis do mundo. Tem gente que precisa até recorrer a ansiolíticos para conseguir relaxar.

Mas o grande problema de nossas vidas é: como se livrar dessas músicas-chiclete-demônio que nos perseguem como uma coceira cerebral? Continuar repetindo a música infinitamente, ouvir a música inteira, escolher outra música para grudar na cabeça, enfim… Nessas horas cada um tem a sua técnica. Por isso preparamos as 4 dicas para conseguir esquecer, se livrar, tirar da cabeça aquela música chiclete.

1. Ouça a música chiclete do começo ao fim

Segundo Frederic Neuman, diretor do Centro de Ansiedade e Fobias do White Plains Hospital, ao invés de se esforçar para esquecer a musica, é mais efetivo ouvi-la até o fim. Neuman deixa claro que não chegou a essa conclusão por estudo cientifico, mas sim por experiências pessoais.

2. Sacie sua curiosidade

Algumas vezes, você não conhece a música chiclete inteira. Ouviu apenas um refrão e isso não sai da cabeça. A curiosidade para saber o resto da música, autor, cantor etc, facilitam a lembrança constante. Então, procure a letra na internet, cante para um amigo. Após descobrir de qual música se trata, siga a dica 01 e tente esquecê-la.

3. Anule a música.

Como um anulador de ruído, que usa uma frequência equivalente, mas oposta, você pode anular a música chiclete ouvindo outra música. Porém, é claro, uma que você conheça e que não te cause estresse.

4. Distraia a mente

Este método é similar a ideia de que se há uma região dolorida em seu corpo, “machuque” outra região para se esquecer da primeira.

Este não é um método muito agradável:o WebMD recomenda que amarre um elástico no pulso, o puxe e solte toda vez que pensar na música. Irá causar um efeito condicionado de repulsa à música. O próprio WebMD também recomenda que simplesmente faça atividade que refresque a cabeça, como caminhar e jogar quebra-cabeças.

Então, da próxima vez que uma música grudar na cabeça, tente alguns desses métodos. É provável que algum de certo para você.

Fontes

http://hypescience.com/como-a-musica-esta-mudando-seu-cerebro/

http://super.abril.com.br/cotidiano/algumas-musicas-grudam-cabeca-573452.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/livrariadafolha/999777-neurologista-investiga-o-que-faz-uma-musica-nao-sair-da-cabeca.shtml

Hipersensibilidade Auditiva: Tipos, Causas e Tratamentos

Imagem

A hipersensibilidade auditiva  é um problema que ocorre com a audição em ouvir os sons normais do cotidiano, que se tornam um incômodo para quem tem o problema.

Enquanto conseguimos aguentar até 120 decibéis, uma pessoa que tem hipersensibilidade auditiva suporta até 90. Dessa forma, ela é muito sensível aos sons, mesmo quando algo está com volume baixo.

A hipersensibilidade auditiva, termo conhecido também, como hiperacusia, fonofobia, recrutamento e muitos outros, é uma das principais queixas que os otorrinolaringologistas e fonoaudiólogos atendem, junto com os problemas de zumbido e dificuldade de compreensão.

O que é hipersensibilidade auditiva?

A hipersensibilidade sonora é um sintoma que causa sensibilidade auditiva. Barulhos normais, como dos risos, latido de cachorro, som do aspirador, ar condicionado e toque de celular se tornam insuportáveis para as pessoas que sofrem desse problema, mesmo quando o volume está em um nível seguro. Esses sons insuportáveis podem gerar dor, frustração e irritação, podendo agravar mais nas pessoas que possuem zumbido nos ouvidos.

A hipersensibilidade auditiva é um problema que atinge 80% da população mundial. O interessante é que 70% das pessoas que tem esse problema também se queixam de zumbido no ouvido e 40% dos que sofrem de zumbido se queixam de hipersensibilidade. Isso quer dizer que esses dois sintomas podem estar vindo do mesmo lugar.

Algumas pessoas acham que isso é sinônimo de uma audição mais afiada que as outras, porém, a verdade é que possuem a audição normal. O problema está na baixa tolerância aos sons mesmo com intensidade baixa

Uma pessoa com uma audição normal consegue aguentar até um som de 120 decibéis, enquanto os hipersensíveis não resistem a um volume maior que 90 decibéis.

Quais são os tipos de hipersensibilidade auditiva?

As causas de hipersensibilidade podem variar de caso a caso:

1) Hiperacusia

Você sabe o que a palavra hiperacusia significa? O prefixo “hiper” significa excessivo e “akousis” significa audição. Sendo assim, entende-se que hiperacusia quer dizer excesso de audição. No entanto, o sentido correto da palavra é o de hipersensibilidade aos sons.

Algumas pessoas acreditam que uma pessoa com hipersensibilidade auditiva escuta melhor do que as outras, mas isso não é verdade. É justamente o contrário, a hipersensibilidade auditiva está relacionada à perda de audição, pois quer dizer que o sistema auditivo não está funcionando corretamente.

As pessoas com hiperacusia sentem desconforto quando ouvem um som que chega a 90 decibéis ou menos enquanto uma uma pessoa sem problemas auditivos consegue suportar até 120 decibéis. Isso acontece por causa de uma alteração no processamento central dos sons, provocando desconforto a sons como ventilador, campainha, portas fechando, telefone, carro, entre outras sonoridades cotidianas.

1.1) Como hiperacusia pode afetar o lado emocional

O sistema límbico, unidade responsável pelas emoções e comportamentos sociais, faz parte do desenvolvimento da hipersensibilidade, pois a atenção fica voltada para os sons, atrapalhando a concentração em outras atividades. Mudanças no humor e na ansiedade podem aumentar a estimulação global e, consequentemente, fazer com que a aparência da intensidade dos sons também aumente, tornando o desconforto da hipersensibilidade maior e mais difícil de suportar.

1.2) Como tratar a Hiperacusia?

O funcionamento impróprio das células ciliadas na cóclea pode causar a hipersensibilidade por causa das falhas nas células na propagação dos sinais no centro auditivo. Uma das soluções para esse problema é o uso do software Hearing Guardian V1, que faz a correção desses erros e faz com que a propagação seja bem distribuída.

2) Fonofobia

A fonofobia é um transtorno psicológico que faz com que as pessoas que o têm sintam medo até da própria voz. O problema pode ser desenvolvido a partir de uma hipersensibilidade auditiva (hiperacusia), já que isso faz com que sons normais do cotidiano sejam quase insuportáveis para o ouvido.

2.1) Quais são as causas da fonofobia?

A fonofobia geralmente é desenvolvida em decorrência de um medo excessivo de prejudicar a audição por meio da exposição aos sons, mesmo aos menos intensos.

Isso pode acontecer como resultado da audição de um som de um balão estourando, alarmes, auto-falantes, tiros, uma porta batendo. Para a maioria das pessoas, essas situações causariam apenas um susto, enquanto as que têm fonofobia, sentem medo.

2.2) Quais são os sintomas?

Na fonofobia, a pessoa mostra algumas sintomas como medo, vontade de fugir, sudorese e crises de choro. O medo da própria voz é tanto, que as pessoas com fonofobia têm pavor até de falar alto e, normalmente, já começa a se manifestar ainda na infância. Em alguns casos, as pessoas com este distúrbio têm súbitas alterações no humor e até alteração nos batimentos cardíacos. 

Uma pessoa com esse problema não consegue manter uma vida social ativa, pois sempre procura estar em lugares silenciosos, por vezes se isolando dentro de casa. Mesmo o ato de falar ao telefone pode ser extremamente desconfortável.

Esse medo faz com que a qualidade de vida da pessoa que possui fonofobia diminua bastante. Existem situações em que ela pode desencadear uma crise de choro, tremores pelo corpo, falta de ar, náuseas, palpitaçõese entre outros sintomas.

2.3) Existem tratamentos?

Não existe cura para nenhuma fobia, apenas opções de tratamentos que amenizam os sintomas do problema. Nesse caso, é importante realizar um tratamento psicológico e utilizar tampões no ouvido para melhorar o desconforto.

3) Recrutamento

Recrutamento é tipo mais comum entre a hipersensibilidade auditiva. Ele ocorre em pessoas que têm algum grau de perda de audição neurossensorial. As pessoas com este problema, tem dificuldade de ouvir sons baixos e sentem desconforto mesmo com nível de volume razoávelmente altos.

Para enteder melhor sobre o recrutamento, é preciso entender como funciona o sistema auditivo. A audição é formada, principalmente, por três partes principais: o ouvido externo, o médio e o interno. A captação do som até sua interpretação é uma sequência complexa de transformações de energia, iniciando pela sonora (ouvido externo), passando pela mecânica (ouvido médio), hidráulica e finalizando em energia novamente (ouvido interno).

O ouvido interno o qual é composto da cóclea. A cóclea assemelha-se a uma concha cheia de um líquido chamado perilinfa, esse líquido se move livremente na cóclea de um lado para outro. Quando o líquido movimenta-se, dentro da cóclea, milhares de célula ciliadas que são semelhantes a pelos, são estimuladas. Quando movimentadas transportam o estímulo sonoro através do nervo auditivo até o cérebro.

Quando as células ciliadas são danificadas surge a surdez classificada como sensorial. Ao receber os estimulos sonoras, essas células lesadas são incapazes de transformar a vibração mecânica em estímulos elétricos, por estarem danificadas, principalmente as agudas. Com lesões no nosso sistema auditivo, o corpo humano sempre procura uma forma de compensar aquela estrutura danificada, no caso da celulas ciliadas  a cóclea começa a recrutar outras células ciliadas para compensar. Ao recrutar outras células ciliadas para captar frequências, cria-se um estímulo auditivo exagerado e muitas vezes deturpado.

3.1) Quais são as maiores causas de lesões nas células cililiadas ?

  • Ruído;
  • Produtos químicos;
  • Vibração;
  • Pressão;
  • Herança genética;
  • Acidentes;
  • Uso indiscriminado de medicação ototóxica;

3.2) Qual é a principal queixa de pacientes que apresenta recrutamento?

O principal sinal de recrutamento nos pacientes é a dificuldade de ouvir e compreender as vozes, quando faladas em intensidade fraca. E quando faladas em intensidade forte, os pacientes tendem a sentir um certo desconforto.

3.3) Sintomas de recrutamento:

  • Perda auditiva;
  • Zumbido;
  • Dificuldade em entender a fala;
  • Sensação de voz “abafada”;
  • Dificuldade na localização da fonte sonora;
  • Hipersensibilidade auditiva;

Os pacientes com recrutamento são portadores de perda auditiva neurossensorial moderada a severa. É muito importante a avaliação e o acompanhamento de médico otorrinolaringologista ou  fonoaudiólogo. O aparelho auditivo (AASI) quando mal regulado pode causar o recrutamento nos pacientes, complicando ainda mais o tratamento.

3.4) Qual é a solução para o recrutamento?

Hearing Guardian ajuda a detectar as frequências prejudicadas. Depois de detectar as células ciliadas que causam o recrutamente, o software passa a estimular a área afetada com sinais sonoros personalizados. Assim prevenindo que sistema auditivo cause recrutamento e fazendo com que as células ciliadas de toda cóclea trabalhem em harmonia.

Quais são as causas da hipersensibilidade auditiva?

A hipersensibilidade auditiva pode ser causada por:

  • Hereditariedade (pessoas da mesma família com o mesmo problema);
  • Perda da audição, que não funciona normalmente;
  • Danos / traumas no ouvido, tímpano ou músculos da região auditiva;
  • Exposição excessiva a sons muito altos por longo tempo;
  • Infecções de ouvidos (geralmente não tratadas);
  • Danos cerebrais, que dificultam o cérebro a processar corretamente os sons;
  • Doenças pré-existentes;
  • Estresse.

Quais os sinais que indicam uma hipersensibilidade auditiva?

Geralmente os sintomas da hipersensibilidade auditiva, são:

  • Dor no ouvido afetado;
  • Sensibilidade aumentada em relação a intensidade sonora;
  • Desconforto;
  • Zumbidos;
  • Dor de cabeça intensa;
  • Confusão mental;
  • Náusea;
  • Tontura;
  • Estresse e ansiedade.

Como se diagnostica a hipersensibilidade auditiva?

Para se diagnosticar a hipersensibilidade auditiva, deve se procurar um médico otorrinolaringologista ou um fonoaudiólogo, especialistas no assunto. Ambos farão uma análise clínica dos sintomas e do histórico do paciente, solicitando também exames e testes para avaliarem o problema, como:

  • Audiometria: exame que avalia a funcionalidade e capacidade da audição.
  • Testes audiológicos: o teste do limiar do desconforto (UCL ou LDL), por exemplo, avalia qual nível dos sons se torna desconfortável para o paciente. Enquanto os níveis normais de limiar do desconforto estão entre 85 e 90 decibéis, uma pessoa com hipersensibilidade auditiva tem níveis abaixo disso.

Como tratar a hipersensibilidade auditiva?

O tratamento da hiperacusia não é o silêncio e nem mesmo o uso de protetor auricular, pois com um ruído mais baixo ou mesmo o silêncio provocam um aumento da audição amplificando a captação de sons externos ao redor aumentando a sua intensidade e gerando maior incômodo. O resultado pode ser uma piora na audição.

Você pode usar o software Hearing Guardian que é um software, gerador de som, que ajuda pessoas com hipersensibilidade auditiva. Seu intuito é gerar sinais de baixa frequência, corrigindo os erros da intensidade do som ouvida pela pessoa com o problema. Este software pode ser baixado pelo site www.biosom.com e poderá se livrar da hipersensibilidade auditiva para sempre.

Outros tratamentos são:

  • Medicamentos: são usados analgésicos para aliviar os sintomas de desconforto e dor, e antidepressivos ou ansiolíticos para baixar a ansiedade do paciente a fim de lidar com os efeitos psicológicos do problema.
  • Psicoterapia: possui objetivo de ajudar a pessoa a lidar com seu problema de forma a melhorar sua qualidade de vida.
  • Cirurgia: é raramente realizada, somente em casos extremos onde há perda auditiva.
  • Terapia sonora (dessensibilização): é um treinamento que utiliza ruídos (como sons da natureza) que, conforme o volume aplicado, vão aumentando gradativamente de intensidade para reconfortar a audição do paciente, ou seja, a pessoa vai se readaptando aos sons do dia-a-dia, diminuindo sua intolerância.

Assista este vídeo e veja como este software Hearing Guardian funciona (3:17):

Para atender a esses pacientes a Biosom oferece um software chamado Hearing Guardian, que mapeia o nível auditivo e gera sinal nas faixas de frequência sensível a fim de que o paciente se recupere desse problema perturbador.

Neuroplasticidade – Descubra o Poder da Neuroplasticidade

Imagem

Você pode treinar o seu cérebro para fazer o que quiser. Sabe por quê? Por causa da neuroplasticidade. Esse nome estranho se refere à capacidade que o nosso cérebro tem de sempre aprender coisas novas.

Nossos neurônios se reorganizam toda vez que nos submetemos a uma nova atividade, fazendo com que a comunicação neural encontre novos caminhos de realização.

Neuroplasticidade: Como os neurônios são reorganizados?

O que acontece é o seguinte: os neurônios são estimulados e geram impulsos elétricos, formando uma nova reorganização nas ligações, que se tornam mais grossas, fazendo com que o recrutamento de células para a realização de determinada tarefa seja mais eficiente.

A transmissão dos impulsos elétricos acontece por meio dos neurotransmissores, que fica cada vez melhor, conforme os neurônios são estimulados, ou seja, quanto mais o cérebro for exercitado. Portanto, a neuroplasticidade permite que o nosso cérebro aprenda e reaprenda constantemente. Por exemplo, existem situações em que alguém sofre um acidente e acaba ficando com um membro do corpo imobilizado. Nesse caso, o cérebro precisa reaprender a mobilizá-lo ou aprender a viver sem ele. O comportamento dos neurônios muda e, assim, o cérebro se adapta a cada nova situação.

Fontes:

http://www.archives-pmr.org/article/S0003-9993(06)01342-6/abstract

Atividade física pode ajudar a aliviar o zumbido

A atividade física regular é muito importante para a saúde. Ela pode ajudar a fortalecer o coração, perder o excesso de peso, aumentar a circulação sanguínea e mais muitos outros benefícios. Isso diminui o risco de hipertensão e doença cardiovascular.

O aumento da circulação sanguínea também ajuda a reduzir a ocorrência de zumbido no ouvido. Exercícios de relaxamento, como a yoga e meditação podem ser utilizados como parte da rotina dos exercícios para ajudar a aliviar os sintomas.

Comece com o que você gosta

caminhada-zumbido-ouvido

Para uma boa atividade física, você pode começar através do seu esporte favorito, caminhada, corrida, bicicleta e etc. Seja gradativo e não exagere, inicie com um ritmo baixo e, com o tempo,  aumente conforme a sua condição física for aumentando. Isso vai reduzir as contrações dos vasos sanguíneos do seu ouvido.

Combinações para melhores resultados

stress-piorar-zumbido

Somente a prática de exercícios físicos não irá ajudar a tratar totalmente o zumbido no ouvido, será necessário uma série de outras ações combinadas para obter melhores resultados. É importante observar que a maioria dos casos de zumbido se agrava no momento de muito stress e a prática da atividade física pode ser uma vantagem para aliviar e diminuir o stress, e assim ajudar a tratar o zumbido também.

Antes de iniciar algum tratamento ou exercício físico consulte sempre um especialista nestas áreas.

 

Fonte

http://www.livestrong.com/article/358134-exercises-to-relieve-tinnitus/

 

Acupuntura Pode Tratar o Zumbido no Ouvido

Imagem

A medicina oriental está se infiltrando cada vez mais no Brasil, por isso, decidimos pesquisar sobre a acupuntura para saber mais sobre seus benefícios e responder à pergunta: Será ela pode realmente melhorar o seu problema de zumbido no ouvido?

A acupuntura é um método de medicina tradicional chinesa reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina. Ela se baseia na estimulação das células com agulhas em pontos específicos definidos no corpo humano. Sua utilização no combate ao zumbido no ouvido é parecida com o modelo aplicado nos quadros álgicos, já que ambos estão relacionados como experiência sensorial e emocional.

As pesquisas da neurociência associam a esse problema a estímulos neuronais, ativação de mecanismos opióides endógenos e de neuropeptídios, estimulando assim estruturas cerebrais específicas.

O otorrinolaringologista Ektor Tsuneo Onishi estuda o efeito deste método no tratamento do zumbido e coordena o departamento de Otorrinolaringologia da Unifesp. O doutor afirma que a técnica ajuda a diminuir o incômodo que o ruído gera e publicou um artigo científico que aborda a estimulação de pontos de acupuntura na cabeça em 76 pacientes e comprova que a estimulação de um ponto especifico do ouvido pode melhorar o zumbido no ouvido e diminuir o incômodo.

Algumas das clínicas de acupuntura que achamos na internet

  • Clínica Tai Chi Zen

Dr. Peng Wen Yu

http://www.acupuntura-taichizen.com.br/tratamento.htm

Rua Pamplona 987 1 andar Jardim Paulista

Tel: (11) 3253-6503

  • Clínica Zenntai de Otorrinolaringologia

Rua Doutor Thirso Martins, 100 – conj.509

Vila Mariana, São Paulo/SP

(11) 5081-5902, (11) 5081-6942

Aberto das 9h – 18h

(Primeira consulta e sessão R$400/as demais sessões R$85)

  • Park Acupuntura

Rua Prates, 416

Bom Retiro, São Paulo/SP

(11) 3311-0356

 

Por que ouvir a própria voz é tão estranho?

Imagem

Você acha sua voz estranha?

ouvir-voz-soar-estranho

Todo mundo fica surpreso quando ouve a própria voz. “Por que ela é tão estranha?”, “Desde quando ela é aguda desse jeito?” são algumas perguntas que todos fazem nesses momentos. Mas quando o seu amigo escuta sua voz numa gravação e diz que achou completamente normal você acha uma absurdo, não é mesmo?

Talvez, você pense que isso aconteça por causa da falta de capacidade dos gravadores, pois eles não conseguem captar todas as frequências da voz humana. Porém, mesmo se um dia a tecnologia avançar a ponto de produzir um gravador capaz de gravar a voz humana perfeitamente, ouvir a própria voz continuaria sendo estranho para todo mundo.

Sabe o motivo da sua voz ficar estranha?

voz-soar-estranho

Sua voz fica estranhamente aguda desse jeito porque o caminho que o som faz até os nossos ouvidos pode ser feito de duas formas. Um deles é o que a nossa própria voz percorre. Ela é transmitida das cordas vocais até a cóclea, região do ouvido interno responsável pela audição, através dos ossos.

Nesse processo, as frequências mais agudas dos sons enviados por nossas cordas vocais são abafadas pelos nossos ossos. Isso faz com que a nossa voz chegue aos nossos ouvidos com a falsa impressão de que ela é mais grave.

Já quando nós ouvimos todos os outros sons, o caminho é feito pelo ar. As frequências fazem o nosso tímpano vibrar junto com os ossículos martelo, bigorna e estribo, conduzindo o som até a cóclea, que transforma os sinais acústicos em elétricos, mandando a informação para o nosso cérebro.

Exemplo

É por isso que nós nunca ouvimos a nossa própria voz da mesma forma como os outros ouvem. É mais ou menos isso o que acontece também quando nos vemos no espelho e quando vemos uma foto nossa. Por que a sua imagem no espelho nunca é a mesma da foto?

Não adianta ficar treinando pose na frente do espelho porque não vai adiantar. Isso porque a imagem que nós vemos é invertida, da mesma forma como funciona a câmera frontal do seu celular, por isso você sempre se pergunta porque você saiu com uma cara que você não fez. É a mesma questão de autopercepção que acontece no caso da voz.

 

Fontes

http://www.megacurioso.com.br/ciencia/36125-por-que-odiamos-ouvir-nossas-vozes-gravadas-.htm

http://hypescience.com/por-que-ouvir-a-sua-voz-gravada-e-tao-estranho/

http://www.muitointeressante.com.br/pq/perguntas/por-que-as-vezes-nos-vemos-bonitos-no-espelho-mas-aparecemos-feios-na-foto

Zumbido no Ouvido: Remédios, Causas, Tratamentos e Tem Cura?

O que poucas pessoas sabem, é que cerca de até 20% da população mundial pode acabar sofrendo em algum momento de sua vida, de um problema conhecido como zumbido no ouvido. Também chamado de acúfeno, o zumbido pode afetar com mais frequência os idosos, porém, os jovens de plantão precisam ficar atentos, pois o problema é mais comum do que se imagina.

Para quem não sabe, zumbido no ouvido é uma espécie de barulho ou ruído que acabamos ouvindo, porém este ruído não decorre de fontes externas. É algo que só quem sofre passa a ouvir e é preciso cuidar de forma eficaz para tratá-lo. Embora possa assustar, o zumbido não é sintoma de que algo mais comprometedor possa estar acontecendo, mas se não for diagnosticado rapidamente pode levar a perda auditiva.

Embora tenham mais de 200 causas, 90 porcento dos casos de zumbido no ouvido está relacionado à essa perda, por isso, quando ele aparece, é muito importante descobrir os fatores que podem estar prejudicando a sua audição. Em nossos dias, convivemos com diversos barulhos que podem prejudicar nossa audição. Nível constante acima de 85 dBr como obras, barulho do trânsito e outros podem prejudicar a audição.

Um estudo francês descobriu que apenas 1 em cada 123 pacientes com zumbido nunca sofreram de perda auditiva. Na maioria dos casos, uma relação foi encontrada entre a natureza de sua perda auditiva e zumbido no ouvido. Os pesquisadores examinaram o grau de perda auditiva em pacientes com zumbido e as razões de sua perda auditiva. Os resultados foram cruzados com as descrições dos pacientes de como eles estão convivendo com o zumbido.

A seguir iremos esclarecer as principais dúvidas sobre zumbido no ouvido. Fique alerta e se tiver os sintomas aqui expostos procure rapidamente um profissional. Se cuidar direitinho, as chances de não sofrer nenhuma sequela decorrente do problema serão bem maiores.

O que pode ser o zumbido no ouvido?

Antes de adentrar mais profundamente sobre o zumbido no ouvido, é muito importante entendermos como e o nosso ouvido funciona normalmente, e o que acontece com ele quando começamos a sofrer com o problema mencionado anteriormente.

Para quem não sabe, o nosso ouvido é dividido em três partes básicas: ouvido externo, médio e interno. O externo, nada mais é que essa parte externa que chamamos popularmente como orelha. Quando algum som é emitido no ambiente em que estamos, ele passa primeiro pela orelha, que será responsável por identificar e mandar os sons captados para o ouvido médio.  Lá no ouvido médio é onde existem três ossos bem pequenos, que também são capazes de identificar o som inicialmente captado pelo ouvido externo, e enviá-los para o nosso cérebro, através do aumento desse som. E é aí que finalmente o som chega no principal responsável direto por emitir os sons identificados para o cérebro: o ouvido interno.

Esse caminho que o som faz durante as partes do ouvido se chama via auditiva. E o zumbido é justamente isso. O ouvido trabalha dessa mesma forma, para levar o som até o cérebro, só que não existe nenhum som externo acontecendo no ambiente em que a pessoa está.

Causas do zumbido no ouvido

Nem todo mundo é afetado da mesma maneira, então tente evitar um gatilho por vez e mantenha um registro escrito. Considere a seguinte lista de possíveis causas:

  • Uma origem comum de zumbido ocorre frequentemente porque as minúsculas células ciliadas no interior do ouvido que conduzem o som são danificadas, produzindo constante estimulação dos nervos auditivos.
  • Prescrição de medicamentos – os principais culpados são aspirina, antidepressivos, anti-histamínicos, diuréticos e antibióticos.
  • Problemas circulatórios, incluindo baixo volume sanguíneo – certifique-se de que você não está com anemia, especialmente se também estiver cansada, pálida e com longas menstruações.
  • Síndrome de Ménière – um distúrbio causado pela pressão anormal do fluido endolinfa, que fica no labirinto, no interior do ouvido, causando o zumbido.
  • A Hiperacusia é uma sensibilidade excessiva a determinadas frequências sonoras e geralmente ocorre em combinação com o zumbido.
  • Salicilatos – são substâncias químicas naturais que protegem as plantas contra bactérias, pragas e doenças. Pessoas com sensibilidade ao salicilato podem ter reações adversas ao acúmulo em seu corpo. Pessoas com zumbido experimentam um agravamento de seus sinais quando sujeitos aos salicilatos. Alimentos que contêm salicilatos incluem amoras, laranjas, abacaxi, framboesas, morangos, tangerinas, pimentas, tomates, azeitonas verdes enlatadas, amêndoas, amendoim com pele, óleo de coco, azeite, carnes processadas, xarope de milho, mel, geleias, hortelã-pimenta, vinho tinto, bebidas à base de grãos, como rum e cerveja, cidra, xerez e conhaque, contêm altos níveis de salicilatos.
  • Reduza seu consumo de álcool. O álcool alarga os vasos sanguíneos, causando um maior fluxo de sangue, especialmente na área do ouvido interno.
  • Bebidas que contenham cafeína, como café, chá, chocolate quente e bebidas energéticas também acentuam o zunido, de acordo com a American Tinnitus Association.
  • Sal – muitas pessoas com zumbido relatam sintomas piores depois de consumir alimentos salgados, de acordo com a American Tinnitus Association. O sal reduz os vasos sanguíneos, aumentando a pressão sanguínea nas principais veias e reduzindo o fluxo sanguíneo nos olhos, ouvidos e cérebro. Alimentos processados e lanches ​​tendem a conter grandes quantidades de sal.
  • Fumar pode agravar o zumbido de duas maneiras. Prejudica o fluxo sanguíneo para as células nervosas sensíveis que controlam sua audição e também age como um estimulante em seu corpo. Isso pode fazer o zumbido nos ouvidos soar mais alto.
  • Certifique-se de não ter pressão alta, que muitas vezes não é detectada sem exames periódicos.
  • Aditivos alimentares e intensificadores de sabor – o adoçante artificial supostamente pode agravar os sinais do zumbido em pessoas que são sensíveis a este aditivo, causando reações adversas, incluindo enxaquecas e exacerbação dos sinais do zumbido, em pessoas que são sensíveis a ele.
  • Açúcar – uma parte significativa das pessoas com zumbido tem um problema de metabolismo do açúcar chamado hiperinsulinemia, de acordo com o National Institutes of Health. A hiperinsulinemia ocorre quando o corpo desenvolve uma insensibilidade à insulina e, portanto, não consegue quebrar o açúcar e entregá-lo às células. Este excesso resultante de glicose na corrente sanguínea faz com que o pâncreas libere mais insulina.
  • Seu nível de colesterol ou triglicerídeos está muito alto?
  • Você tem alergias alimentares?
  • Você é diabético?
  • Você tem uma infecção no ouvido?
  • Você sofre de “DTM” (síndrome de disfunção da articulação temporomandibular)? Pode haver um problema estrutural.
  • Você já teve um ferimento na cabeça?
  • Seu tímpano é perfurado?
  • Os pequenos ossos atrás do tímpano se fundem (otosclerose)?
  • Existe um cisto (colesteatoma) em qualquer parte do ouvido ou canal?
  • Você usa nicotina ou cafeína?
  • Trate possíveis problemas de saúde – o zumbido pode ser um efeito colateral de algumas doenças. E se o início do zumbido for mais recente e nenhuma das causas acima for uma possível causa, um vírus do ouvido interno é o provável culpado.
  • E, por último, mas não menos importante, você ouve ou já ouviu música alta? O uso desses dispositivos do tipo Walkman com pequenos fones de ouvido que entram no canal é particularmente perigoso.

Relação entre a perda auditiva e o zumbido no ouvido

A perda auditiva e zumbido no ouvido estão associados em 90% dos casos diagnosticados, mesmo que seja uma micro-perda auditiva, imperceptível aos nossos ouvidos. Os resultados indicaram que pacientes que sofrem de perda auditiva relacionada ao ruído ou idade avançada, em geral, vivem de um zumbido com um som de alta frequência constante. Os pacientes cuja perda auditiva foi causada pela doença de Ménière ou síndromes similares vivem com um zumbido variado e de baixa frequência.

Relações entre o grau de perda auditiva e frequências de baixa escuta também foram encontradas. A frequência do ruído do zumbido, como descrito pelos participantes do estudo, era na maior parte diretamente relacionada com as frequências de medição da perda auditiva. O volume do zumbido também correspondeu ao grau de perda auditiva.

Os pesquisadores acreditam que várias medições de audição dos pacientes, podem fornecer um teste simples e indireto em que a avaliação dos níveis de zumbido podem se basear. No tratamento do zumbido, é importante registrar possíveis alterações no nível do zumbido do paciente.

Se expor a barulhos intensos pode causar dois tipos de perda auditiva, temporária e permanente:

  • Perda auditiva temporária é mais comum entre as pessoas, quando você se expõe a grandes ruídos. Pode conseguir ter a sua audição recuperada, mas isso depende do tempo e da intensidade de exposição ao ruído.
  • Perda auditiva permanente pode ser sentida depois de 48 horas de exposição a excesso de ruído e por um longo período de tempo. Também pode ocorrer em pessoas que se expõem a níveis exageradamente altos em curto tempo.

Zumbido bilateral e unilateral: Zumbido no ouvido esquerdo e direito

O zumbido bilateral é definido quando o barulho é ouvido nos dois ouvidos, enquanto o zumbido unilateral é quando o barulho é ouvido apenas em um ouvido. A fonte desse zumbido não vem de um ambiente externo, mas de dentro do ouvido. Barulhos, apitos ou ruídos dentro do ouvido são as características de uma pessoa com zumbido no ouvido. O som pode variar em volume e pode ser constante ou intermitente.

Existem dois tipos de zumbido, o objetivo e o subjetivo. O zumbido subjetivo é ouvido somente pelo paciente e é causado por problemas com o ouvido externo, médio, interno ou sinais nervosos. A principal causa de zumbido no ouvido é a poluição sonora e envelhecimento natural. Não existe uma razão específica o por quê de ouvir o zumbido em apenas um lado. A razão mais provável é o uso constante de apenas um lado de ouvido. O zumbido objetivo pode ser ouvido por outras pessoas também e, principalmente, pelo médico na hora do exame. Embora raro, este tipo de zumbido pode ser causado por um osso, algum vaso sanguíneo ou problema de tecido muscular.

Em um estudo publicado pela fundação otorrinolaringologia do Brasil, 84% dos 25 indivíduos que se submeteram ao teste de zumbido e hiperacusia, representaram localização bilateral enquanto somente 16% apresentaram localização unilateral. Ou seja, zumbido somente em um ouvido. Como sabemos, as causas do zumbido no ouvido podem variar de pessoa para pessoa, assim como, seu tratamento. Podemos citar algumas causas, como exposição a ruídos altos, acúmulo de cera no ouvido e enrijecimento dos ossos.

A constante exposição a sons altos pode piorar a condição e afetar a qualidade de vida dos pacientes com zumbido. Existem muitos tratamentos para o zumbido no ouvido, mas é necessário que o portador recorra a uma ajuda profissional especializada no tema

Zumbido no ouvido tem tratamento?

Não há um tratamento para o zumbido no ouvido que funciona para todos. Alguns tratamentos funcionam para algumas pessoas e não para outras, dependendo do tipo e da causa do seu zumbido. Por isso, você precisa descobrir primeiro a causa para resolver o seu problema eficientemente. O software Hearing Guardian tem sido uma grande solução aos zumbidos causados por idade e exposição excessiva ao barulho, ou melhor, zumbidos associados à perda auditiva.

Embora o nosso software tenha um grande efeito, a nossa equipe pesquisou mais para oferecer informações importantes sobre as causas do seu zumbido e alguns medicamentos naturais. Algumas pessoas relataram uma melhora tomando minerais, como magnésio e zinco, preparações de ervas, como Gingko Biloba, remédios homeopáticos, ou vitaminas B para seu zumbido.

Quantas pessoas têm zumbido no Brasil? 

Zumbido no Ouvido: Remédios, Causas, Tratamento, Tem Cura?

No Brasil existem mais de 32 milhões de pessoas que sofrem de zumbido no ouvido ou tem algum grau de perda auditiva.  A maioria da população mundial já teve algum tipo de zumbido temporário ou constante no decorrer de suas vidas. Os idosos estão mais expostos ao surgimento do zumbido e em muitos casos levando-o até a perda de audição.

Algumas pessoas não se incomodam com o barulho causado pelo zumbido e conseguem conviver normalmente por muitos anos. A desinformação de que não existe tratamento ou cura para o zumbido no ouvido leva esses indivíduos a não procurarem ajuda profissional. Mas há aqueles que não conseguem viver com este incomodo e em muitos casos o zumbido chega a gerar depressão e ansiedade.

Inversamente, esses distúrbios psicológicos podem levar ao surgimento do zumbido também. Além dos problemas causados a estas pessoas têm que enfrentar dificuldades no relacionamento e a não compreensão dos seus familiares.

Quais são os sintomas do zumbido no ouvido?

Dentre alguns sintomas que podem aparecer em decorrência do zumbido, destacamos o mais comum: ouvir sons que não estão acontecendo no ambiente em que estamos. É natural ouvirmos qualquer barulho dependendo de onde estamos localizados, mas quando sofremos com zumbido no ouvido, mesmo que o ambiente esteja em completo silêncio, ainda sim ouvimos ruídos decorrentes desse problema.

Nem todas as pessoas que sofrem de zumbido escutam a mesma coisa devido ao problema além disso pode haver também uma variação na intensidade do som. Há pessoas que escutam o zumbido em um ouvido só, ou em um de cada vez ou até mesmo em ambos os ouvidos simultaneamente. Algum as delas acabam se acostumando com o ruído e vivem suas vidas normalmente, enquanto outros, começam a sofre com problemas psicológicos, fator este que torna completamente comum sofrer com depressão, ansiedade, fadiga e outros sintomas que acabam aparecendo devido à dificuldade de lidar com os ruídos provenientes do zumbido no ouvido.

Como diagnosticar o zumbido no ouvido?

O médico profissional que será o responsável por diagnosticar o problema aqui tratado é o otorrinolaringologista. Ele é o único que poderá realizar exames para investigar com mais precisão as causas desse zumbido e as melhores formas de tratamento. Dentre os exames realizados, é comum a realização de testes de movimento, exames de audiometria e diagnóstico de imagem.

Além disso, é fundamental que o paciente descreva o tipo do ruído que pode apontar para algumas doenças como a labirintite por exemplo, e até mesmo ajudar o profissional a descobrir a verdadeira causa ocasionadora desse problema. Portanto, se você está sentido os sintomas citados anteriormente, não deixe de buscar o profissional adequando, para que você possa cuidar da sua saúde da melhor forma possível.

12 Principais causas de zumbido no ouvido e os remédios naturais:

Zumbido no Ouvido: Remédios, Causas, Tratamento, Tem Cura?

1) Poluição Sonora e Envelhecimento Natural (A Principal Causa)

A perda auditiva é 90% de casos de zumbido. Médicos e cientistas descobriram que a maioria das causas do zumbido estão relacionadas a perda auditiva causada pela exposição excessiva ao barulho e envelhecimento natural.

Medicação: Neste caso não adianta tomar remédio. Baixe o software Hearing Guardian no seu computador. Você deve estar perguntando como que um simples software pode resolver o seu problema de audição. Para isso você precisa entender como a nossa audição funciona. Leia com atenção e você conseguirá proteger a sua audição para o resto da sua vida.

A Cóclea é a parte fundamental do sistema auditivo humano, responsável por transformar um sinal acústico em um sinal elétrico. Células ciliadas auditivas da cóclea têm sua distribuição similar a um teclado de piano.

Cada célula ciliada, ou seja, cada tecla é responsável por detectar certa frequência. Se houver um problema em qualquer tecla, é necessário que haja um ajuste, portanto o software Hearing Guardian v1 desempenhará o papel de afinador de piano.

No caso de um dano sutil, é difícil identificar a célula ciliada auditiva danificada. Caso ocorra um problema em uma tecla específica, conseguiremos perceber o problema pressionando a tecla danificada. Se você possui algum problema em uma faixa de frequência específica das células ciliadas auditivas, você provavelmente precisará aumentar o volume para ouvir o som. Ao realizar testes de volume mínimo audível em cada faixa (INDEX 1 ao INDEX 9) da cóclea, o programa Hearing Guardian v1 gerará sinal para a faixa mais danificada da sua audição.

As células ciliadas vibram somente com as ondas sonoras e não existe nenhum outro meio. A única maneira de condicionar a região danificada é fazer com que o software Hearing Guardian gere ondas sonoras personalizadas através de um simples teste que o mesmo fornece.

Clique no botão abaixo para baixar o aplicativo gratuitamente

Leia os depoimentos dos usuários do Hearing Guardian v1

2) Danos no Nervo Auditivo: 

Danos nas terminações microscópicas do nervo auditivo no ouvido interno é uma das causas de zumbido.

Medicação: Tomar 300 mg. por dia de Coenzima Q10. Esse poderoso antioxidante é crucial para a eficácia do sistema imunológico e da circulação para os ouvidos.

3) Circulação Sanguínea

A má circulação sanguínea pode provocar perda de audição e até mesmo zumbido.

Medicação:  Faça exercício e coma alimentos que podem melhorar a circulação sanguínea como frutas cítricas, sementes de chia, alho, cebola, abacate, azeite, tomate e etc. A Ginkgo Biloba ajuda a reduzir tonturas e melhorar a perda auditiva relacionada à redução do fluxo sangüíneo para os ouvidos.

4) Disfunção Temporo-mandibular

Problemas na articulação temporomandibular (ATM). É uma deficiência na “articulação da mandíbula”  e pode resultar em estalo ou ruídos ao mover o maxilar. 

Medicação: Comer abacaxi fresco com frequência para reduzir a inflamação e fazer massagem e exercício mandibular.

5) Inflamação no Ouvido Médio

Rigidez dos ossos do ouvido médio, a região depois da membrana timpânica, pode ser a causa de zumbido.

Medicação: Incluir na dieta de vegetais, muita alga marinha e alho.

Leia mais >> O que é otite?

6) Ruptura no Tímpano 

Um buraco ou uma ruptura no tímpano pode causar o zumbido. Uso indevido do cotonete é uma das principais causas de ruptura no tímpano.

Medicação: Misturar 1 colher de chá de sal e 1 colher de chá de glicerina em 1 litro de água morna. Usar uma garrafa de spray nasal para pulverizar cada narina com a solução até que comece a escorrer para o fundo da garganta. Pulverizar a garganta com a mistura. Fazer isso três vezes ao dia.

7) Infecção no Ouvido 

Infecção no ouvido também pode causar o zumbido. Se uma infecção reduz sua capacidade de ouvir os ruídos externos, você terá tendência a ouvir os ruídos relacionados ao zumbido. Neste caso você terá que visitar um especialista, para ver onde está a infecção e o nível de infecção.

8) Acúmulo de Cera no Ouvido

Acúmulo de excesso de cera no ouvido pode reduzir sua capacidade de ouvir ou causar inflamação da membrana do tímpano, no ouvido médio ou no ouvido interno.  Visite um especialista para cuidar do problema e remover a cera de ouvido de maneira eficiente.

9) Má Alimentação

Alimentos específicos podem provocar o zumbido. Tais alimentos incluem o vinho tinto, baseado em grãos, queijos, chocolates e água tônica / quinino, alto teor de sódio e gordura. Evite estes alimentos e mantenha um alimento saudável. 

10) Problemas Psicológicos

Um estudo realizado pelo Hospital Henry Ford, em Detroit, nos Estados Unidos, concluiu que pessoas com problemas emocionais e psicológicos (Insônia, depressão, estresse e ansiedade) tendem a possuir mais chances de sofrer de zumbido de ouvido.

Foram examinados 117 pacientes entre os anos de 2009 e 2011. Coordenada pela Dra. Yaremchuk e pelo Dr. George Miguel, a equipe de pesquisadores do hospital constatou uma significante associação entre o zumbido e os sintomas de problemas psicológicos, comprovando que eles também são responsáveis pelo agravamento do tinnitus, já que ocorrem mudanças bioquímicas cerebrais que intensificam a percepção sonora.

Na contramão, o zumbido também piora os sintomas dos problemas emocionais e psicológicos. O incômodo do tinnitus faz com que a angústia e o desespero da pessoa aumentem consideravelmente, ou seja, é uma via de duas mãos.

Tanto os problemas psicológicos quanto o zumbido devem ser tratados da forma mais adequada. A saúde da sua audição não depende só do cuidado com os ruídos, mas também da saúde do seu organismo.

Medicação: No caso de distúrbios psicológicos, é mais importante verificar o seu estado geral de saúde. Qualquer anormalidade pode ser a causa do seu zumbido.  Mantenha uma dieta saudável, faça atividade física , durma o suficiente  e mantenha o nível de estresse baixo.Tome medidas para melhorar a sua qualidade de vida. Assim você será capaz de se recuperar dos problemas psicológicos como depressão, ansiedade  e insônia, consequentemente, livrar-se do zumbido no ouvido.

11) Medicamentos

O uso prolongado de certos medicamentos. A aspirina em doses grandes, quinina, antibióticos e anti-inflamatórios podem afetar células do ouvido interno. 

Os antidepressivos também podem causar zumbidos. Este tipo de zumbido é geralmente temporário e pode ser consequência de mudanças nos níveis de neurotransmissores, como a serotonina.

Em alguns casos, o zumbido pode ter surgido de uma reação ototóxica por um antidepressivo específico. A ototoxicidade é um termo médico que é usado para caracterizar os danos causados pelos tratamentos farmacológicos no ouvido interno.

Reações ototóxicos são geralmente raras, mas  podem ocorrer após um tratamento em longo prazo ou como o resultado de uma combinação com um outro medicamento. Além disso, deve notar-se que, em alguns casos os antidepressivos podem causar hipersensibilidade auditiva. Geralmente, é difícil identificar quais os antidepressivos que causam o zumbido no ouvido.

Medicação: O aplicativo Hearing Guardian V1 não apenas ajuda os problemas de zumbido causados pela poluição sonora e envelhecimento natural, o software também ajuda a tratar principalmente os problemas de zumbidos causados pelos remédios.

Leia também >> Como os remédios podem causar o zumbido e quais são as soluções 

12) Outros

Alergias, tumores, HIV, genética, problemas no coração e pescoço podem causar zumbido. Veja quais tipos de remédios você está tomando.

Você é familiar com algumas dessas causas? Então, não fique aí parado. Procure um especialista e cuide do seu problema agora.

Outros 11 tipos de remédios naturais para tratar o zumbido no ouvido:

1) Dieta rica em vitaminas e minerais

Uma dieta saudável e equilibrada, com refeições menores e mais frequentes, incluindo grandes quantidades de carboidratos complexos e proteínas saudáveis, como tofu cozido, ovos, peixe, nozes, cebolinha, sementes de gergelim, lentilhas, feijão preto, frango e cordeiro orgânicos, é um bom começo. O consumo de uma dieta rica em nutrientes, especialmente vitamina A, betacaroteno, vitamina B12, vitamina C, vitamina E, magnésio, cobre e selênio, pode contribuir para a melhoria do zumbido. A vitamina A é importante para a saúde das membranas auriculares.

A vitamina E tem antioxidantes que ajudam a proteger a membrana celular do estresse oxidativo que está implicado na condição do zumbido. A vitamina C aumenta e restaura o fluxo sanguíneo e é um remédio para prevenir e tratar a inflamação e infecções. Um déficit de vitamina B12 pode elevar os níveis de homocisteína no organismo, o que pode ser tóxico para os nervos e pode levar a uma série de distúrbios do sistema nervoso, incluindo zumbido e perda auditiva. O magnésio adequado no corpo pode impedir a compressão dos vasos sanguíneos, incluindo as artérias que se conectam ao ouvido interno e diminuir o risco de zumbido.

2) Dieta pobre em sódio

Consumo de menor quantidade de sódio pode ajudar a melhorar a condição do zumbido, especialmente nos indivíduos que sofrem de Síndrome de Ménière, que é caracterizada pela retenção de quantidades extremas de fluido no ouvido levando a tontura, perda auditiva, zumbido e sensação de preenchimento no ouvido. No caso de você sentir uma sensação de plenitude no ouvido associada ao zumbido, os profissionais médicos geralmente recomendam o consumo de uma dieta rica em cálcio e potássio.

Observação: Você pode aquecer 2 colheres de sopa de sal e colocar em uma bola de algodão e usar como uma compressa de calor, colocando-a sobre a orelha 10 minutos por dia.

3) Acupuntura

A acupuntura é uma abordagem antiga que usa agulhas nas áreas do corpo que ajudam a aliviar o zumbido.

4) Alho

Outro remédio caseiro para o zumbido é o alho devido às propriedades antioxidantes do alho que ajudam a aliviar a sensação.

O que fazer: Misture cerca de seis dentes de alho picados com uma xícara de azeite até que esteja bem misturado. Deixe a mistura em infusão e mantenha-a por cerca de uma semana. Peneire o líquido e aplique algumas gotas no ouvido. Isso pode aliviar a sensação de toque no ouvido e promover a audição.

5) Gengibre

O gengibre é um alimento maravilhoso que ajuda a sarar uma série de doenças, incluindo o zumbido. As qualidades medicinais do gengibre atribuem a sua habilidade em estimular a circulação do sangue, combater patógenos e também ajuda a aliviar a náusea associada ao zumbido.

O que fazer: Faça um chá fervendo uma colher de sopa coentro, alecrim, sálvia e canela e três fatias de gengibre fresco em quatro xícaras de água por quinze minutos. Feche o pote para evitar que o vapor escape enquanto ferve. Beba três xícaras por dia durante pelo menos três semanas.

6) Ervas

O uso de ervas tem sido confiável para a sua eficácia na cura do zumbido. Cornus é um remédio tradicional que é bastante popular entre os peritos chineses para a cura de doenças do ouvido interno, como zumbido e perda da audição. Estudos recentes também têm defendido a eficácia dessa fruta, cujos ingredientes ativos, como o ácido ursólico, possuem qualidades adstringentes, que ajudam a prevenir os danos causados ​​às células auditivas. Myrica purifica o sangue, combate infecções e elimina toxinas do sangue.

Espinheiro Alvar possui a folha e a flor que são eficazes na cura e controle do problema da pressão alta e outros problemas circulatórios que podem originar zumbido. Ginkgo biloba pode auxiliar na redução dos sintomas da Síndrome de Ménière, como perda de audição, atordoamento e zumbido. Ela tem efeitos benéficos na memória, ajuda a estimular o sistema circulatório e promove o suprimento de sangue para o ouvido interno. Cohosh preto também ajuda no alívio da aflição, nervosismo e amargura associados ao zumbido. Ela ajuda no equilíbrio do ouvido interno.

7) Massagem

Massageando suavemente as cavidades e áreas superiores do maxilar logo atrás dos lóbulos das orelhas com óleo de gergelim ou aplicação de compressa quente na área do pescoço pode ajudar no alívio do zumbido tocando.

8) Abacaxi

Essa fruta brasileira não é apenas deliciosa, mas também ajuda na circulação sanguínea no corpo. O alto nível de potássio no abacaxi ajuda a baixar a pressão sanguínea, permitindo que todo o seu corpo receba a circulação e o suprimento necessários para se manter saudável. Outras frutas com altos níveis de potássio são banana, mamão, manga e peras. É importante notar que consumir muito potássio pode levar a problemas de saúde e, portanto, seguir a recomendação diária recomendada é sempre aconselhável.

9) Suplemento de zinco

O suplemento de zinco é outra sugestão se você está sofrendo de zumbido e tem uma deficiência de zinco. Estudos têm mostrado que uma deficiência de zinco pode, não só, ter um efeito na sua saúde geral, mas também na sua audição, especialmente quando se trata de zumbido no ouvido. Consumir suplementos de zinco ou introduzir alimentos com elevados níveis de zinco em sua dieta é uma ótima maneira de ajudar a sua deficiência e coloca você na direção certa para aliviar o zumbido. Alimentos que têm um elevado nível de zinco são frutos do mar (ostras cozidas é um ótimo exemplo) e espinafre (que também tem um elevado nível de ferro – outra vitamina que pode aliviar o zumbido).

10) Ácido Salicilico (Salicylicum Acidum)

Indicado para um zumbido muito alto. Ele é muito usado para aqueles que o zumbido veio por excesso de aspirina.

Citamos acima alguns remédios homeopáticos para combater o zumbido. Cada pessoa tem um tipo de zumbido e, obviamente, deve haver um tratamento diferenciado para cada uma delas. Antes de procurar por estes remédios homeopáticos, procure por um médico homeopata e especialista em zumbido no ouvido.

Remédios para o zumbido no ouvido

É importante lembrar que todos os remédios devem ser tomados depois de consultar um médico.

1) Amitriptilina – é administrado quando zumbido é severo. É um antidepressivo tricíclico. De acordo com a Medline Plus, os efeitos colaterais da amitriptilina incluem sonolência, náuseas, vômitos, visão embaçada, dificuldade para urinar, fraqueza, fadiga, sudorese e alteração no peso. Infelizmente, a amitriptilina também eleva o risco de pensamento e comportamento suicida. Para minimizar estes efeitos colaterais, ao ser combinado com outras drogas a dosagem tem que ser diminuída.

2) Alprazolam – é um dos medicamentos que reduz o zumbido no ouvido. Normalmente, esta droga trata o pânico, a ansiedade e depressão. Os efeitos colaterais desta droga incluem problemas para dormir, amnésia, náuseas, vômitos, dificuldade de concentração, perda de desejo sexual e visão embaçada. Ela também provoca irritabilidade, agitação, sonolência, convulsões, alucinações e tremores. Não tome este medicamento em caso de alergia, gravidez e durante a amamentação, pois pode prejudicar o bebê.

3) Acamprosato – normalmente é usado para tratar os alcoólicos, mas este medicamento pode também ser administrado para tratar o zumbido. Os efeitos colaterais incluem dor nas costas, dor de cabeça, sudorese, constipação, diarréia, tontura, náuseas, vômitos, problemas visuais, mudanças de comportamento ou de humor e confusão. Além disso, ele pode causar ansiedade, depressão, ganhos de peso e falta de ar.

Como prevenir o zumbido no ouvido?

Através de um estudo britânico, os pesquisadores descobriram que os melhores resultados foram obtidos pela combinação das principais tratamentos caseiros disponíveis atualmente para o zumbido no ouvido.

  • Evite ambientes de muito barulho, som alto e principalmente use o volume moderadamente na utilização de um fone de ouvido.
  • Diminua o volume do som, interrompa o barulho muito alto ou use um protetor auricular, caso você tenha que se expor a ruídos excessivamente altos.
  • Use Hearing Guardian v1. O zumbido causado pelos danos do ouvido interno pode ser melhorado com o constante uso do Hearing Guardian V1. Isso porque a tecnologia do Hearing Guardian V1 protege o ouvido interno, bem como as fortifica e as melhora, usando o sistema de condicionamento de som por meio do seu gerador de sinal, que estimula as frequências auditivas mais danificadas dos ouvidos.
  • Procure manter baixa a sua pressão arterial, procurando ter uma alimentação e hábitos saudáveis.
  • Atenue o uso do sal, pois assim você ajuda a sua pressão arterial a ficar baixa e evita a retenção de líquidos.
  • Limite o uso da aspirina. Seu consumo crônico ou mesmo o uso frequente por um ou dois dias pode causar zumbido. Consulte seu médico antes de interromper o uso de algum medicamento que você imagina que possa estar ocasionando o zumbido no ouvido.
  • Evite ingerir cafeína, excesso de doces e tabaco.
  • Faça exercícios físicos, mantenha um hábito de exercitar.
  • Tenha um canal anti-stress, faça algo que te dê prazer e esquecer dos problemas do dia a dia.
  • Descanse o suficiente e tenha uma boa noite de sono.

Algumas pessoas foram bem sucedidas com o uso de certos medicamentos anti-depressivos (amitriptilina e nortriptilina), mas estes medicamentos podem causar efeitos colaterais como boca seca, visão turva e constipação.

Acompanhamento médico é super importante no auxílio e melhoria do zumbido no ouvido, não deixe de procurar um profissional como um otorrinolaringologista ou um fonoaudiólogo que possa te dar maiores informações e melhores tratamentos possíveis na resolução do seu problema.

Pode haver complicações?

A maioria das pessoas que começam a ser afetadas pelo zumbido no ouvido, podem sim acabar sofrendo com outros problemas decorrentes deste, visto que o seu principal sintoma causa muita exaustão nelas.  Dentre os principais fatores negativos que podem acabar surgindo destacamos a fadiga, as alterações durante o sono, depressão, ansiedade, dificuldade com a memória, dificuldade para se concentrar e facilidade para se irritar com as coisas.

De modo geral, quando associada com fatores leves, o zumbido é facilmente tratável, por isso o acompanhamento médico é super importante no auxílio e melhoria do zumbido no ouvido. Não deixe de procurar um profissional como um otorrinolaringologista ou um fonoaudiólogo que possa te dar maiores informações e melhores tratamentos possíveis na resolução do seu problema. E em hipótese alguma tente se automedicar.

Assista também este vídeo divertido do Denis Lee falando sobre o zumbido no ouvido (3:44):

Fontes:

https://medlineplus.gov/tinnitus.html

http://www.livestrong.com/article/77950-medications-tinnitus/

https://www.nidcd.nih.gov/health/tinnitus

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/PMHT0024989/