5 Dicas Eficientes para se Tornar Popular no Trabalho

Relações profissionais e pessoais requerem certo nível de habilidade social para que sejam bem sucedidas, afinal, nosso estilo de vida é regido por nossas habilidades sociais. Então, como ter uma boa relação interpessoal e ser popular entre os companheiros do trabalho?

Desde uma reunião de negócios (formal ou informal), bate-papo com amigos, happy hour, enfim, diversos encontros e situações do nosso dia-dia-dia.

Aqui Estão as 5 Dicas Eficientes para se Tornar Popular Onde Você Estiver!

5 Dicas Eficientes para se Tornar Popular no Trabalho

1 – Seja um bom ouvinte

Todos gostam de falar sobre si próprio. Por isso, é importante parar de apenas falar sobre si, para ouvir o que outro tem a dizer.

Nosso principal modelo de conversa é baseado em “dois ou mais monólogos”. Ou seja, são duas ou mais pessoas falando sobre si, até que é interrompida por outra que diz “e como foi ainda pior…” e segue a nova história.

Lembre-se: Você será muito mais interessante se aprender a ouvir e a reagir ao assunto que ouviu ao invés de usá-lo como uma ponte para contar uma história sua.

2 – Desenvolva um assunto baseado no interesse da outra pessoa

Não confundir com “tentar agradar”. Faça isso apenas se o assunto lhe parecer razoável. Ou seja, não finja gostar de algo apenas para agradar.

Caso seja algo que não entenda, não finja. Deixe claro que não entende os detalhes. Desde assunto científico a uma simples viagem a um lugar, onde você não conhece muito bem.

Peça que a pessoa explique melhor. Isso irá mostrar que está aberto para a experiência alheia.

Caso seja um assunto que domine, não aja como um expert, não seja arrogante. Mas comente com segurança e domínio sobre o assunto abordado.

3 – Tenha sempre duas ou três boas histórias

“Era uma vez…” Quem não gosta de contos? Isso é o que realmente importa. As pessoas não estão interessadas em seu carro novo, em seu celular novo. Estão interessadas em experiências.

Ou seja, um conto, uma boa história de algo que aconteceu com você ou que você fez, irá, agradar mais e irá fazer com que lembrem-se de você.

4 – Simpatia

Óbvio. Boa maneiras são muito importantes. No entanto, a simpatia funciona como um cartão de visita. Algo que te apresenta. As pessoas levam apenas alguns segundo para adquirirem uma impressão de alguém. Seja positiva ou negativa.

Então, a simpatia irá ajudar. No decorrer do convive social, procure manter a simpatia que, no entanto, não deve ser confundida com sorrir o tempo todo.

Mantenha uma postura ereta, não deixe o rosto franzido, mantenha os olhos abertos e sorria apenas quando necessário.

5 – Cuidado – não seja uma pessoa chata

Um termômetro para saber se está sendo chato: “Se ninguém está fazendo perguntas sobre o que você está dizendo, mude de assunto”. Pode ser um assunto realmente interessante, mas apenas para você. Não seja entediante. Fale sobre outra coisa.

Não seja negativo. Mesmo que precise contrariar uma opinião, o faça com soluções ao invés de apenas críticas.

Conclusão

Pense sempre que “comunicação não é o que você diz, mas o que o outro entende”. Por tanto, isso significa que você pode falar muito, e nada dizer, como pode apenas ouvir e assim transmitir algo realmente significativo.

4 Dicas para Proteger a Visão dos Monitores

Quem trabalha com computador o dia inteiro, conhece aquela sensação de desconforto, irritação e cansaço nos olhos ao final do dia. Esses são os sinais que a sua visão deve ser protegida.

A visão começa a ficar um pouco embaçada e algumas vezes pode dar dor de cabeça. Este conjunto de sintomas é conhecido como “síndrome da visão do computador” e é uma doença exclusiva de nossa era moderna.

Não leva muito tempo para começar a sentir a tensão nos olhos. Duas horas é o tempo suficiente para entrar na zona de risco à visão. O que é muito inferior à quantidade de tempo total que passamos usando smartphone, tablets, assistindo televisão etc.

É inevitável praticar ao menos uma dessas atividades. Mas, felizmente, existem algumas coisas que os especialistas dizem que podem ser feitas para minimizar o desconforto e os danos causados por olhar para uma tela brilhante durante todo o dia.

Listamos 4 dicas para proteger a visão dos monitores que irão fazer uma grande diferença:

1- A Regra dos 20 – 20 – 20

A cada 20 minutos de trabalho, tire 20 segundo e olhe para qualquer coisa que esteja 20 pés de distância – que equivalem a pouco mais de 6 metros.

Os olhos possuem músculos que possibilitam o movimento e foco em diferentes objetos. No entanto, se ficamos muito tempo frente à uma tela, mesma distancia, estes músculos terão mais dificuldade em ajustar-se quando, enfim, mudarmos o foco da visão.

2- Ajuste o brilho

Brilho da tela pode causar cansaço, dor de cabeça entre outros problemas à visão. Ajuste o brilho apenas para evitar reflexo na tela ou use um filme de antirreflexo para monitores. Também existem películas antirreflexo para smartphones.

3- Pisque

Quando ficamos muito tempo na frente da tela, acabamos piscando menos, o que causa ressecamento dos olhos. Piscar é um movimento condicionado e fica difícil lembrar-se, mas piscar é extremamente importante para que as lágrimas possam manter os olhos hidratado.

4- Amplie o Texto

A visão é prejudica pelo esforço excessivo em tentar ler pequenos textos. Além de grande parte das situações, faz com que se aproxime mais da tela expondo, assim, os olhos a um brilho mais intenso.

Para resolver, aumente o texto e ajustes de contraste de cores para fazer com que a leitura e o uso em geral, seja facilitado.

Fontes:

http://www.businessinsider.com/do-computer-screens-hurt-your-eyes-2015-2

Você Fica com Raiva Quando Está com Fome?

Sentimentos como raiva e estresse, além disso, ficamos sem forças quando estamos com fome, isso é normal? É de conhecimento comum que estômago vazio deixa a pessoa desconcentrada, causando raiva. Mas qual é o motivo disso acontecer?

Grande parte das pessoas, ao menos uma vez, já se mostrou estar sem paciência, pelo simples fato, de estar com muita fome. A ciência explica o motivo disso.

1) Por que ficamos bravos com fome?

Basicamente, o cérebro precisa de energia que, por sua vez, é produzida por moléculas de glicose. Quando seu corpo está com fome, o sangue fica com um baixo nível de açúcar, limitando assim a quantidade de glicose que o cérebro recebe e o quanto precisa. Seu cérebro praticamente perde uma parte de controlar a raiva devido à fome.

Nível baixo de glicose implica em baixo nível de energia ao cérebro. Logo, sua capacidade mental diminui. Assim, será muito difícil executar adequadamente atividades que requerem paciência e autocontrole, como uma discussão com amigos ou colegas de trabalho. Não é uma boa ideia passar fome, certo?

2) O que precisamos fazer quando isso acontece?

Coma algo. A resposta parece óbvia, mas implica em outra questões. Sim, comer é a solução. Faça um lanche. Isso irá repor o nível de glicose possibilitando a produção de energia ao cérebro.

Porém, tudo deve ser balanceado. Comer de mais não o irá fazer ter mais paciência, seu corpo irá usar o que é necessário e acumular o resto em gordura. Pode ser que a raiva esteja ligada ao estresse, procure fazer exercícios físicos e atividades físicas para te ajudar a controlar a raiva. É muito importante a alimentação antes e depois da prática das atividades.

Um estudo mostrou que esse sintoma de raiva causado pela fome, pode ser pior nas pessoas que já possuem uma predisposição de comportamentos agressivos. Talvez seja melhor não deixar aquelas pessoas irritadas com fome. Por tanto, quando estiver com raiva, coma algo, mas procure um nutricionista para ajudar a manter uma dieta balanceada.

Fontes:

http://www.pnas.org/content/111/17/6254.abstract

http://www.vox.com/2014/4/15/5614554/the-science-of-hangry-hungry-and-angry

Dançar Bem: Questão Biológica ou Prática?

Não precisa de grandes ocasiões para alguém querer dançar. Desde pequenas festas até grandes eventos populares, basta uma música ou algo com um pouco de ritmo, que o corpo já começa a se movimentar no ritmo.

Bem, no ritmo, nem todos. Existem pessoas que parecem não terem jeito para a coisa. Seria apenas uma questão de estudo e prática? Uma pesquisa diz que não. Tem a ver, também, com questões biológicas.

Dançar é a arte de movimentar expressivamente o corpo seguindo o ritmo. A dança tem sido uma das formas de expressão de sentimentos mais antigas usadas pelo homem. A dança tem sido usada em forma de arte, socialização, exercícios físicos, entretenimento e etc. Por isso, muitas pessoas tentam dançar até hoje, mas não são todos que têm o privilegio de dançar bem.

O que diz o estudo sobre dançar bem?

dançar bem

Publicado no Philosophical Transactions: Biological Sciences, o estudo demonstra que a falta de “gingado” pode ser sintomas de uma doença chamada “beat-deafness”, em tradução livre “surdez da batida”. No entanto, o estudo é um tanto recente para conseguir quantificar uma média de quantas pessoas realmente sofrem de beat-deafness (surdez da batida).

A pesquisa foi conduzida com um grupo de pessoas que tinham indícios desta deficiência, ou seja, não conseguiam acompanhar o ritmo da música, a batida do som.

Segundo a autora do estudo, Caroline Palmer, “os erros são induzidos pela falta de operação em conjunto das frequências do som com as oscilações do organismo”.

Essa falta de sincronia foi identificada com déficits de ritmos biológicos, originado o nome “beat-deafness”.

Embora os ritmos biológicos influenciem na hora da dança, o que realmente difere os bons dos ruins são os treinamentos. Dançar bem não é apenas movimentar o corpo, mas acompanhar o ritmo da música e isso requer um grande treinamento.

 

Fonte:

http://royalsocietypublishing.org

Como Tratar a Tendinite em um Instante?

Tendinite e Artrite fazem parte de uma família complexa de lesões musculares. Consistem mais de 100 doenças ou problemas relacionados às questões de articulações, aos ossos, músculos, cartilagem e outros tecidos conjuntivos.

O tendão é um “cordão de tecido” que liga o músculo ao osso. É envolvido por uma bainha que por sua vez é revestida por uma camada de células. Ocasionalmente, o tendão pode ficar inflamado, assim surgindo a tendinite.

I) O que é Tendinite?

Assista também o vídeo sobre como evitar e tratar a tendinite (10:51):

Tendinite geralmente é causada por uma lesão específica ou por movimento repetitivo. Pode ocorrer em jovens atléticos em resposta a lesões esportivas, bem como, em adultos de meia idade e idosos, já que os tendões tornam-se menos flexíveis com o passar da idade.

Em geral, a tendinite pode ocorrer de repente, pode durar dias, semanas ou mais, e depois desaparecer. Pode, no entanto, ocorrer de novo no mesmo lugar. Quando tratada adequadamente, normalmente, não resulta em danos permanentes.

Cada tendão, por todo o corpo, pode ficar inflamado. Incluindo ombros, cotovelos, pulsos, dedos, quadris, costas, joelhos, tornozelos e pés. Os sintomas geralmente são dor, rigidez e inchaço.

II) Como Diagnosticar?

O diagnostico é baseado, principalmente, em exame físico e histórico médico. O médico irá procurar por inchaço e sensibilidade na área que está incomodando e irá descartar infecção em caso de não existir vermelhidão associada com o inchaço.

O médico também irá perguntar que tipo de atividade o paciente exercido rotineiramente, afim de entender a origem da dor. Geralmente, isso é o suficiente para diagnosticar a tendinite.

Caso existam dúvidas, ou se o médico suspeitar de alguma doença inflamatória, ele irá pedir alguns testes laboratoriais e raio-x.

III) Quais são os Tratamentos Disponíveis?

Tendinite é comum em pessoas saudáveis e pode desaparecer sem nenhum tipo de tratamento. Mas na maior parte dos casos um médico de cuidados primários poderá tratar a tendinite. Em outros, pode ser necessário o encaminhamento para um reumatologista, ortopedista ou fisioterapeuta.

Abaixo, listamos algumas das principais abordagens para tratamento da tendinite.

1) Descanso:

O tendão afetado deve ficar em repouso. Você pode ter que parar de executar atividade costumeiras por um curto período de tempo.

2) Alteração de atividade:

A atividade que causou a lesão deve ser modificada de tal forma a aliviar a pressão sobre o tendão. Por exemplo, se o paciente costuma correr e adquiriu inflamação no tendão de Aquiles, pode ser necessário reduzir a distância que costumava correr.

3) Talas:

Às vezes, talas são usados para manter a articulação em questão imobilizada durante atividades físicas. Os tipos de talas mais conhecidas são munhequeiras, tornozeleiras e similares.

4) Compressas:

Compressas frias podem reduzir a dor e inchaço quando o ferimento no tendão é recente. Compressas quentes serão mais eficientes em casos de tendentes causadas por atividades de longo prazo. Ou seja, esforço, lesões etc.

5) Remédios:

Fármacos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) podem servir para aliviar o inchaço. Outros analgésicos podem ser adicionados para alívio da dor. Em alguns casos, esteroides podem ser injetados na região afetada do tendão para aliviar uma dor bem específica.

Os médicos desaconselham a injetar esteroides em alguns tendões, como o de Aquiles, pois o coloca em risco de ruptura.

6) Fisioterapia:

Um fisioterapeuta pode ensinar técnicas para esticar o tendão afetado, reduzindo assim, o risco de uma nova lesão. Além disso, ele pode avaliar a mecânica corporal e ensinar melhores maneiras de executar as atividades que causam problemas.

Palmilhas especiais podem ser necessárias para ajustar o estilo de corrida, aliviando a pressão sobre o joelho e tendões.

7- Cirurgia:

E casos raros, uma cirurgia é necessária para aliviar os sintomas de tendinite.

IV) Como Prevenir a Tendinite?

prevencao_tendinite

Em resumo, a tendinite pode ser evitada se os movimentos rotineiros são realizados corretamente. Fique vigilante e procure não perder a postura das mãos.

Fonte:

https://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/001229.htm

Estresse Pode Aumentar as Dores no Corpo

Todos já passaram por estresse em algum momento. De acordo com uma pesquisa publicada na revista Pain, além de outras complicações, o estresse psicológico pode reduzir nossa capacidade de suportar dor física.

1) O estresse psicológico aumenta a dor

estresse psicológico dor no corpo

No estudo que contou com 29 homens, a equipe de pesquisa – liderada pelo Prof. Ruth Defrin do Departamento de Fisioterapia da Universidade de Tel Aviv, em Israel – descobriu que o estresse psicológico aumenta significativamente a intensidade da dor, reduzindo a capacidade de lidar com ela.

Os participantes foram submetidos ao Montreal Imaging Stress Task (MIST), um algoritmo baseado em computador projetado para induzir estresse psicológico.

Antes e após a indução ao estresse, os participantes foram submetidos a uma série de experimentos que avaliaram o limiar de dor de calor e a capacidade de lidar com este tipo de dor de cada um.

Por exemplo, em um experimento, os participantes foram expostos a um estímulo de calor que aumentava gradualmente e precisavam indicar exatamente o momento em que sentiam dor.

Os pesquisadores dividiram os participantes em grupos com base em seus níveis de estresse, medido pelo teste MIST.

2) Incapacidade de tolerar a dor

Foi constatado que os homens que tiveram níveis mais elevados de estresse psicológico ficaram com uma menor capacidade de suportar a dor, em comparação com os homens que tinham níveis mais baixos de estresse.

“Quanto maior o estresse percebido, maior era a incapacidade de tolerar a dor. Ou seja, o tipo de estresse e sua magnitude determina a intensidade de conexão com o sistema de dor”, explica o Prof. Defrin.

As descobertas foram surpreendentes, afirmam os pesquisadores. Pessoas que sofreram algum acidente durante esportes, tendem a possuir menor variação na capacidade de suportar dor. Mas os testes mostraram o contrário. Enquanto os voluntários, não eram submetidos ao estresse, a variação no ponto onde diziam sentir dor, era mais estável.

3) Evite o estresse!

Com base nesses resultados, pesquisadores aconselham que situações estressantes sejam evitadas. Mas a vida moderna expõe os indivíduos a recorrentes situações estressantes que em grande parte dos casos, não se pode evitar. Para tentar minimizar as consequências, o mais indicado é que se adote técnicas de relaxamento e de redução de estresse. Assim, ajudando a manter a saúde do corpo e mente.

Fontes:

http://www.webmd.com/balance/stress-management/stress-symptoms-effects_of-stress-on-the-body

Como Aprender um Idioma Rapidamente?

Um novo estudo reforça a teoria de aprendizagem multissensorial – que diz que as pessoas aprendem mais facilmente quando vários sentidos são ativados ao mesmo tempo. Usando um idioma que eles criaram especificamente para a pesquisa, os cientistas conduziram o experimento utilizando gestos e imagens para analisar se os participantes aprendiam com mais facilidade.

Como aprender de um novo idioma?

idioma

Segundo a equipe do Instituto Max Planck para Cognição Humana e Ciências do Cérebro, em Leipzig, Alemanha, muitas pessoas, com base em sua experiência escolar, provavelmente diria que a aprendizagem por memorização de longas listas não é, talvez, a melhor abordagem.

O estudo sugere que a adição de imagens para a aprendizagem de um idioma através da leitura e audição ajuda. Porém, acrescentando gestos ajuda ainda mais, especialmente quando esses gestos são realizadas pelos próprios alunos.

Para o estudo, Katharina von Kriegstein, professor e líder dos mecanismos neurais do Grupo da Comunicação Humana pela Max Planck, e sua equipe usaram Vimmish, o idioma artificial que eles criaram possui regras e fonéticas semelhante ao italiano.

Ao longo de uma semana, eles convidaram um grupo de homens e mulheres para memorizar o significado de substantivos concretos e abstratos em Vimmish usando três diferentes abordagens.

1- Na primeira abordagem, os alunos ou viram e leram a tradução da palavra Vimmish.

2- Na segunda abordagem, o método de leitura e escuta também foi acompanhado pela observação de uma imagem e gestos que simbolizavam a palavra.

3- A terceira abordagem foi semelhante à segunda. Porém, foram os participantes que realizaram os gestos que simbolizavam as palavras. Por exemplo: “Atesi” em Vimmish significa “pensamento”.

O vídeo abaixo mostra o gesto para essa palavra (00:05):

Em seguida, os alunos submetidos aos testes de recordação do significado das palavras em Vimmish que haviam aprendido, enquanto os pesquisadores os analisavam o desempenho cerebral com uma ressonância magnética.

Os resultados mostraram que a recordação era melhor quando as palavras haviam sido aprendidas com gestos e imagens ao invés de apenas áudio e leitura. Especialmente, quando os alunos realizavam os próprios gestos.

Os pesquisadores descobriram que enquanto os participantes recordavam palavras que haviam sido aprendidas com a ajuda de gestos, o cérebro ativava o sistema motor. Por isso, a equipe diz que agora é preciso entender se a atividade nos centros motores mais do que visuais é realmente a causa da aprendizagem melhorada.

Para os testes, pretendem usar eletrodos para ativar células do cérebro dessa região e medir a diferença no nível de aprendizagem. Kriegstein afirma que os gestos realmente contribuem para a aprendizagem. Mas falta descobrir o quanto pode ser melhorado com a adição de outros sentidos.

Além disso, a Medical News Today relatou que um outro grupo de pesquisadores descobriu que descanso mental e reflexão dinamizam a aprendizagem. Esse estudo mostrou que quando relaxamos, nossa mente não apenas consolida a memórias bem como melhorar o aprendizado futuro.

Fontes:

http://www.mpg.de/8934791/learning-senses-vocabulary

Por que Fechamos os Olhos para Ativar a Lembrança?

Quando você esquece de algo ou tenta ativar a lembrança dele, parece que você precisa anular a sua visão e concentrar no escuro de sua mente. A maioria das pessoas precisa fechar seus olhos para conseguir relembrar, mas será que isso é realmente eficiente?

Essa prática é tão comum que pesquisadores da Universidade de Surrey, resolveram estudar esta ação para analisar se realmente é eficiente na recuperação de uma lembrança. A pesquisa foi feita com 178 voluntários e o resultado foi positivo.

1) Fechar os olhos para Ativar a Lembrança?

Os 178  voluntários viram um filme de um roubo a uma propriedade. Depois eles precisavam descrever quais os itens que haviam sido roubado. Então, os pesquisadores criaram dois grupos. Os que precisariam ativar uma lembrança com os olhos abertos e a outra metade dos que iria ativar sua lembrança com os olhos fechados.

A) Primeira etapa foi um teste visual

O grupo que respondeu com os olhos abertos, lembrou 41% dos itens e respondeu às perguntas corretamente. O grupo que respondeu com os olhos fechados, conseguiu se lembrar de 75% dos itens.

B) Segunda etapa foi um teste auditivo

Aqui, eles precisaram descrever os sons que ouviram em algumas cenas. Como no teste visual, os que fecharam os olhos tiveram um resultado maior dos o que não fecharam.

2) Por que isso acontece?

Segundo os pesquisadores, a questão está no foco. Quando fechamos os olhos nosso cérebro ignora com mais facilidade o que está à nossa volta. Assim, eliminando boa parte de distrações possibilitando que nosso foco seja mais eficiente.

Além de ajudar a lembrar de coisas corriqueira, os pesquisadores acreditam que a polícia pode adotar essa técnica e aplicar em testemunhas para que consigam se lembrar com mais detalhes sobre um ocorrido.

Fonte:

http://www.bbc.com/news/health-30834038