10 Dicas para Pais e Filhos se Divertirem nas Férias Sem Viajar

Quando nos tornamos pais toda a nostalgia de nossa infância vem à tona, nos deixando com gostinho de saudade daquela época em que nossa única preocupação era brincar com os amiguinhos e fazer as tarefas da escola. Em busca de reviver tais momentos, muitos pais vão atrás de maneiras diversas de participarem de brincadeiras com seus filhos, principalmente nas férias, mas em decorrência do mundo moderno, grande parte das crianças hoje em dia, seguem vidradas em aparelhos celulares ou joguinhos de computador, tornando cada vez mais difícil a socialização saudável entre pais e filhos.

Em vista desse cenário moldado pela alta tecnologia, o desafio dos pais tornou-se também, conseguir promover a diversão de seus filhos, até mesmo quando o orçamento familiar está curto, pois nem sempre é possível fazer aquela viagem dos sonhos que as crianças tanto esperam toda vez em que as férias ocorrem.

E para ajudar esses pais a reviverem seus momentos mais felizes de infância e proporcionarem aos seus filhos, uma diversão saudável gastando pouco ou nada, o artigo em questão, irá dar 10 dicas de brincadeiras e passatempos que podem ser realizados com seus filhos, tornando suas férias inesquecíveis. Veja a seguir:

10 Dicas para pais e filhos se divertirem nas férias sem viajar

10 Dicas para Pais e Filhos se Divertirem nas Férias Sem Viajar

1. Faça uma sessão de cinema em casa

Essa dica é bem simples e basta que os pais montem uma sessão de cinema em casa com filmes que prendam a atenção da criança. Para deixar ainda melhor, os pais podem chamar os coleguinhas do seu filho e escolher um filme que eles gostem, com direito a pipoca e suco. Dentre os filmes, “Harry Potter”, “Procurando Nemo” e “A Era do Gelo”, por exemplo, são ótimas pedidas.

E se por ventura, as crianças ficarem entediadas com o filme, irão se divertir até com a outra criança. Criança quando se junta com outra, se diverte até fazendo nada! E lembre-se: Você também deve participar dessa diversão.

2. Faça um piquenique com as crianças

Essa opção de lazer também é bem simples e uma ótima dica para fazer as crianças se divertirem ao ar livre, gastando muito pouco. Os pais podem ser criativos e com certeza irá garantir a diversão de seus filhos.

Os mesmos devem descobrir um local que esteja em contato com a natureza, se caso não morem próximo ou não tenham acesso a nenhum local ao ar livre, podem fazer o piquenique no quintal de sua casa, o importante é abusar da imaginação.

Além disso, os pais podem fazer brincadeiras que trabalhem todos os sentidos, inclusive o paladar, com uma brincadeira de adivinhar o sabor de algum alimento, por exemplo.

3. Faça um Campeonato de jogo

Sem dúvida, as crianças adoram jogos e campeonatos. E essa terceira dica, com certeza deve fazer parte do cardápio de brincadeiras que os pais devem promover com seus filhos. Chamem os coleguinhas para brincarem também e até desenvolver algum prêmio para quem vencer o campeonato.

Dentre os jogos pode-se escolher entre: Baralho, quebra-cabeça, dominó, mímica, xadrez, dama, videogame ou qualquer outro que os pais conheçam o que não faltam são jogos para distrair as crianças nas férias.

4. Faça uma Culinária divertida

Crianças adoram comer guloseimas e diversos alimentos divertidos e gostosos. Que tal colocar a mão na massa e brincar de chef de cozinha? As crianças podem escolher a receita, ajudar a prepará-la e decorar com muita criatividade.

Os pais devem sempre guiar a criança para que nada aconteça durante a preparação. Uma outra dica é vocês escolherem algo novo, que nunca cozinharam, assim a brincadeira ficará ainda mais divertida para ambos.

5. Faça um caça ao tesouro na sua casa

10 Dicas para Pais e Filhos se Divertirem nas Férias Sem Viajar

Essa quinta brincadeira é bem divertida e sem dúvida as crianças adoram, pois aguçam seus instintos curiosos. Primeiramente os responsáveis devem montar as equipes que participarão da gincana. Uma delas esconderá o tesouro, que pode qualquer coisa, até ser algum objeto curioso.

Em seguida, essa mesma equipe deverá dar à outra equipe, pistas do local onde tesouro está escondido, valendo ressaltar que uma pista deve depender da anterior para ser desvendada. Essa brincadeira é uma ótima oportunidade de promover a cooperação entre pais e filhos, onde os pais podem aproveitar o espírito de equipe para mostrar aos filhos que os apoiam e consequentemente para transmitir-lhes segurança.

6. Faça um campeonato de corrida de saco

A corrida do saco é uma brincadeira bem antiga que com certeza muitos pais devem conhecer. Além de ser simples, remete à disputa fator este que animam a maioria das crianças. Para a brincadeira, o pai precisa providenciar alguns sacos feitos de feltro, tecido ou plástico, que inclusive devem ser grandes e resistentes.

Depois é só se divertir. Pode-se definir um prêmio também, para quem vencer a corrida do saco. Além do modo tradicional, pode-se também chamar amiguinhos e pais de seus filhos e promover uma disputa entre pais e filhos. Respeito, cuidado e companheirismo, com certeza são valores que dominarão o jogo.

7. Faça uma sessão de histórias

A maioria das crianças adoram ouvir histórias e nessa dica, os pais têm duas opções: Ler alguma história de algum livro para seus filhos antes deles dormirem, por exemplo, ou promover uma rodinha à noite, entre eles e suas crianças e contarem as histórias que eles viveram em suas infâncias. Juntamente com essa sessão de histórias, os pais podem fazer pipoca ou oferecer qualquer lanchinho e suco para eles se divertirem.

8. Faça uma tarde de pular corda

Essa dica é super saudável, pois colocará seus filhos em movimento e sem dúvida irá garantir que eles se divirtam como nunca. Basta ter uma corda mais longa, que dê para bater com duas pessoas, enquanto uma pula. O bom dessa brincadeira é que ela pode ser feita em qualquer lugar: na sua casa, num parque, na rua onde você mora e onde você desejar.

9. Faça um telefone sem fio

Chame seus filhos e conte para eles sobre as brincadeiras que você fazia na infância. Dentre elas, convide-os para brincar também. Aqui nós deduzimos o telefone sem fio, porém, você pode escolher qualquer outra. Nesse caso, é bastante simples: você deve reunir-se com eles e até chamar seus coleguinhas para a brincadeira ficar mais divertida.

Em suma, uma pessoa irá escolher uma palavra e falar baixinho no ouvido de quem está ao seu lado, e a pessoa deverá falar essa mesma palavra no ouvido do próximo coleguinha e assim sucessivamente.

A graça da brincadeira é que nem sempre as pessoas escutam direito a palavra e no fim da rodinha acabam falando algo nada a ver com a palavra escolhida pela primeira pessoa, tornando-a cada vez mais engraçada e divertida. Escolha algum doce para dar a todos que estão brincando, caso a palavra escolhida inicialmente, chegue certinha até a última pessoa da roda, como prêmio.

10. Empine pipa

Empinar pipa é simples e as maiorias das crianças gostam. A brincadeira será ainda mais segura, visto que terá a supervisão dos pais. Se você mora perto de algum lugar mais livre e seguro, opte por ele para brincar e se quiser você pode até criar a pipa com seus filhos, ao invés de comprá-la, o que tornará a brincadeira ainda mais divertida.

Dependendo do tempo de férias que seus filhos terão, você pode montar um cronograma de brincadeiras, para garantir que todos os dias seus filhos irão fazer algo divertido e inesquecível. Além dessas brincadeiras aqui expostas, você pode também lembrar-se de outras que você brincava na infância e trazer elas para seus filhos, é só usar a imaginação. O importante é não desanimar e ter a certeza de que, independente do orçamento familiar, é possível sim divertir-se com pouco. A palavra-chave é união.

10 Dicas para Pais e Filhos se Divertirem nas Férias Sem Viajar - Empinar pipa

Saiba Tudo Sobre a Oxiurose (Oxiuríase)

A Oxiurose, também chamada de Oxiuríase ou Enterobíase, é uma doença causada por um verme (conhecido cientificamente como Enterobius Vermicularis) que se aloja no intestino, sendo muito comum entre as crianças e podendo ocorrer em qualquer pessoa seja qual idade tiver. Seus sintomas são desconfortantes, assim como outros problemas de ordem intestinal. Trata-se de uma enfermidade de caráter infeccioso e da mesma forma que o verme causador adentra no intestino humano, ela pode afetar também os animais e geralmente ocorre em ambientes onde a higienização é mais precária e onde o saneamento básico inexiste ou é deficiente.

A população infantil é a mais atingida, uma vez que o organismo é contaminado através da ingestão dos ovos do verme, que pode estar localizado em algum alimento por ele contaminado ou quando ao indivíduo coça o reto e bota a mão na região da boca, sem lavá-la adequadamente. Além disso, os ovinhos do parasita também, podem estar localizados em água contaminada.

Na maioria dos casos, é a fêmea do verme que sai da região intestinal e vai até a parte anal do afetado, enquanto este dorme. Se a criança sofre a contaminação, ela passar a ter capacidade de contaminar toda as outras pessoas que moram com ela, por intermédio do simples contato com suas roupas ou com seus acessórios.

É possível localizar o verme em qualquer região do mundo, porém é mais fácil encontrá-lo onde o ambiente apresenta clima temperado. Para quem não sabe, as regiões que possuem esse clima têm a temperatura mais variável, onde no geral costuma chegar à dez graus célsius nos períodos de calor e variar entre dezoito graus e três graus negativos nos períodos mais frientos. De acordo com as crenças, esse tipo de verminose pode ter se originado na localidade do Continente Africano, onde se propagou em decorrência das grandes migrações que ocorrem anos atrás entres os continentes. É bem comum que o processo de transmissão seja feito em locais domésticos ou em locais fechados onde a presença de pessoas é grupal.

Também denominado de Oxyuros, esse parasita tem aspecto cilíndrico e se encaixa no tipo árcaris, apesar de terem tamanho relativamente pequeno, podendo medir de cinco a doze milímetros. Além disso, costumam ter coloração branca e a sua cabeça é obtusa e vesicular. No geral eles se instalam na parte final do reto e acabam provocando a produção intensa de prurido no local, com presença de dores na região abdominal e quadros de irritabilidade.

Das fêmeas férteis ficam na maioria delas situadas no ceco e no cólon, onde se deslocam com seus ovos para as fezes do indivíduo contaminado e por elas saem, com aspecto parecido com linhas brancas. Por ser bem comum que uma criança se coce, é bem comum também que os vermes e os ovos acabem se deslocando para a região das unhas, e na medida em que a criança bote inocentemente a mão na boca, ela acaba se reinfectando.

Dos métodos de tratamento para a doença, os mais frequentes incluem Educação Sanitária, que abarcam a maneira correta de higienizar as mãos antes de consumir ou preparar qualquer tipo de alimento. Saiba mais a seguir sobre ela, sobre suas causas, sintomas, formas de tratamentos e como se prevenir deste mal.

  1. Ciclo do parasita

O ciclo de vida do Enterobius Vermicularis é bem simples de se compreender. Primeiramente, após infectar o indivíduo, o verme se desloca para a região Cecal localizada no Intestino Grosso. Por lá eles permanecem até alcançarem a fase adulta. Na medida em que a fecundação ocorre, as fêmeas do verme vão até a região do ânus, a fim de realizar a ovoposição (depósitos de ovos na região).  E é depois desses fenômenos naturais que o parasita adulto morre, onde o macho termina sua missão logo depois que acasala e a fêmea lodo depois que põe seus ovos.

A partir daí os ovos depositados podem ser expulsos do corpo, junto com as fezes da pessoa ou no instante em que se maturam na região da epiderme.  Logo depois ele pode infectar outra pessoa, ou a mesma anteriormente contaminada, se ele for consumido. Aí eles se deslocam para o Intestino Delgado e começam a eclodir, com o auxílio do Suco Gástrico e Duodenal e começam a liberar novas larvinhas que passam a se alimentar, crescer e migrar para a região do Intestino Grosso, a fim de reiniciar todo o processo do ciclo.

A duração da vida dos vermes nesse ciclo varia entre duas até seis semanas. O período onde pode ocorrer a transmissão dura enquanto a fêmea do parasita, em período de gestação, continuar expulsando os ovos na pele do períneo, onde ainda possuem a capacidade de infectar por um período entre uma ou duas semanas mesmo depois de expulso do corpo do hospedeiro.

Conheça as causas principais da doença

Já sabemos que os mais afetados pelos problemas são as crianças, visto que nem todas elas conhecem as formas básicas de se higienizar. Em decorrência disso é muito fácil o processo de se infectar, reinfectar ou ainda propagar a doença para os seus coleguinhas. Beber água contaminada, tocar a mão infectada na boca e muitas outras maneiras abrem as portas para que o parasite entre no organismo e se instale na região do intestino delgado, que é onde eles irão se eclodir. Suas larvinhas se deslocam até o intestino grosso, para ali permanecerem até o momento em que eles alcançarem a maturidade no nível sexual. É justamente aí que eles se reproduzem, e logo depois disso todos os machos do parasita morrem.

Por ser muito mais frequente o deslocamento da fêmea até a região anal, no decorrer do período em que o acometido pela doença dorme, é normal que o mesmo elimine vários dos ovinhos nesse momento e por isso ele pode fazer com que outros indivíduos que residem com ele possam ser contaminados. Para se ter uma ideia, a poeira que fica na nossa cassa é a principal causa de proliferação da enfermidade, representando noventa por cento dos casos ocorridos.

A Oxiurose pode ser contraída em qualquer lugar, mesmo em locais onde há saneamento básico correto. E as causas mais comuns que originam a Oxiurose são:

  • Ingerir alimentos ou água contaminados pelos ovos do parasita;
  • Vestir roupas que estejam contaminadas;
  • Respirar poeira do ambiente que contenha os ovos do verme;
  • Não lavar as mãos após urinar ou defecar e tocar outras pessoas, contaminando-as;
  • Não realizar a higiene pessoal com frequência;
  • Coçar a região anal ou qualquer outra área contaminada e não higienizar as mãos;
  • Colocar a mão contaminada na boca, coçar os olhos ou qualquer meio em que se tenha contato com mucosas naturais do corpo;
  • Compartilhar utensílios contaminados entre pessoas (como, por exemplo, copo, talheres, etc).

Desse modo, de forma resumida, ao se contaminar, os ovos do verme seguem até o intestino delgado, que ao se transformarem em larvas vão ao intestino grosso. Lá se reproduzem, sendo que os machos morrem (saindo nas fezes) e as fêmeas seguem até o ânus, morrendo também após gerar novos ovos. Estes ovos são eliminados no ambiente externo, normalmente enquanto a pessoa dorme, infestando-o através da poeira e transmitindo a doença para os outros moradores da casa.

Como a transmissão acontece?

Basicamente existem três maneiras de transmissão da Oxiurose, das quais são a Direta, a Indireta e a Retroinfestação. Entenda melhor sobre cada uma:

Transmissão direta: Essa forma é a mais simples, onde o indivíduo toca a região anal (cocando, por exemplo) e sem os devidos cuidados higiênicos ele acaba tocando a mão usada na região da boca.  É nesse processo que o parasita sai do ânus e entra no organismo do paciente, causando a contaminação direta.

Transmissão Indireta: Esse é ocaso onde os ovinhos do verem fica localizado seja em algum alimento, na água, na roupa ou na poeira da casa de onde alguém anteriormente infectado reside. Através do contato com elas a pessoa pode acabar contraindo a doença indiretamente.

Transmissão por Retroinfestação: Essa última forma de transmissão se dá na medida em que as larvinhas do verme se desenvolvem no períneo de um indivíduo e de lá se deslocam para a região Cecal, que é o local onde eles amadurecem e chegam na fase adulta.

Principais Sintomas

Na maioria dos quadros diagnosticamos como Oxiurose, de maneira geral trata-se de um problema assintomático. Quando o indivíduo começa a apresentar a manifestação de sinais, geralmente ele já tem sido acometido várias vezes pelo problema e com isso adquiriu uma quantidade elevada de vermes no organismo. Essa condição pode ocorrer logo após alguns meses de contaminação.

Se o parasita promove o surgimento de sintomas, o mais comum costuma ser coceiras na região do ânus. Quando chegam na fase adulta, eles começam a ter a capacidade de se deslocar da região anal para a vaginal. Em vista disso, o público feminino pode acabar desenvolvendo problemas com Vulvovaginite, que é quando a vagina ou a vulva fica inflamada, além de ter coceiras e corrimento na região.

Vale enfatizar que é mais ocasional a ocorrência de reinfecção nos indivíduos contaminados. E quando isso acontece, a quantidade de vermes que pode chegar até o intestino é tão elevada que o mesmo pode começar a sentir os sintomas predominantes de parasitas do tipo intestinal, que abarcam dores no abdômen, dores na hora de defecar, sensação de náuseas e quadros de vômitos. Esses parasitas também podem acabar obstruindo o apêndice, fazendo com que uma condição gravídica de apendicite surja.

Aliás, pelo fato da coceira ser um sintoma que pode aparecer as vezes, no caso das pessoas que acabam cocando a região anal de forma constante, pode acabar fazendo com que o local fique cheio de escoriações e isso facilita ainda mais a entrada de bactérias e consequentemente a ocorrência de novos quadros infecciosos. De forma geral. os sintomas da Oxiurose variam entre:

  • Coceira ou prurido no ânus;
  • Diarreia;
  • Enjoos, náuseas e vômitos;
  • Perda de peso;
  • Dores no abdômen e no ânus;
  • Mucosas anais lesionadas;
  • Dermatite anal;
  • Outras infecções anais;
  • Irritabilidade (devido à coceira anal);
  • Insônia (também devido à coceira anal e eliminação dos ovos no ambiente externo);
  • Presença de sangue nas fezes (em alguns casos);
  • Vaginite (inflamação da mucosa vaginal);
  • Esterilidade feminina (sintoma muito raro, porém se os vermes forem parar nas trompas e deixá-las obstruídas, isso pode ocorrer).

Como é feito o diagnóstico?

Em muitos casos é possível achar os parasitas na região do períneo ou localizado nas roupas íntimas ou nas de cama do indivíduo que fora contaminado. Contudo, o mais frequente é a utilização de uma técnica conhecida como Swab Anal, a fim de conseguir fazer o diagnóstico do problema. Ele basicamente aplica uma espécie de fita adesiva no períneo do indivíduo. Desse modo, os ovinhos acabam se colando nessa fita, que depois de retirada do local é levada para um Microscópio a fim de ser analisada.

Apesar de muitos acharem, o exame de fezes não tem tanta utilidade quando o quadro é de infecção provocada por esse tipo de germe.

Quais as melhores formas de tratamento?

É importante frisar que o paciente diagnosticado precisa fazer todo o tratamento de maneira completa.  Nesse caso é imprescindível acabar com todas as larvas existentes, a fim de que não haja uma reinfecção. Além disso, todos os indivíduos que moram com alguém contaminado, precisam fazer o tratamento conjuntamente, visto que há um grande risco de eles também terem sido infectados pelo verme. E mesmo que não haja nenhum sintoma, pode ser que mais à frente algum deles contamine novamente aquele paciente que fez o tratamento, em vista disso todos precisam se cuidar para evitar futuros problemas.

Dos métodos de tratamentos mais usados podemos ressaltar as Lavagens que devem ser realizadas na região intestinal, seja com água em temperatura morna ou com determinados tipos de remédios. Além disso, todos os pacientes precisam garantir que o ambiente em que vivem e frequente sejam bem limpos e todos os cuidados pessoais precisam estar em dia.

Quem orienta como a doença vai ser tratada, obviamente é o médico especialista, onde irá prescrever também os remédios de função vermífuga que deverão ser usados, como é o caso do Pamoato de Pirantel, do Albendazol e do Mebendazol. A administração de qualquer um dele é feita por dosagem única e o mesmo visa promover a eliminação dos parasitas, bem como dos seus ovos, que estão presentes no organismo infectado. Em alguns casos, pode ser necessário utilizar um a pomada do tipo Anti-helmíntica, na região anal, por volta de pelo menos cinco dias. O Tiabendazol, por exemplo, é ótimo e ajuda a fazer com que o efeito do medicamento usado seja potencializado. Existe também a Nitazoxanida, que é voltada para a eliminação de outra grande quantia de parasitas do tipo intestinal. A sua utilização deve ser feita por pelo menos três dias corridos.

Para não esquecer, anote aí os métodos tratamentoso mais indicados:

  • Medicamentos indicados para combater o parasita;
  • Pomada contra a Oxiurose e para aliviar a coceira anal;
  • Lavagens intestinais;
  • Ingestão de líquidos para repor os nutrientes perdidos e hidratar o corpo;
  • Lavagem das roupas íntimas, de cama e banho, além da higienização do vaso sanitário após seu uso pela pessoa contaminada.

E apesar dos remédios voltados para combater os vermes sejam de fácil acesso nas farmácias, visto que dispensam receita médicas, eles não podem ser usados por conta própria. Portanto vá a um médico, e com base nos seus sintomas e exames, se ele indicar algum específico, aí sim você pode comprá-lo e administrá-lo de acordo com as orientações do profissional.

Métodos naturais de tratamento

Sabemos que é fundamental fazer o tratamento medicamentoso orientado pelo médico qualificado, contudo existem algumas técnicas naturais que podem ser aliadas a eles e ajudar a potencializar o efeito dos remédios e consequentemente a ajudar o paciente a melhorar com mais rapidez. Anote aí as receitas que você mais gostar e aproveite os seus benefícios:

  1. Bebida de Hortelã: Separe cerca de trezentos milímetros de leite desnatado, quatro talos e dez folhas de hortelão-pimenta. Em seguida, pegue o leite e o ferva juntamente com a hortelã, mas se você preferir pode ser também com o alho. Depois que a mistura esfriar, chegando em temperatura morna, adoce com uma colherzinha de mel e beba quando ainda estiver em jejum. Beba essa receita uma vez por semana e lembre-se: se você estiver grávida evite a hortelã-pimenta, visto que ela é contraindicada para esses períodos.
  2. Chá de alho: Separe três dentes de alho e os ferva com aproximadamente uma xícara de água, por no mínimo dez minutos. Depois de esfriar é só coar para beber. Faça isso por pelo menos três vezes diariamente, durante um período de três semanas.
  3. Pasta de Mastruz: Separe algumas folhas se casa de Mastruz, também conhecido como Erva de Santa Maria e uma porção pequena de mel. Com o auxílio de um pilão, amasse elas e em seguida misture-as com o mel, até que uma pasta surja. Se o paciente é infantil e tem entre dez e vinte quilos, o ideal é tomar uma colher de sobremesa da pasta diariamente.  Se o mesmo tem entre vinte e quarenta quilos, a quantidade é de uma colher de sopa diária. Já para os pacientes jovens e adultos, o ideal é tomar três colheres de sopa todos os dias. No geral, esse método precisa ser aplicado por pelo menos três dias consecutivos, ressaltando que essa erva é contraindicada para períodos gestacionais.
  4. Vinho branco com cebola: Separe um litro de vinho branco, trezentas gramas de mel. Em seguida, pegue o vinho e a cebola, e misture-os. Deixe essa bebida descansando por pelo menos cinco dias, e depois coe ela e adoce com mel. Recomenda-se tomar em jejum e vale enfatizar que as futuras mamães não podem usar a dica porque no período de gravidez, qualquer bebida alcoólica é contraindicada.

Mas não se esqueça de que além de utilizar esses medicamentos, é imprescindível ter todos os cuidados com a higiene pessoal e do ambiente onde se vive. Exemplificando mantenha suas unhas sempre limpas e cortadas, evite colocar suas mãos na boca, lave as roupas de forma correta, lave também as roupas de cama com periodicidade, as toalhas de banho também precisam estar sempre higienizadas e inclusive os objetos pessoais. Essas atitudes simples ajudam a evitar que o verme volta a infectar o indivíduo.

Indícios de melhora versus Indícios de piora

Mas e como saber se os cuidados estão fazendo efeito e você está melhorando da doença, ou se o seu quadro está se agravando? Isso é bem simples, quando um paciente está apresentando melhora ele acaba passando por algumas etapas: dois dias depois de começar o tratamento ele já começa a eliminar os parasitas por intermédio da evacuação, além disso, as sensações de coceira vão diminuindo, junto com o alívio dos gases do intestino. Sem contar que a vontade de comer volta e o paciente passa ater apetite novamente.

Mas se a situação é contrária, ou seja, se o quadro da Oxiurose está piorando, o indivíduo tende a perder completamente o apetite, sentir dores na região da barriga, incluindo inchaço. Além de ter um aumento nos gases do intestino, perdendo também muito peso.

 Quais os melhores métodos para prevenir a doença?

Os tratamentos para curar a doença são importantíssimos, mas mais do que eles, a prevenção é ainda mais valiosa.  E para isso, não precisa de muito: apenas métodos simples de higienização já são capazes de impedir que uma infecção do gênero se instale no nosso organismo. Podemos adiantar que lavar as mãos antes e depois de fazer uma refeição ou depois que chegar na sua casa já faz uma enorme diferença. Confira a seguir as dicas mais eficazes para você prevenir Oxiurose:

  • Tenha bons hábitos de higiene, lavando sempre as mãos após idas ao banheiro e preparar refeições, além de manter as unhas cortadas.
  • Lave bem os alimentos e tome sempre água tratada.
  • Mantenha o ambiente sempre limpo.
  • Não compartilhe talheres e outros itens de uso pessoal com outras pessoas.
  • Não coloque a mão contaminada na boca ou em contato com outras mucosas do corpo.
  • Ao estar contaminado, troque as roupas pessoais, de cama e banho para evitar reinfestação.

Vale ressaltar que isso cuidados não ajudam apenas ao indivíduo evitar a própria contaminação, como também a de todo mundo que vive com ele, já que os ovos do verme conseguem sobreviver até três semanas fora do organismo humano, pronto para infectar a primeira pessoa que ter contato com eles. No caso das mulheres gestantes, o cuidado é redobrado, já que a mesma não pode usar nenhum medicamente para eliminação os vermes durante esse período, mais precisamente até o terceiro trimestre gestacional. Para esse caso, o recomendado é usar receitas naturais como o caso do chá de abóbora, feito com suas sementes e assim por diante.

Quais são as possíveis complicações?

Se o indivíduo diagnosticado com Oxiurose não realizado o tratamento correto orientado pelo médico, consequentemente pode acabar ocorrendo determinadas complicações. Das mais comuns podemos citar a perda indesejável de peso, por que o organismo já não consegue absorver os nutrientes adequadamente e a região da genitália pode ficar infectada, principalmente nos pacientes de sexo feminino.