Adoçantes Fazem Mal à Saúde? (Mitos e Verdades)

Existem muitas histórias a respeito dos adoçantes, o que é normal para uma opção de certa forma controversa para lidar com certos problemas de saúde. E como não poderia deixar de ser, muitas dessas histórias transitam entre mitos e verdades, que deixam muitos dos interessados no assunto ligeiramente perdidos e confusos.

Para discernir essas histórias entre verdadeiras e falsas, vamos listar alguns deles, até para que você mesmo tire suas conclusões quanto à viabilidade dos adoçantes para a saúde. O objetivo é que, você utilizando ou não, saiba exatamente o que está consumindo.

Adoçantes Fazem Mal à Saúde? Veja os Mitos e as Verdades!

Adoçantes Fazem Mal à Saúde? (Mitos e as Verdades)

1) Adoçante não faz mal à saúde pois não possui calorias (MITO)

Em primeiro lugar, adoçantes não estão presentes apenas em sua forma mais conhecida, como também são parte de produtos com a tag ‘diet”. E em ambas as formas, seus usuários precisam se atentar a quantidade que consomem esses adoçantes, pois eles possuem sim calorias, embora numa quantidade relativamente menor do que os produtos que contém açúcar refinado.

Por regra padrão, consuma, no máximo o equivalente a 1l de adoçante por dia, em todas as formas de produtos que o possuem como componente. Passar dos limites pode acarretar em problemas de saúde tão graves quanto os que levaram a usar o adoçante.

2) Qualquer pessoa pode consumir Adoçante (MITO)

De longe é o mais “mitológico” entre os argumentos que envolvem o adoçante. Não é qualquer pessoa que pode usar adoçantes, sobretudo aquelas que possuam altas taxas de sódio no organismo, e por consequência problemas de pressão alta. Quem sofre de insuficiência renal também devem tomar cuidado com os adoçantes.

Para quem possui fenilcetonúria, os adoçantes à base de aspartame são proibidos. Isso porque, na sua composição, encontra-se o aminoácido fenilalanina e pessoas portadores dessa doença possuem um defeito na enzima responsável pela conversão desse aminoácido em tirosina, agravando o quadro sintomático. Os demais adoçantes podem ser utilizados pelos portadores desta doença.

 

3) Crianças são proibidas de consumir adoçantes (MITO)

Com uma orientação médica adequada, principalmente em casos de diabetes ou sobrepeso, as crianças podem usar adoçantes. O encaminhamento clínico é necessário, pois trata-se de um produto tão cuidadoso em componentes, e com cuidados tão assertivos quanto o açúcar em si.

Mas como se trata de uma condição de uso devido a problemas em consumir doces de forma regular, o ideal é que a dieta das crianças, em todos os estágios, seja a menos prejudicial possível. Tirar itens como biscoitos recheados, refrigerantes, salgadinhos, e outras opções do tipo, tornam a possibilidade de um adoçante tão cedo muito remota.

4) Sucralose não causa prejuízos à saúde (MITO)

A sucralose é o tipo de adoçante que tem o sabor mais próximo do açúcar tradicional. O que muitas vezes implica no fato de que ele poderia ser perigoso para a saúde como sua fonte de inspiração. Neste ponto, isso está muito longe da verdade.

O seu sabor está mais próximo do açúcar por ser extraído diretamente da cana, sendo um dos vários derivados dela. Por não causar cáries em um nível regular de uso, somado a um valor acessível, tornam ele a opção mais viável para quem precisa começar a usar adoçantes. Novamente, consulte o médico com antecedência para se certificar disso.

Porém, um novo estudo da UNICAMP voltado ao uso da sucralose em alimentos quentes como cafés, chás e bolos indicou que a substância torna-se quimicamente instável, liberando toxinas com potencial cancerígeno, capazes de se acumularem no organismo.

5) Adoçantes fazem a pessoa engordar (DEPENDE)

Não é completamente verdade, mas há sim a possibilidade que o uso de adoçantes faça o peso aumentar. Embora a quantidade de calorias seja quase nula em comparação com os consumos regulares, alguns adoçantes podem modificar o apetite, e principalmente a sensação de saciedade.

Quando o consumo de adoçantes precisa ser regulado, é justamente para evitar que o ciclo de alimentação e a saciedade não mudem. Isso pode acontecer, pois os adoçantes não suprem a necessidade de açúcar no corpo, forçando este a comer mais para se sentir satisfeito. Junto ao adoçante, é necessário uma dieta bem regularizada.

6) Adoçantes causam câncer (DEPENDE)

É, na verdade, parcialmente um mito. Ainda não existem estudos que confirmem de forma verídica que os adoçantes causam câncer. O que não impede que essas mesmas pesquisas alarmem o público dos riscos, devido ao uso desmedido do produto.

Por hora, considere que não. Mas que não aumente os riscos de ter outros problemas de saúde devido ao uso dos adoçantes, o melhor mesmo é consumi-lo numa quantidade mais bem regulada e segura para o seu corpo.

Mas como prevenção de risco e de demais problemas de saúde devido ao uso dos adoçantes, o melhor mesmo é consumi-lo numa quantidade mais bem regulada e segura para o seu corpo.

7) Gestantes não podem usar adoçantes (VERDADE)

A gestação é caracterizada por uma série de mudanças fisiológicas e metabólicas. E tudo isso como forma favorecer à nova vida que está em desenvolvimento. É de extrema importância que o uso de produtos químicos como os adoçantes seja previamente consultado com o médico ou o nutricionista para prevenir possíveis complicações.

Adoçantes podem ser inofensivos para adultos mas para o feto, que está em constante formação, pode representar um risco futuro e de proporções desconhecidas.

7) Adoçantes fazem mal à saúde? (DEPENDE)

Pelos pontos apresentados acima, podemos chegar a conclusão que não é maléfico. Porém, para que não haja efeitos colaterais – tal como qualquer consumo de alimentos, os usuários precisam ficar atentos com a quantidade consumida diariamente, para não trazer riscos ao corpo. Em suma, as atenções e cuidados são idênticos ao consumo de sal e açúcar – tudo deve ser consumido no nível certo, para não haver prejuízos.

Gostou de saber os mitos e verdades? Não deixe de colocar nos comentários outras dúvidas e ideias do que fazer com esse tipo de produto ainda tão pouco conhecido pelo público. Mas uma coisa é certa agora: adoçantes fazem mal à saúde apenas se seu uso for desmedido. Sempre fique atento a esse detalhe, e terá uma saúde ainda melhor. Até a próxima!

5 Principais Doenças Transmitidas pelo Gato 

Gatos são uma fofura, não é mesmo? Só que é preciso estar atento já que, em alguns casos, esses felinos são responsáveis por realizar transmissão de doenças para as pessoas. Essas doenças transmitidas pelos animais são chamadas de zoonoses. Agentes que desencadeiam as enfermidades podem variar, levando em consideração cada infecção que o animal possa ter contraído. Quer identificar quais são as doenças? Fizemos uma lista com as cinco principais doenças que podem ser transmitidos através do gato.

Confira Abaixo as 5 Principais Doenças transmitidas pelo Gato:

5 Principais Doenças Transmitidas pelo Gato 

1 – Raiva

Já ouviu falar da raiva? Não, não é aquele sentimento que temos. Conhecida popularmente como raiva, a hidrofobia é uma enfermidade de origem viral que realiza alterações no cérebro e medula espinhal. Ao entrar em contato com um animal que sofre da enfermidade (na maioria dos casos obtida através da mordida do animal), seres humanos podem ser infectados com a doença. A doença costuma ser fatal.

2 – Toxoplasmose

Normalmente nosso primeiro conhecimento sobre a toxoplasmose ocorre ainda na infância, quando conhecemos as doenças ocasionadas pela falta de higiene. O que é importante ressaltar é que a enfermidade é transmitida através de fezes dos gatos que detém o parasita no organismo.

Assim, se a pessoa não possui hábitos higiênicos, como o de lavar as mãos após entrar em contato com ambientes (como a caixa com areia), as chances de que o ser humano desenvolva a doença são maiores.

3 – Bartonelose Felina

Também denominado de “doença da arranhadura do gato”, a Bartonelose felina é uma enfermidade que, como o próprio nome já diz, é obtida quando o felino arranha uma pessoa. Dessa forma, depois de haver o arranhão, a pessoa entra em contato com uma bactéria, denominada bartonella henselae, e pode desenvolver a enfermidade. É importante ter atenção, considerando que os gatos não apresentam sintomas do problema.

4 – Salmonela

De origem bacteriana, a salmonela é uma doença que costuma ocasionar uma grave intoxicação alimentar. Quem contrai a doença, costumam ter disenteria, diarreia, vômitos, dentre outros problemas. Por isso, é preciso estar atento, pois a bactéria salmonella é encontrada nas fezes de gatos.

Neste caso, se o seu felino contraiu a bactéria, qualquer contato com o felino pode fazer com que você venha a desenvolver. Uma dos principais cuidados é ter a higiene em dia.

5 – Toxocaríase

A lombriga toxocara canis é quem causa a toxocaríase, e normalmente o que costuma desencadear a enfermidade em humanos em ambientes onde o saneamento básico é precário, tendo em vista que os hospedeiros definitivos da lombriga são os animais (sejam gatos ou cachorros). Em humanos, além de problemas inflamatórios, a doença pode ocasionar hemorragia.

10 Doenças Mais Comuns em Bebês e Crianças

Todas as crianças merecem cuidados médicos e plano de saúde de alta qualidade. Como responsável, é importante estar ciente das diretrizes de tratamento mais atualizadas para que você possa ter certeza de que seu filho está recebendo o melhor cuidado possível.

I) As informações a seguir listam algumas das Doenças Mais Comuns em Bebês e Crianças:

1) Garganta Inflamada

Dor de garganta é comum em crianças e pode ser algo doloroso e incômodo. No entanto, uma dor de garganta causada por um vírus não precisa de antibióticos. Nesses casos, nenhum medicamento específico é necessário e seu filho deve melhorar entre 7 e 10 dias. Em outros casos, uma dor de garganta pode ser causada por uma infecção chamada estreptococo (garganta inflamada).

Bebês e crianças raramente adquirem estreptococo, mas eles são mais propensos a serem infectados por bactérias estreptococos se estiverem em creches ou se um irmão mais velho tiver a doença. Embora a bactéria se espalhe principalmente através da tosse e do espirro, seu filho também pode obtê-la tocando em um brinquedo com o qual uma criança infectada brincou.

Diagnóstico e tratamento:

Para o diagnóstico dessa infecção é necessário examinar a garganta da criança. Um teste de laboratório ou teste de estreptococo em consultório é necessário para confirmar o diagnóstico de estreptococo. Se positivo, seu pediatra prescreverá um antibiótico. É muito importante que seu filho tome o antibiótico conforme prescrito, mesmo que os sintomas melhorem ou desapareçam antes do final do remédio.

2) Dor de Ouvido

A dor de ouvido é comum em crianças e pode ter muitas causas – incluindo infecção no ouvido (otite média), otite externa (infecção da pele no canal auditivo), pressão de um resfriado ou sinusite, dor de dentes irradiando até a mandíbula e até o ouvido, entre outros. Para perceber a diferença, o pediatra precisará examinar o ouvido do seu filho. Na verdade, um exame no consultório ainda é a melhor maneira do seu pediatra fazer um diagnóstico preciso. Se a dor de ouvido do seu filho for acompanhada por febre alta, envolver ambos os ouvidos, ou se o seu filho tiver outros sinais de doença, o pediatra pode decidir que um antibiótico é o melhor tratamento.

Tratamento:

Muitas infecções de ouvido são causadas por vírus e não requerem antibióticos. Se o seu pediatra suspeitar que a infecção no ouvido do seu filho pode ser de um vírus, ele irá conversar com você sobre as melhores maneiras de ajudar a aliviar a dor de ouvido do seu filho até que o vírus se vá.

3) Catapora

A Catapora ou Varicela é uma doença altamente contagiosa, transmitida por um vírus. É fácil de identificar a catapora em bebês, pois sua pele fica com bolinhas avermelhadas que viram bolhas com líquido, eles tem coceira, febre e perdem o apetite.

Estes sintomas são muito desconfortáveis para a criança, o que faz com que ela fique chorosa, desconfortável e agitada.

Prevenção e tratamento:

Catapora, Sarampo, Caxumba e Rubéola são doenças que podem ser prevenidas com a Vacina Tetravalente Viaral.

Para tratar a Catapora, o pediatra pode recomendar a aplicação de pomadas sobre a pele, que aliviam a coceira e ajudam as feridas a sarar mais rapidamente, pois não existe tratamento para eliminar o vírus do corpo.

Além disso, como a Catapora é altamente contagiosa, é recomendado que o bebê não tenha contato com outras crianças, durante 5 a 7 dias, que é o período de contágio da doença.

4) Resfriado Comum

Resfriados são causados ​​por vírus no trato respiratório superior. Muitas crianças pequenas – especialmente aquelas que passam o dia em creches – podem ter de 6 a 8 resfriados por ano. Os sintomas de resfriado (incluindo coriza, congestão e tosse) podem durar até dez dias.

Muco verde no nariz não significa automaticamente que os antibióticos são necessários; resfriados comuns nunca precisam de antibióticos. No entanto, se houver suspeita de uma infecção sinusal, o seu médico decidirá cuidadosamente se os antibióticos são a melhor escolha com base nos sintomas do seu filho e num exame físico.

Tratamento:

Na maior parte dos casos, o resfriado pode ser tratado sem o auxílio de remédios, apenas com medidas caseiras e muito descanso.

5) Sarampo

O Sarampo surge geralmente no bebê depois dos 12 meses de idade. Seus sintomas costumam ser febre alta, vermelhidão, lacrimejamento e coceira nos olhos, manchas branco-azuladas dentro da boca e manchas vermelho-arroxeadas na pele. Isso faz com que o bebê fique agitado, choroso e sem apetite.

Tratamento:

Quando o bebê contrai esta doença, o pediatra recomenda a ingestão de remédios analgésicos e antitérmicos, que aliviam os sintomas de dor, febre e desconforto, pois não existe tratamento para eliminar o vírus do corpo.

Assim como a catapora, o sarampo é altamente contagioso, por isso é recomendado evitar que o bebê entre em contato com outras crianças durante o tempo de recuperação.

6) Caxumba

A Caxumba, também conhecida como papeira, é outra doença viral muito comum em crianças. Esta doença infecciosa pega-se através da tosse, espirro ou da fala de pessoas infectadas, provocando o inchaço das glândulas salivares na região do pescoço, dor, febre e mal-estar em geral. Estes sintomas deixam o bebê com a região do pescoço aumentada, choroso e inquieto.

Tratamento:

Para tratar a Caxumba, geralmente o pediatra recomenda tomar remédios para a dor e inflamação, que aliviam a dor, febre e desconforto, pois não existe tratamento para eliminar o vírus da Caxumba do corpo.

Além disso, durante a recuperação do bebê ou da criança é também recomendado fazer uma alimentação mole e pastosa e aplicar compressas mornas sobre o inchaço.

7) Diarreia e Vômito

A diarreia em um bebê consiste em frequente e repetida passagem de fezes aquosas não formadas.
Normalmente, essas crianças são perfeitamente saudáveis ​​e estão crescendo normalmente. A diarréia pode ser causada pelo consumo excessivo de bebidas açucaradas, mas é recomendado consultar o médico.

Diarréia e vômito podem ser causados ​​por muitas coisas diferentes, incluindo:

  • Vírus;
  • Um problema no estômago;
  • Intoxicação alimentar;
  • Alergia a alimentos.

Tratamento:

A diarréia e o vômito são mais sérios em bebês do que em crianças mais velhas, porque os bebês podem facilmente perder muito líquido de seus corpos e ficarem desidratados.

Se seu bebê ficar desidratado, precisará de líquidos extras. Se você estiver amamentando, continue, mas tente fazer isso com mais frequência. Se você estiver dando mamadeira, ofereça fluidos claros entre os alimentos.

8) Febre e Altas Temperaturas

Febres são bastante comuns em crianças pequenas e geralmente são leves. Às vezes, as causas da febre exigem atenção urgente, mas na maioria dos casos podem ser administradas em casa.
A febre em si é raramente prejudicial. Mas a alta temperatura pode fazer com que seu filho se sinta desconfortável – eles podem ter calafrios ou arrepios quando a temperatura estiver subindo, e podem suar quando ela estiver caindo.

Tratamento:

A maioria das causas de uma temperatura elevada em uma criança geralmente não são graves e se pode gerenciar em casa. Uma febre irá seguir seu curso independentemente do tratamento. A temperatura do seu filho voltará ao normal quando a infecção ou outra causa da febre desaparecer completamente.

9) Alergias Alimentares

É mais provável que os bebês desenvolvam alergias se houver uma história de eczema, asma ou alergias alimentares (conhecidas como “atopia”) na família.

É recomendado que, quando o bebê estiver pronto, por volta dos 6 meses, mas não antes dos 4 meses, seja introduzida uma variedade de alimentos sólidos, começando com alimentos ricos em ferro, enquanto continua a amamentação.

Quando começar a introduzir sólidos (desmame), introduza os alimentos que comumente causam alergias, um de cada vez, para que você possa identificar qualquer reação. Estes alimentos são: leite, ovos, trigo, nozes, sementes, peixe e marisco. Não introduza nenhum desses alimentos antes dos seis meses. Há evidências de que os bebês devem receber alimentos sólidos alergénicos, incluindo manteiga de amendoim, ovo cozido e laticínios e produtos de trigo no primeiro ano de vida.

Muitas crianças superam suas alergias a leite ou ovos, mas uma alergia ao amendoim é geralmente vitalícia.

Como vou saber se meu filho tem alergia alimentar?

Uma reação alérgica pode consistir em um ou mais dos seguintes sintomas:

  • Diarréia ou vômito;
  • Tosse;
  • Chiado na respiração e falta de ar;
  • Coceira na garganta e na língua;
  • Comichão na pele ou erupção cutânea;
  • Lábios e garganta inchados;
  • Nariz escorrendo ou entupido;
  • Olhos doloridos, vermelhos e com coceira.

10) Gastroenterite

Esta doença, mais conhecida como um distúrbio estomacal, causa vômitos, diarréia e dor abdominal. Uma variedade de vírus, incluindo o norovírus – que muitas vezes invade centros de cuidados infantis – pode causar gastroenterite.

A maioria dos vírus estomacais desaparece dentro de alguns dias a uma semana e não exige nada além de repouso. Ainda assim, você deve certificar-se de que seu filho esteja ingerindo líquidos suficientes para evitar a desidratação. O maior erro que a maioria dos pais tende a fazer é dar muito líquido de uma só vez, o que uma criança doente pode não ser capaz de segurar.

Tratamento:

Comece com apenas uma colher de sopa de uma solução eletrolítica a cada 15 minutos e aumente lentamente a quantidade. Se o seu filho preferir tomar suco, dilua-o pela metade, já que esse tipo de bebida é rica em açúcar e pode levar à diarréia.

Assim que a criança sentir vontade de comer, ofereça pequenas quantidades de banana, arroz, compota de maçã e torrada. Se ela os mantiver no estômago, volte lentamente com as refeições regulares.

II) Quando chamar o médico?

A maioria das doenças infantis se vão sem grandes preocupações. Mas, para alguns sintomas (e para certas crianças), eles podem justificar uma consulta com seu pediatra.

Preste atenção em:

  • Desidratação – Seu filho pode ter olhos fundos (ou, se ele for um bebê, uma marca em sua cabeça) ou parecer extremamente letárgico, ou sua boca pode estar grudenta e pegajosa ao toque. Também tome cuidado se ele estiver urinando menos de três ou quatro vezes por dia.
  • Febre alta – Nos recém-nascidos, qualquer temperatura elevada pode significar uma ligação ao médico. Para crianças de 3 a 6 meses, telefone se a febre atingir 38 ºC; para bebês e crianças mais velhos, o limite é de 40 ºC.
  • Dificuldade de respiração – Telefone imediatamente se o seu filho estiver ofegante, a respiração dele for rápida ou difícil, ou você perceber longas pausas entre cada respiração.
  • Falta de apetite – É normal que uma criança doente tenha pouco interesse em comida. Mas se seu filho está comendo ou bebendo menos da metade do que ela normalmente faria por dois dias ou mais, consulte o seu médico.
  • Condições pré-existentes – Se seu filho foi diagnosticado com asma, diabetes, um sistema imunológico suprimido ou outra condição médica crônica, converse com seu pediatra sempre que ele apresentar um vírus que possa comprometer sua saúde.

Saiba Tudo Sobre a Hipotermia

As informações sobre a hipotermia podem ser totalmente superficiais para algumas pessoas e sem dúvidas, se informar é importante. Saber direito do que se trata, é fundamental, especialmente por ser algo que quando ocorre por acidentes ou imprevistos notórios, pode levar a pessoa ao óbito.

Principalmente quando trata-se dos dias atuais, a temperatura muda de forma constante e claramente, isso possui influência em nossa saúde e bem-estar. Deseja obter mais informações? Está no lugar certo, não deixe de conferir abaixo mais dados sobre a hipotermia, quais são as causas, sintomas, tratamentos e muito mais!

1) O QUE É HIPOTERMIA?

Quando se fala de uma diminuição da temperatura classificada como normal para o corpo, trata-se de hipotermia, que é em torno de 37,5 °C e neste caso, passa a ficar abaixo de 35°C. A atenção aos sintomas é realmente importante, pois uma das complicações é justamente o óbito.

A temperatura constante ocorre por conta da termorregulação, que consiste em sistemas que regulam a temperatura corporal. Quando há um desequilíbrio deste sistema por fatores como a hipotermia, a capacidade de regulação térmica é comprometida e apesar dos esforços do corpo para manter a parte central, com os órgãos vitais devidamente aquecidos, ele vai perdendo energia.

2) QUAIS SÃO OS TIPOS?

Além das etapas da hipotermia, também existem diferentes tipos, que basicamente se distinguem pela forma como ocorre a queda da temperatura corporal, são elas a subaguda, aguda e crônica. Confira a seguir suas características, incluindo a maneira que se desenvolvem:

  • Hipotermia Subaguda: o corpo vai passando gradualmente para uma temperatura mais baixa, pode ocorrer principalmente quando a pessoa permanece em ambientes frios por um certo período;
  • Hipotermia Aguda: diferentemente da subaguda, é classificado o que apresenta o maior perigo, onde acontece uma queda brusca de temperatura corpórea, por exemplo, quando a pessoa cai em água muito gelada, como em um lago;
  • Hipotermia Crônica: este tipo de hipotermia, pode ser originada por alguma enfermidade por conta de seu agravamento em climas mais frios.

3) QUAIS SÃO AS FASES?

É interessante notar que não existe apenas uma fase da hipotermia, já que ela pode ocorrer com variação na intensidade, diferenciando também o grau de gravidade. Veja a seguir quais são e seus principais sintomas:

  • Hipotermia leve: ocorre quando a temperatura cai em torno de 2 graus, ficando de 32°C a 35°C. Nesta situação, os sintomas são tremores e pode ocorrer algum tipo de dormência em algum membro;
  • Hipotermia moderada: neste caso, a temperatura corpórea passa a ficar de 28°C a 32°C. Os sintomas na hipotermia moderada, geralmente são a diminuição dos tremores, sonolência e o início de confusão mental, podendo ocorrer alucinações e letargia, que é caracterizada pela incapacidade de consciência e reação;
  • Hipotermia grave: se caracteriza hipotermia grave quando a temperatura do corpo está abaixo de 28°C, nesta etapa, pode ocorrer a perda da consciência, dilatação das pupilas, diminuição da respiração e pode até mesmo entrar em estado de coma.

4) PARA QUAIS FINS É USADA NA MEDICINA?

A hipotermia é usada no tratamento de recém-nascidos com encefalopatia hipóxico-isquêmica, contribuindo para a diminuição de 19% o risco de óbito, além da capacidade de aumentar a sobrevida sem paralisia cerebral em 53%.

Por outro lado, ela também pode ser utilizada em casos distintos, como no decorrer de cirurgias neurológicas de grande complexidade, no tratamento de hipertensão intracraniana refratária e proteção neurológica pós-ressuscitação cardiopulmonar.

5) EXISTE TRATAMENTO?

Para um tratamento adequado, o médico analisará os sintomas, incluindo a temperatura do corpo e qual é o estado do paciente. Algumas das técnicas são externas como o uso de mantas térmicas, fluídos quentes e ar aquecido, especialmente no caso de hipotermia mais leves.

No entanto, no caso de hipotermia grave, as mais usadas são as internas onde são necessárias lavagens pleural, peritoneal e gástrica, entre outros procedimentos como o reaquecimento do corpo através de máscaras.

Caso seja possível, remova a pessoa do ambiente de clima frio e cuidado para não dar bebidas muito quentes, pois pode causar um choque térmico. Além disso, o reaquecimento rápido também pode ser danoso, uma vez que pode resultar em arritmia cardíaca ou choques térmicos.

Quando não ocorre sinal de vida, normalmente a ressuscitação cardiopulmonar, também conhecida como RCP, é uma das técnicas aplicadas. No entanto, infelizmente, nem sempre as técnicas de ressuscitação funcionam em casos em que a pessoa passou por uma hipotermia grave e não teve os cuidados necessários o quanto antes.

Lembre-se sempre da importância de contar com uma equipe médica preparada para cuidar do tratamento adequado para a pessoa que apresenta um dos quadros de hipotermia, afinal, a falta de precisão e os erros provocados por impulsos ao tentar aquecer a pessoa a qualquer custo, podem ser fatais.

6) COMO FUNCIONA A PREVENÇÃO?

Naturalmente, a principal forma de prevenção é usar roupas adequadas ao estar em ambientes frios, pois muitas vezes, o isolamento que a roupa proporciona não é o suficiente para proteger as pessoas do frio. Além disso, caso esteja com roupas molhadas devido a chuvas ou outros casos, busque trocar imediatamente para que não ocorra a queda da temperatura interna.

7) EXISTEM COMPLICAÇÕES?

Se não ocorrer o tratamento adequado no caso de hipotermia, especialmente os mais rigorosos, além do óbito e do coma, podem ocorrer outras complicações. Veja:

  • Danos nos vasos sanguíneos;
  • Morte dos tecidos;
  • Arritmias cardíacas;
  • Edema de pulmão;
  • Parada cardíaca ou respiratória.

8) VEJA TAMBÉM AS CURIOSIDADES

Consumo de álcool para aquecer: Algumas pessoas acreditam que o álcool seja capaz de aumentar a temperatura corporal, mas isso não é verdade. Ocorre a vasodilatação no corpo e com isso o aumento do fluxo sanguíneo, mas não se deixe enganar, a sensação pode passar rápido e sem dúvidas não é algo indicado em casos de hipotermia.

Em 1986, ocorreu um caso extraordinário, onde Michelle Funk, com aproximadamente 2 anos de idade, passou mais de uma hora em um riacho gelado e ao ser levada para o hospital, uma técnica de aquecimento extracorpóreo foi utilizada para esquentar a criança e surpreendentemente deu certo. Michelle sobreviveu e sem nenhum dado neurológico.

Tremores: os tremores geralmente são causados por conta dos esforços do corpo para gerar energia e manter uma boa temperatura interna.

Alguns acreditam que é possível perder em torno de 40% de calor pela cabeça, mas isso não é verdade. No entanto, as partes do corpo mais sensíveis a mudanças de temperatura são a cabeça, mãos e pés. O motivo é que são áreas com vascularização periférica muito mais rica.

Bebês também podem ter hipotermia e é fundamental buscar um serviço médico com urgência. Nestes casos, os sintomas podem ser pele fria, apatia, recusar-se a mamar, moleza e o aumento ou até mesmo diminuição da frequência cardíaca. Lembre-se que a perda de calor em bebês ocorre com mais facilidade, por isso que a atenção em mantê-los devidamente aquecidos deve ser redobrada.

Como citado anteriormente, além de não buscar aquecer rapidamente a pessoa que está com sintomas de hipotermia, é importante lembrar que massagear também não é uma boa opção, pois pode levar a complicações mais graves pelo estresse causado em órgãos vitais como o coração e os pulmões.

Saiba Tudo Sobre a Parassonia

Existe um distúrbio do sono responsável por promover comportamentos, alterações no sonho, movimentos peculiares e emoções anormais. Este é chamado de Parassonia.  No geral, a Parassonia atinge as crianças e ao longo da vida adulta ela vai desaparecendo, mas ela pode sim continuar afetando as pessoas mais velhas.

O distúrbio pode aparecer tanto no início, como durante ou no último estágio do sono e para quem sofre com o problema temos duas boas notícias: tem sim tratamento e a seguir iremos esclarecer algumas dúvidas a respeito do assunto, desde os tipos da Parassonia, até as causas, características, tratamentos e prevenção.  Aproveite para conhecer mais sobre os problemas e anote as dicas para se auto ajudar ou ajudar alguém que possa estar sofrendo com o transtorno.

1) TIPOS DE PARASSONIA

A Parassonia pode ocorrer de três maneiras: no início, durante ou ao despertar. Aos tipos classificamos como Sono REM e Sono Não REM.  É durante o sono REM que o distúrbio se manifesta por intermédio de pesadelos, já no caso do Sono Não REM (NREM), destacamos comportamentos como o sonambulismo e falar durante e anoite, que também se encaixa no comportamento sonambulo. Quem sofre com a Parassonia acaba tendo experiências que dão muito medo, não só em quem vive o distúrbio, como também em quem convive com alguém que também sofre dele.

2) CAUSAS

A maioria dos casos de Parassonia não tem uma causa diagnosticada precisamente, até mesmo porque existem vários motivos que podem gerar o distúrbio. Ao contrário do que muitos pensam, é muito raro ela estar associada a transtornos psiquiátricos, inclusive muitos que sofrem disso tem histórico familiar positivo. Lesões cerebrais podem desenvolver sim a Parassonia, mas no geral mesmo, quase nunca se sabe o porquê da ocorrência desse distúrbio.

3) CARACTERÍSTICAS

Como já sabemos, o problema afeta mais comumente as crianças, mas também pode atingir pessoas de qualquer idade. Dentre as mais comuns, destacaremos a seguir para você, as características que delineiam cada uma para te ajudar identificar melhor qual você está sofrendo, se este foro seu caso:

3.1) Enurese Noturna:

Nesse caso, a Parassonia se manifesta principalmente em crianças com histórico de perturbações mentais, principalmente em meninos. Ela também pode afetar adultos jovens ou idosos, em decorrência de doenças tais como a diabetes, a epilepsia, cistite, dentre muitas outras;

3.2) Sonambulismo:

A pessoa sonambula consegue fazer qualquer atividade normalmente no estágio do sono. Em casos simples, o indivíduo apenas senta na cama, as vezes fala algo incoerente e pega o cobertor para voltar a se deitar. Mas nos casos graves do distúrbio, uma pessoa pode se locomover até o seu carro e sair dirigindo na noite. No geral, as pessoas sonambulas apresentam uma face mais rígida e fria, ficam de olhos abertos e falam coisas incoerentes, podendo até confundir passando a impressão de que estão realmente acordadas. Entretanto, no dia seguinte elas não se lembram de exatamente nada, e inclusive, tudo o que elas fazem não ficam registrados como se fosse um sonho.

3.3) Comportamento REM anormal:

Nesse caso, dizemos que a pessoa literalmente faz o seu sonho acontecer, devido um desequilíbrio que acaba acontecendo entre sua atividade mental no sonho e uma falta de inibição motora. Esse é um caso que atinge mais homens e idosos e geralmente os sonhos são de conteúdo agressivo, aumentando a possibilidade de crimes e agressões enquanto o ser dorme.

3.4) Pavor noturno:

Dentre os distúrbios apresentados, este é o mais bem aprofundado e estudado. Nesse caso, ele atinge mais frequentemente crianças e ocorre depois de cerca de trinta minutos de sono, fazendo com que a mesma se sente na cama de forma agitada e aterrorizada, gritando muito. Nada que as pessoas fazem pode acalmá-la e ela não se lembra de nada no dia seguinte.

3.5) Bruxismo:

Mais conhecidos como o ato de ranger os dentes durante o sono, o bruxismo pode promover o desgaste da arcada dentária e fraturá-la, podendo também promover o surgimento de problemas tais como a enxaqueca, causar dor e muitos outros fatores também negativos;

3.6) Síndrome das pernas inquietas:

Como o próprio nome diz, trata-se de um distúrbio que promove uma vontade enorme e incontrolável de ficar mexendo as pernas durante o sono, consequentemente atrapalhando-o. Pessoas que sofrem com isso na maioria dos casos, ficam sonolentas durante o dia, tem um humor mais deprimido, falta de energia e se irritam facilmente. Existem medicamentos específicos que podem desencadear o problema e vale enfatizar que ele pode ocorrer também enquanto a pessoa estiver em simples repouso.

3.7) Distúrbios alimentares:

Durante o sono muitas pessoas podem sofrer de distúrbios alimentares, ou seja, atacar a geladeira durante as noites mesmo estando em sono profundo. Esse problema é um tipo de sonambulismo, que assoado ao desejo consciente do indivíduo provoca alterações comportamentais durante o sono.

3.8) Paralisia do sono:

Ocorre fazendo com que a pessoa não consiga se movimentar durante o sono. A maioria delas relatam que durante a paralisia do sono não conseguem falar, mexer ou reagir mesmo depois de acordarem.

4) TRATAMENTOS

A boa notícia para as pessoas que sofrem com algum tipo de Parassonia, e justamente o fato de existir formas de tratamento, que é indicado quando a Parassonia causa autolesões ou lesões a terceiros, sensação de angústia com relação aos sintomas ou se ela ocorre frequentemente.  Dentre os métodos mais recomendados pelos profissionais para melhorar o distúrbio é justamente mudar os hábitos de sono, determinando horários regulares e precisos diariamente e em alguns casos é preciso controlar os níveis de estresse.

5) PREVENÇÃO

Quando falamos de prevenção estamos nos referindo a questão de danos físicos que o distúrbio pode provocar. Desse modo, que sofre com o problema pode tomar algumas providencias para evitar que algo mais grave aconteça. Basicamente é recomendado que pessoas que sofrem com Parassonia evitem dormir na parte de cima de beliches e próximas a janelas, justamente para evitar alguma queda. É importante também afastar objetos que possam cortar ou machucar e avisar as pessoas que convivem com ela sobre o distúrbio, para que possam se precaver e ajudar caso algo mais sério aconteça.

Saiba Tudo Sobre a Joanete

Quando ocorre o deslocamento do metatarso (tipo de osso), na parte esquerda do pé, bem do lado do dedão, é sinal de que estamos sofrendo de um problema chamado de Joanete. Em outros termos, dizemos que há um calombo na região, devido ao osso que acaba saindo do seu devido lugar. Quem apresenta o problema, sabe que o joanete provoca muitas dores e incomoda bastante. Ele aparece principalmente em decorrência da utilização frequente de alguns tipos de sapatos, como no caso daqueles que possuem saltos altos e bico fino, e em vista disso, é um problema que acaba afetando mais mulheres do que homens.

Raramente o Joanete está relacionado com doenças mais graves, mas pode sim ser decorrente de doenças da articulação ou pelo fato da estrutura ósseo do próprio paciente ter apresentado uma má formação. Em todo caso, existe tratamento e em situações mais relevantes, o paciente pode até necessitar fazer cirurgia. Se você quer para saber mais sobre este assunto, fique atento que o artigo de hoje irá falar sobre os exercícios adequados nesse caso, a cirurgia se necessária e ainda você irá saber se tem ou não cura, bem como as principais causas e melhores formas de prevenção.

1) PRINCIPAIS CAUSAS DA JOANETE

Existem fatores que podem propiciar o surgimento do Joanete e a seguir você irá saber um pouco mais a respeito de cada um:

  • Biomecânicos: Quando existe instabilidade na região biomecânica dos pés, ou seja, quando eles não conseguem se manter planos, ou com uma certa flexibilidade excessiva na região, por exemplo, pode causar o surgimento do problema em questão;
  • Condições artríticas: Nesse contexto, destacamos alguns problemas comuns como a gota e artrites no geral, dando destaque à psicoriática e para o tipo de artrite reumatóide;
  • Fatores ligados a determinadas Síndromes: Destacamos aqui a Síndrome de Down, a de Marfan e a Ehlers-Danlos;
  • Fatores ligados a Distúrbios Neuromusculares: Quanto aos distúrbios neuromusculares que propiciam o surgimento do joanete estão a paralisia cerebral e uma síndrome chamada de Charcot Marie Tooth;
  • Fatores traumáticos: No caso de fraturas maltratadas, luxações e entorses mais graves, as mesmas também podem contribuir para o seu aparecimento.

2) EXERCÍCIOS INDICADOS

É possível realizar alguns exercícios que podem melhorar a dor e o desconforto causados pelo joanete. Dentre eles, destacamos os três principais. No primeiro exercício, basta pegar alguma toalha e deixá-la no chão de forma estendida. Depois você deverá trazer ela para si, utilizando apenas as forças dos seus dedos, repetindo várias vezes o movimento. O segundo exercício é similar ao primeiro, com a diferença de que você deverá tentar afastar a toalha inúmeras vezes, ao invés de tentar trazê-la para você. E por último, você deverá se sentar e levantar uma perna deixando o pé com as pontas dos dedos direcionadas para o teto. Depois gire o dedão em ambos os sentidos (horário e anti-horário), por cerca de quinze repetições de cada lado, lembrando de fazer o movimento com a outra perna também.

3) CIRURGIA

Em casos mais graves é necessário fazer cirurgia para corrigir o Joanete. Por ser invasiva, acaba causando muita dor ao paciente, principalmente após o procedimento e pode também, surgir algumas complicações. O processo de recuperação provavelmente acaba sendo mais demorado, e o paciente deve ficar de repouso, sem andar, por algum tempo, e nesse período pode surgir outras dores na região dos pés. Como o Joanete pode se desenvolver novamente, o indicado é reaprender a pisar após a recuperação da cirurgia, para justamente evitar que isso aconteça.

4) TEM CURA?

A boa notícia é que o Joanete tem cura sim, e a maioria dos seus casos tem tratamento simples e rápido. Apenas em situações mais excepcionais que acaba sendo preciso fazer intervenção cirúrgica para corrigi-lo.

5) COMO EVITAR QUE O JOANTE PIORE?

Para quem sofre com esse problema, pode ficar tranquilo que existem algumas recomendações que você mesmo pode fazer para evitar que o problema piore. Dentre elas você pode começar a:

  • Começar a utilizar palmilhas específicas para problemas ortopédicos: isso deixará o joanete ter ainda menos contato com o calçado;
  • Começar a usar sapatos mais folgados e sem salto: sapatos apertados, de bico fino e salto alto que acabam deformando o pé gradativamente, portanto se você tem joanete deve evitar usá-los para não agravar o problema;
  • Usar um objeto específico para separar os dedos: O ato de separa o dedão do segundo dedo do pé, principalmente no período noturno, irá realinhá-los e deixá-los posicionados da forma correta durante o sono, diminuindo as dores e possíveis inflamações.
  • Usar chinelos dentro de casa: Quando você estiver em um ambiente mais descontraído, como a sua casa, por exemplo, troque os sapatos fechados por chinelos, uma vez que eles diminuem o atrito com a região;
  • Fazer massagem no fim do dia: Comece a fazer massagem nos seus pés, seja com um óleo especial ou um creme de sua preferência, pois isso ajudará a relaxá-lo e diminuirá as dores. Se preferir, você pode mornar água de deixá-los demolho por um tempo que ajudará no mesmo propósito.

Em suma, é muito importante que você procure um profissional para analisar a gravidade do seu Joanete, pois sabemos que ele varia de mais leve, até o mais complicado que pode precisar de cirurgias para corrigi-lo. Seguindo as dicas aqui propostas será mais fácil cuidar dos problemas e depois se livrar dele de uma vez por todas. Então não perca tempo e comece a colocá-las em prática, que você verá ótimos resultados.

10 Principais Doenças Transmitidas pelos Ratos

Os ratos se manifestam próximos aos lugares úmidos como rios, esgotos, lixos acumulados e até mesmo em residências, entre muitos outros locais. Muitas pessoas não sabem do risco que podem sofrer com doenças transmitidas por eles, nas quais são muitas, e bem perigosas sujeita levar a óbito.

Para podermos evitar situações e problemas de saúde, é necessário conhecer mais sobre a inteligência desses roedores, e evitar com que aconteça o pior. Manter a sua residência, canos e esgotos limpos, é um dos principais fatores, evitar papeis velhos jogados (ex: jornais), entulhos que possam se tornar o lar dos roedores, acúmulo de caixas e etc.

O essencial é evitar, mas também deixar claro que a pratica de utilizar o chumbinho é extremamente ilegal. O rato tem as suas artimanhas de se livrar de armadilhas, porém o ato deste produto é agrotóxico e clandestino. A limpeza sempre virá em primeiro lugar e a ratoeira está à venda sem problemas algum.

Este artigo é um alerta para todos nós, além da prevenção, mostraremos dez doenças transmissíveis pelos roedores, cuidado.

Veja Abaixo as 10 Principais Doenças Transmitidas pelos Ratos:

10 Principais Doenças Transmitidas pelos Ratos

1) Arenavírus:

A maioria dos casos está doença é transmitida por roedores adultos. A transmissão pode ser por mordidas ou por materiais infectados. Normalmente, está doença está mais presente em locais agrícolas.

2) Febre hemorrágica de OMSK:

Causada pelo vírus Flaviviridae, um vírus descoberto na Rússia em 1945. É transmitido aos roedores através de picadas de carrapatos ou outro. A transmissão para os humanos podem ser por meio do carrapato ou pelo contato do animal infectado, doente ou morto. Caso isso aconteça, a pessoa pode ficar encubada em um período de três a oito dias.

3) Febre de Lassa:

Descoberta em 1969 na África Ocidental, ela é endêmica e transmitida pelo rato multimático, se não for tratada de imediato, pode levar a óbito.

4) Febre da mordida do rato:

É conhecida como febre de Haverhill, estão presentes na região da América do Norte, África e Europa. A febre é causada por meio das mordidas ou arranhões do rato. É uma doença que precisa ser tratada com urgência, pois pode levar à morte.

5) Hantavirose:

Um síndrome pulmonar transmitido por um vírus. A doença é transmitida por ratos silvestres através da urina ou fezes, também em outros casos, pode ocorrer através da mordida dos roedores ou até mesmo respirar a poeira contaminada, mas esses são casos bastante raros. Os ratos que possuem o vírus são: Rato de cervo; Rato de algodão; e Rato de arroz; São tipos comuns que vivem pela cidade e que só visitam lugares sujos.

6) Leptospirose:

É uma doença bacteriana transmitida pela bactéria Leptospira. Acontece quando a pessoa tem algum contato imediato com a água infectada com fezes ou urina do roedor, entrar em piscinas ou ingerir algum liquido. Os humanos podem ter diferenciados sintomas que podem ser confundidos com outras doenças. Caso não trate da doença, o risco de se tornar meningite ou ocorrer danos nos rins, é grande, pode levar à morte.

7) Meningite Linfocítica:

A doença é transmitida através de um vírus, a mesma situação que outras doenças, contato direto com o roedor. A meningite é uma inflamação nas membranas espinhais e cerebrais. Para evitar a doença sempre verifique o acumulo de bobeiras em casa, nesses locais em que os ratos se habitam.

8) Peste:

Conhecida como peste bubônica é uma manifestação comum, é uma doença que precisa ser tratada com urgência, se não ela se espalha pelas artérias causando a peste septicêmica, e mais tarde passa para os pulmões levando a pneumonia secundária. Os sintomas variam de pessoas para pessoas, ou seja, não há exatamente certeza.

9) Salmonela:

Ou salmonelose está presente no mundo inteiro, é transmitida por uma bactéria cujo nome é o mesmo que o da doença e que está presente nos camundongos. A salmonelose ocorre quando o humano ingere líquidos ou alimentos com resíduos de fezes ou urina dos roedores. Os sintomas geralmente são: diarreia, febre e cólicas. Sempre fique atendo ao que bebe e aos cuidados de sua casa.

10) Tularemia:

Causada por uma bactéria chamada Francisella tularensis, pode ser transmitido ao ser humano através de contato direto com o animal infectado, inalação do local infectado entre outros. Os sintomas variam de pessoa para pessoa.

Fontes:

­http://www.victorpest.com/advice/rodents-101/rodent-dangers/rodent-transmitted-diseases

­http://www.onlinepestcontrol.com/5-diseases-transmitted-rodents-within-home/

­https://www.cdc.gov/rodents/diseases/direct.html

­https://www.orkin.com/rodents/rats/rat-borne-diseases/

10 Benefícios Incríveis de Iogurte Natural para a Saúde

Sabe aquele iogurte natural que você toma no café da manhã ou que se torna um ótimo aliado para lanches rápidos? Então, ele não é apenas um alimento nutritivo e de fácil acesso. O iogurte apresenta diversos benefícios que contribuem para maior qualidade de vida. Quer conhecer? Fizemos uma lista com os principais benefícios que são obtidos com o consumo regular do iogurte.

Confira Abaixo os 10 Benefícios Incríveis de Iogurte Natural para a Saúde:

10 Benefícios Incríveis de Iogurte Natural para a Saúde

1) Probióticos benéficos

Você sabia que o iogurte natural possui probióticos? O número de bactérias consideradas benéficas para o organismo presente no alimento é excelente para quem deseja ter uma vida mais saudável. Essa também é uma boa opção para quem busca regular o intestino.

2) Rico em proteínas

Se você deseja obter uma grande quantidade de proteínas, o iogurte natural é uma boa opção. Estando presente no produto, o iogurte contribui para a saúde do corpo. Consumir junto com a bebida o soro presente nela é uma forma de potencializar os resultados.

3) Fonte de cálcio

Você sabia que o iogurte natural é uma boa fonte de cálcio? Quem deseja obter outras fontes de cálcio pode utilizar o iogurte como uma boa opção. Contudo, é importante verificar a marca do iogurte, tendo em vista que as taxas de cálcio podem variar de acordo com cada produto.

4) Ajuda a prevenir o câncer

De acordo com um estudo publicado pelo Journal of Clinical Immunology, o consumo regular do iogurte natural é excelente para o tratamento e prevenção do câncer de mama. A pesquisa destacou sobre o consumo regular de o alimento ter relação direta com a diminuição do câncer, de forma significativa.

5) Contribui para a saúde dos dentes

Além da pouca quantidade de açúcar presente no iogurte, e que ajuda no controle de cáries, o consumo do iogurte natural auxilia na diminuição do desgaste do esmalte dos dentes e também na saúde das gengivas.

6) Previne infecções

Sabe os probióticos descritos no primeiro item? Eles são os responsáveis por prevenir e também tratar infecções que as pessoas possam vir a desenvolver. Um dos principais exemplos é a diminuição da candidíase.

7) Ajuda a diminuir o colesterol

Os probióticos descritos no primeiro item são também excelentes no combate ao colesterol ruim, isso porque as culturas são responsáveis por realizar a síntese da gordura presente no fígado.

8) Aumenta a imunidade

O consumo regular do iogurte natural contribui de forma expressiva para o aumento da imunidade do corpo. Dessa forma, o alimento é uma ótima opção para quem deseja possuir uma vida mais saudável.

9) Contribui para o aumento de vitaminas no corpo

Potássio, zinco, vitamina B5 são apenas alguns exemplos das diversas vitaminas fornecidas pelo consumo do iogurte natural. Sendo assim, o iogurte pode ajudar de maneira direta no suprimento de carência de vitaminas.

10) Ajuda a emagrecer

Por contribuir para o aumento de cálcio no organismo, o iogurte ajuda a manter o peso em dia. Isso porque as taxas de cálcio contribuem para diminuir a quantidade de cortisol e, consequentemente, contribui para a perda de gordura, realizada pelos aminoácidos.

10 Benefícios Incríveis de Queijo Minas para a Saúde

Existem variedades de queijo no mercado mas o queijo minas é um dos mais saudáveis para a nossa saúde. É um alimento acessível e ótimo para quem está querendo manter uma alimentação mais saudável.

Lembrando que você não deve exagerar no consumo, até porque como qualquer alimento, se consumido em excesso pode causar um aumento indesejado do peso. Preste bem atenção a todos os benefícios e se prepare para inserir um alimento bastante versátil para o seu dia-a-dia.

Confira Abaixo os 10 Benefícios Incríveis de Queijo Minas para a Saúde:

10 Benefícios Incríveis de Queijo Minas para a Saúde

1) Fornece energia

Quem faz academia sabe que uma fatia de queijo branco antes dos treinos dá uma energia incomparável. Por ser um alimento proteico de digestão mais fácil, ele se converte em energia no corpo e te deixa com uma sensação de mais vigor para fazer suas atividades físicas ou tarefas diárias. Por isso é sempre uma das melhores opções para cafés-da-manhã, que já te prepara de forma saudável para começar o dia bem ativo e bem alimentado.

Além de ser ótimo para a saúde dos ossos e dos dentes, o fósforo é um mineral fundamental para quem sofre constantemente com fraqueza, dormências, ou qualquer problema similar. Então, se você se sente indisposto com frequência, talvez esteja faltando um pouco mais de fósforo na sua dieta e para resolver o problema, é só inserir o queijo branco na sua rotina.

2) Protege o corpo dos radicais livres

O queijo mineiro é rico em Vitamina A, que por apresentar antioxidantes, acaba protegendo o nosso corpo dos radicais livres. As nossas células são responsáveis por produzir esses radicais, que ajudam absorver os nutrientes dos alimentos que consumimos e transformá-los em energia para o nosso corpo, mas, se estiver em grandes quantidades, esses radicais livres podem matar as células saudáveis do nosso organismo e por isso, o queijo ajuda a equilibrá-los, pois em quantidades moderadas não prejudicam nossa saúde.

3) Mantém a pele e o cabelo saudável

O queijo branco é rico em Vitamina B que deixará sua pele e seu cabelo mais macios e hidratados.

4) Aumenta a imunidade

Já percebeu que existem pessoas que tem mais facilidade para ficar doentes, do que outras? E isso ocorre porque quando não nos alimentamos de forma equilibrada, podemos acabar enfraquecendo nosso sistema imunológico, e consequentemente temos uma tendência maior para ficar adoentados. Quer deixar a imunidade mais alta? Insira o queijo mineiro na sua dieta, que é rico em vitamina D, e por isso age dessa forma no organismo de quem o consome.

5) Evita retenção de líquido

O queijo branco possui menor quantidade de sódio, que ajuda a prevenir a retenção de líquido no organismo.

6) Fortalece os ossos e os dentes

Rico em cálcio, o queijo também ajudar a fortalecer e manter os seus ossos e os seus dentes fortes e saudáveis, que juntamente com o fósforo presente no alimento, reforça ainda mais os efeitos desses minerais no organismo, pois em conjunto são muito mais fortes.

7) Aumenta a massa muscular

A musculação regular e a combinação de suplementos, são comumente utilizadas por muitas pessoas que desejam ganham massa muscular. Entretanto, não podemos esquecer dos alimentos que também possuem a propriedade de contribuir para a formação dos músculos, como é o caso do queijo minas, que rico em proteína é um grande aliado para quem deseja alcançar esse objetivo.

8) Previne o diabetes

Muitos estudos que foram realizados pela Universidade de São Paulo, confirmaram que pessoas que consomem com mais frequência o queijo branco, tendem a ter menos riscos de desenvolver Diabetes, pois possui baixíssimo nível de gordura e apresenta cálcio em sua composição. Além disso, o queijo ajuda a controlar e estabilizar os níveis de glicose.

9) Combate hipertensão

Assim como a Diabetes, o consumo do queijo minas também foi associado com uma redução significativa de casos de pressão alta e é justamente pela combinação do cálcio com o baixíssimo teor de gordura, que faz com que a pressão arterial seja estabilizada.

10) Ajuda a emagrecer

Quem está doido para emagrecer de forma saudável, precisa inserir alimentos saudáveis e com quantidades moderadas na sua dieta. E na hora de escolher o queijo, você pode optar pelo mineiro, pois além de ser quase isento de gordura, ajuda na absorção da glicose, te dá energia e ainda promove muitos outros benefícios para a sua saúde.

10 Benefícios Incríveis de Jabuticaba para a Saúde

A jabuticaba ou jaboticaba é o fruto de uma árvore de origem brasileira da família das mirtáceas, nativa da mata atlântica.  A jabuticaba-Sabará é o tipo de jabuticaba mais conhecida no Brasil.

O artigo de hoje irá listar os principais benefícios dessa fruta que é rica de minerais e vitaminas que contribuem para a qualidade da nossa saúde.  Se você nunca teve a oportunidade de experimentá-la, aproveite, pois você só irá trazer benefícios para a sua vida se incorporá-la na sua rotina diária.

Confira Abaixo os 10 Benefícios Incríveis de Jabuticaba para a Saúde:

1) Recupera a elasticidade e a firmeza da pele

O primeiro benefício que destacamos é bem visível aos olhos. Sabe aquela pele “bumbum de nenê” que a maioria das pessoas querem? Exatamente, a jabuticaba possui propriedades que deixam a sua pele durinha e lisinha, combatendo eficazmente e prevenido as temidas ruguinhas.

2) Auxilia no emagrecimento

Por seu nível calórico baixíssimo e pouca gordura, a jabuticaba está liberada para quem deseja manter uma dieta saudável para perder peso. Abundante na quantidade de fibras, a fruta te ajuda a emagrecer justamente porque te deixa satisfeito muito mais rápido.

3) Fortalece os cabelos

Você certamente admira os cabelos das celebridades naqueles comerciais de shampoo não é mesmo? Temos uma boa notícia para você que quer ter esses cabelos perfeitos: Os nutrientes presentes na jabuticaba fazem com que eles cresçam de maneira mais saudável e ganhando mais brilho, além de prevenir sua queda.

4) Aumenta a imunidade

Propriedades presentes na fruta, auxiliam na redução da produção de histamina no nosso organismo. Em decorrência disso, o nosso corpo fica muito mais forte imunológicamente, o colesterol ruim diminui e além disso, ajuda a combater os radicais livres.

5) Melhora o sistema digestivo

Dentre uma das frutas mais ricas em fibras destacamos a jabuticaba. Esse nutriente é fundamental para promover a limpeza e a desintoxicação do nosso organismo e também, facilita o papel do intestino na hora de realizar movimentos específicos, prevenindo problemas com prisão de ventre.

6) Previne o câncer

A fruta possui um composto chamado antocianina, que tem propriedades anticancerígenas auxiliando na prevenção, aparecimento e desenvolvimento do câncer, uma vez que combate os responsáveis por prejudicar as células saudáveis e as alterações no DNA: os radicais livres.

7) Melhora a circulação sanguínea

Por que será que é tão importante fortalecer os vasos do sangue? A resposta é simples: Fazer isso te ajuda a prevenir o desenvolvimento de muitas doenças diretamente ligadas a eles, que vão desde varizes até problemas mais graves como o derrame.

8) Alivia a artrite

Para quem não sabe, a artrite trata-se de um problema que promove a inflamação das articulações, causando o surgimento de muitos sintomas tais como dores e dificuldades para se movimentar. Infelizmente é uma doença que ainda não tem cura, mas existem algumas coisas que se pode fazer para diminuir alguns sintomas e trazer um pouco mais de alívio. A jabuticaba possui propriedades anti-inflamatórias e é por isso que ela ajuda a aliviar problemas que estão relacionados com inflamação em si, como é o caso da artrite.

9) Fortalece os ossos

É muito importante que tenhamos uma dieta equilibrada, e isso inclui consumir alimentos ricos em magnésio, cálcio e fósforo, que são os responsáveis por garantir a saúde dos ossos, deixando-os mais fortes. A fruta em questão é repleta de tais nutrientes e por isso pode ser aliada de quem quer prevenir problemas futuros como a osteoporose.

10) Protege contra diabetes

Mais um benefício dos muitos que a fruta oferece é a prevenção da Diabetes. A doença é basicamente o aumento descontrolado dos níveis de açúcar no sangue, e quem sofre com ela muitas vezes precisar tomar insulina para regular a glicose e ainda cuidar da alimentação restringindo muitos tipos de alimentos. Diabetes é doença grave e se não for tratada pode levar à morte, em vista disso devemos nos prevenir mantendo uma alimentação equilibrada e fazendo exercícios físicos com regularidade.

Portanto, não perca tempo e insira a jabuticaba na sua rotina, pois além dos benefícios supracitados, ela previne o surgimento dessa doença, visto que a combinação do seu baixo teor calórico com a grande quantidade de fibras, promovem a redução dos níveis de glicose no sangue.