Fones de Ouvido Podem Causar Perda Auditiva e Zumbido

Embora muitas pessoas gostem de colocar o volume dos seus fones de ouvido no máximo, especialistas da Universidade de Leicester, na Inglaterra, mostraram evidências que ligar o volume de seus fones de ouvido muito alto pode danificar o revestimento das células nervosas, eventualmente causando surdez temporária.

Ouvir música alta por menos de 1 hora e meia produz mudanças significativas na capacidade auditiva, que pode colocar em risco os ouvintes a perdas auditivas. Enquanto os estudos alertam que os alto-falantes de alta potência e fones de ouvido tornam mais fácil para as pessoas ficarem expostas a níveis de ruído potencialmente prejudiciais em shows, concertos ou durante o uso mp3 players.

“Quando se trata de música alta, em particular música amplificada, não se sabe se as mesmas medidas utilizadas para o ruído industrial irão descrever com precisão os efeitos sobre a audição e o risco que estes comportamentos representam”, diz Dr. Ordonez. De acordo com os pesquisadores, os níveis de ruído semelhantes aos dos níveis de jato pode ser ouvida em fones de ouvido pessoais se forem altos o suficiente.

Os cientistas já sabiam que a surdez temporária e zumbido podem ser causados por ruídos mais altos do que 110 decibéis. Este estudo, publicado na Revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, é o primeiro a examinar como esses barulhos causam danos subjacentes às células.

De acordo com pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, de Israel, o uso de fones de ouvido em volume alto pode levar à perda auditiva precoce entre os adolescentes. Um em cada quatro adolescentes está em risco de desenvolver perda auditiva por causa do uso constante de fones de ouvido.

Os resultados desse estudo, publicado no Jornal Internacional de Audiologia, mostram claramente que o uso de iPods, smartphones e outros dispositivos de MP3 pode ser prejudicial à audição dos adolescentes.

“Daqui 10 ou 20 anos, será tarde demais para perceber e tratar uma geração inteira de jovens começou a apresentar problemas auditivos muito mais cedo do esperado do envelhecimento natural”, diz o professor Chava Muchnik na Faculdade de Medicina de Sackler e do Sheba Medical Center, ambos pertencentes à Universidade de Tel Aviv.

A perda de audição em seus 30

Uso constante de tocadores de MP3 submete o adolescente à exposição contínua a música alta, o que pode levar a perda auditiva lenta e progressiva. Portanto, as pessoas só descobrem o efeito do dano depois de muitos anos. Ou seja, em um momento em que o tratamento torna-se mais difícil, caro e, em alguns casos mais extremos, a situação pode ser até irreversível.

Os adolescentes que colocam o volume muito alto, podem começar a ter a sua audição deteriorada a partir de 30 ou 40 anos, e isso é muito mais cedo do que em gerações anteriores, adverte o Prof Muchnik.

Riscos causados pela música alta

Para investigar o potencial risco entre música alta e a saúde, a equipe mediu sons conhecidos como “emissões otoacústicas” como um índice da função auditiva. Estes são sons gerados dentro do ouvido interno, em resposta a estímulos de som, e eles podem ser medidos nos canais de orelha de pessoas que têm audição saudável. A pesquisa mostra que as emissões otoacústicas desaparecem quando o ouvido interno está danificado.

Neste estudo, os pesquisadores mediram as emissões otoacústicas para avaliar mudanças na capacidade auditiva antes e após a exposição à música amplificada, testando este método em um ambiente de show ao vivo. Comparando como estes dois conjuntos de medidas mudaram após uma exposição de som com os parâmetros acústicos da música amplificada pode-se conduzir a uma melhor compreensão de como a audição é afetada.

Resultados do estudo

Surgiram duas conclusão importantes com os resultados:Uma é que é possível medir as mudanças na audição após exposições de duração relativamente curtas, menos de uma hora e meia. A segunda é que existem notáveis diferenças individuais em níveis de exposição de som, bem como nas alterações em emissões otoacústicas produzidos por condições de exposição semelhantes.

As próximas etapas de trabalho da equipe incluem aperfeiçoar seus métodos de medição e descrição dos efeitos biofísicos e mecânicos que os níveis sonoros de música têm sobre os indivíduos. Em última análise, eles esperam para fornecer dados e argumentos científicos em que o estabelecimento de critérios de risco de dano para a exposição de som musical.

Um estudo britânico revela que oito em cada dez não têm considerado que podem prejudicar sua audição ou ter zumbido aumentando sua música.

A organização de caridade internacional “Action” realizou uma pesquisa sobre perda auditiva envolvendo 1.000 britânicos. Surpreendentemente, 80% deles não sabiam que podem prejudicar sua audição ouvindo música alta.

O estudo feito na Univerisdade de Tel Aviv (Israel)

A estatística começa a preocupar cada vez mais os jovens. Estudo da Universidade Tel Aviv (Israel), divulgado na revista científica “International Journal of Audiology”, revela que um em cada quatro adolescentes corre o risco de sofrer perda auditiva. A causa disso? Horas e horas com fones de ouvido no volume máximo. A constante utilização pode trazer sérios danos a vida dos adolescentes. O que mais preocupa é que os sintomas começam a aparecer aos poucos e as chances de recuperação são cada vez menores, se não for cuidada desde cedo.

A primeira parte do estudo consistiu de 289 participantes com idades entre 13-17 anos. Eles foram convidados a responder a perguntas sobre seus hábitos com relação a dispositivos eletrônicos de música – mais especificamente, qual é o volume que preferem ouvir música e por quanto tempo a ouvem.

Na segunda parte do estudo, esses níveis de volume e durações foram utilizados num teste envolvendo 74 adolescentes em ambientes ruidosos e silenciosos. O nível de ruído medido foi usado para calcular o risco potencial de danos à audição com base nos critérios estabelecidos pelas regulações de saúde industrial e segurança.

Segundo o Prof Muchnik, as conclusões do estudo são preocupantes. 80% dos adolescentes usam seus “gadgets” regularmente, com 21% escutando 1-4 horas por dia, e 8%, para mais de quatro horas de forma consecutiva. Tomados em conjunto com os resultados das medições acústicas, os dados indicam que um quarto dos participantes está em risco grave de perda auditiva.

Principais dados do estudo:

  • 83% sofreram zumbido.
  • 19% se preocupam um pouco sobre isso – o resto não se preocupa com o zumbido.
  • 87% ouvem música no mp3 players ou dispositivos similares.
  • 76% não sabem que os regulamentos da UE dizem que os MP3 players devem ter um volume máximo de 85dB como configuração padrão.
  • 34% substituiriam a configuração de 85dB.
  • 80% mudariam seu comportamento auditivo se eles soubessem o quanto estão prejudicando a audição por exposição a música alta.

Necessidade de critérios para diminuir os riscos em ouvir música

Normas de segurança e de saúde relacionada à indústria são atualmente a única referência para medir o dano causado pela exposição contínua ao ruído em volume alto. No entanto, de acordo com o Prof Muchnik, existe uma necessidade crescente de critérios para minimizar o risco de ouvir música para prevenir a perda auditiva.

Enquanto isso, ela espera que os fabricantes possam incorporar normas europeias em seus produtos que estabelecem um limite de 100 dB em tocadores de MP3. No presente momento, alguns players de MP3 podem tocar até 129dB.

Abaixar o volume quando estiver usando os fones de ouvido!

Em grupos de discussão com estudantes de duas escolas na Holanda, pesquisadores constataram que os adolescentes, em geral, estão cientes de que aumentar o volume de fones de ouvido no máximo pode prejudicar sua audição. No entanto, a maioria dos jovens diz não se preocupa em mudar isso.

Como muitos adolescentes, os estudantes negaram o risco pessoal que sofrem. Na publicação do Journal of Pediatrics os pesquisadores afirmaram que a maioria conhece os perigos de ouvir música alta, mas acreditam ter “baixa vulnerabilidade” a perdas de audição.

Diante disso, o pesquisador Ineke Vogel disse à Reuters Health em uma entrevista por e-mail, “recomendamos que os pais informem e discutam com seus filhos o uso de fones de ouvido e as potenciais consequências irreversíveis para a audição futuramente.”

Como prevenir?

1) Como ouvir música sem prejudicar a audição?

MP3 player “deve ser configurado com o volume mais baixo possível para que a música possa ser entendida confortavelmente. Procure escolher o volume de 50 a 60% da potência máxima”, diz a Dra. Sharon Curhan, que revelou que 1 em cada 5 adolescentes sofre de algum tipo de perda auditiva. Se for ouvir música com volume alto, faça por períodos mais curtos de tempo, pois, quanto mais alto, menor o tempo seguro para se expor ao som.

2) Volume pode prejudicar audição

Já percebeu como você tem que aumentar o volume para manter a mesma sensação da música que inicialmente sentiu quando começou a ouvir? “Isso é devido à contração dos músculos minúsculos no ouvido que limitam o quanto os pequenos ossos do ouvido pode se mover, diminuindo, assim, a transmissão de vibrações sonoras ao ouvido interno, onde os sons são detectados”, explica Curhan. “A exposição à música alta resulta no que é chamado de mudança temporária do limiar e pode prejudicar a audição”.

Com o tempo, o ouvido torna-se menos sensível ao ruído e o tempo que ele tem para recuperação varia. Dê tempo aos seus ouvidos para descanso. Fique em silêncio. Depois de show de rock, o nível de saturação de seu tímpano fica no limite, seus ouvidos podem precisar de mais de um dia para se recuperarem. Eles estão tentando dar-lhe um sinal de que eles estão sendo abusados.

3) Não aumente o volume para abafar o ruído do ambiente

Embora possa não parecer muito, aumentar o volume para bloquear o ruído ambiente, faz a diferença para seus ouvidos. É mais comum fazer isso no metrô, quando o ruído é muito alto e você passa a não ouvir bem a música. Isso não deve ser feito, pois, pode prejudicar audição. Como diz Curhan, “Muitas vezes, o fator que leva a aumentar o volume não é a adaptação sensorial, mas sim, a presença de um ruído ambiental”.

Especialistas recomendam o uso de fones de ouvido que bloqueiam o ruído que se ajustam perfeitamente no ouvido ou, ainda, que bloqueiam eletronicamente o som ambiente, para não prejudicar audição. Se o seu par de fones de ouvido novo não tem esses recursos, vale a pena ir para uma loja de eletrônicos.

Pais, fiquem atentos!

De acordo com Vogel e o co-pesquisador Dr. Hein Raat, ambos da University Medical Center Rotterdam, os pais também podem procurar por sinais de problema de audição: quando um adolescente se queixa de zumbido nos ouvidos ou de sons abafados. No entanto, com base nas discussões em grupo, muitos pais podem não estar cientes dos riscos auditivos decorrentes de fones de ouvido, observam os pesquisadores.

Dos 73 estudantes envolvidos no estudo, poucos disseram que seus pais os haviam alertado de que ouvir música alta poderia danificar sua audição. Também pode ser necessário que os próprios fabricantes de fones de ouvido realizem mudanças, disseram os pesquisadores em seu relatório.

Muitos estudantes afirmaram não saber como dizer quando seus MP3 players eram muito barulhentos. Volumes iguais ou superiores a 90 decibéis (dB) são considerados perigosos, observa Vogel, mas os níveis de ruído que chegam entre 120 dB e 140 dB podem se tornar desconfortáveis ou dolorosos. De acordo com os pesquisadores, os fabricantes poderiam equipar os MP3 players com um indicador que mostra o nível de volume em termos de decibéis, juntamente com um sinal – como uma luz intermitente – que se apaga quando os níveis de decibéis alcançarem a zona de perigo.

Baixe o software Hearing Guardian v1 no seu celular e previna-se agora!

Por enquanto, Vogel e seus colegas recomendam que, como uma “regra de ouro”, os usuários de fones de ouvido definam o volume não superior a 60% da sua capacidade total quando usar os fones de ouvido, como aqueles que vêm com os iPods. Assim como existem normas de segurança para exposição ocupacional ao ruído, Vogel e seus colegas sugerem que mais estudos em longo prazo sejam necessários para desenvolver as diretrizes de segurança para a exposição ao ruído no “lazer”.

Use o software para computador Hearing Guardian v1. Depois de ouvir música muito alto é provável que alguma região das células ciliadas da cóclea esteja danificada de tanta pancada. O aplicativo descobrirá quais as regiões foram prejudicadas e gerará sinal para condicionar e estimular as células ciliadas prejudicadas na cóclea. Você sentirá a diferença em alguns dias de uso dependendo da gravidade.

Leia também o artigo como a balada ou show pode causar danos na sua audição.

Fonte:

http://www.hear-it.org/MP3-players-put-teens-at-risk-of-early-hearing-loss

http://www.reuters.com/article/2008/03/26/us-teens-risks-mp-idUSLAU68250

http://www.medicalnewstoday.com/articles/249646.php

http://www.sciencedaily.com/releases/2012/05/120508152005.htm

http://www.hear-it.org/Unawareness-Loud-music-can-damage-your-hearing

TOP 20 Alimentos Viciantes e Como Fugir do Vício

É fato que o desequilíbrio na alimentação, pode gerar consequências que atuam de maneira negativa na saúde. Existem alguns alimentos viciantes e é necessário tomar cuidado com eles, buscando cada vez mais por hábitos alimentares saudáveis. Não são só refrigerantes, café e hambúrguer que geram vício, a lista pode ser realmente extensa.

O vício alimenta a compulsão e pode gerar um descontrole notável. Não se preocupe, existem maneiras de obter um maior controle e descobrir como melhorar o equilíbrio alimentar.

Confira a seguir 20 alimentos viciantes e como fugir do vício:

TOP 20 Alimentos Viciantes e Como Fugir do Vício

Chocolate

O alto consumo de chocolate não é só na páscoa, muito pelo contrário, algumas pessoas realmente alimentam esse vício o ano todo. Este alimento possui seus benefícios para a saúde, porém, a compulsão pelo doce, pode acarretar em problemas no peso, na pele, gordura nas artérias e até mesmo socialmente, em momentos de consumir ou de sentir falta extrema do chocolate.

Pizza

Hoje em dia, dependendo do lugar, não é difícil encontrar opções variadas de pizzarias. Principalmente nas grandes cidades, elas estão por todo o lugar. Acredita-se, especialmente de acordo com estudos realizados, que a pizza é um dos alimentos mais difíceis de se combater o vício.

Sorvete

Já ouviu algum amigo brincando que é viciado em sorvete? Assim como todos os alimentos deste artigo, é possível se viciar também em sorvete! Em 2012, o Instituto de Pesquisa do Oregon analisou o perigo que alimentos muito doces e gordurosos trazem para os humanos.

Um dos fatores observados em relação ao vício, foi um grau maior do sentimento de satisfação em pessoas que não haviam consumido sorvete em dias anteriores, do que naqueles que haviam consumido.

Cheeseburger

O cheeseburger está na lista de lanches mais encontrados e procurados em fast foods. Assim como outros alimentos citados neste texto sobre 20 alimentos viciantes e como fugir do vício, o cheeseburger, quando consumido frequentemente e em excesso, pode acarretar em danos para a saúde, principalmente para o peso e saúde arterial.

Refrigerante

O que boa parte dos alimentos deste artigo têm em comum, além de serem viciantes? Muitas pessoas consomem eles com refrigerante! No entanto, a bebida não leva benefícios à saúde e constantemente é relacionada com a obesidade por causa do excesso de calorias e sensação de fome que pode surgir ao ingerir.

Bife

Em estudos realizados sobre os alimentos mais viciantes, o bife está fortemente presente. O vício em carne é muito ressaltado especialmente pelos veganos. No entanto, é interessante notar que qualquer tipo de exagero na alimentação, pode causar um desequilíbrio que não favoreça a saúde, nem cultive hábitos favoráveis.

Salgadinhos

Os salgadinhos, muitas vezes, são apresentados nos primeiros anos da infância. O problema, é que em alguns casos, um vício acaba surgindo e causando problemas, especialmente de hábitos alimentares ruins e de peso.

Batata Frita

Com composição repleta de carboidratos e gorduras, a batata frita promove a sensação de prazer,  o que acaba contribuindo para um alto consumo e até mesmo o vício. Em uma universidade na Alemanha, um estudo associou o alimento à ativação de um mecanismo de recompensa no cérebro de ratos.

Com uma produção maior de serotonina, a sensação de bem-estar é promovida, mas isso não significa que o alimento seja saudável, muito menos o vício nele.

Bolo

A compulsão também pode estar ligada aos bolos. A cada dia mais, novos tipos e combinações de sabores com coberturas são criadas. Nem todo mundo reserva a hora de comer bolo só para datas especiais, muito pelo contrário, algumas pessoas contam com um verdadeiro vício.

Cupcakes

Os cupcakes são basicamente pequenos bolos, muitas vezes recheados e/ou com cobertura. Quantas pessoas conseguem comer apenas um? O problema vai além disso, este é um dos alimentos que aparecem nas listas de mais viciantes. É importante manter o equilíbrio e evitar uma má nutrição.

Ovos

Apesar de contribuir com benefícios na saúde, até mesmo para quem quer perder peso, o ovo é um dos alimentos que entram para a lista de viciantes. Para quem não dosa bem a quantidade de sal, o vício piora ainda mais.

Biscoitos recheados

Uma pesquisa americana realizada por um professor e alunos da Conecticut College, indica que o biscoito da marca Oreo, que tornou-se famoso nos últimos anos, estimula o cérebro, promovendo sensações de prazer. No entanto, outras marcas também são altamente consumidas e podem levar ao vício.

Doces no geral

Várias pesquisas já apontaram e continuam apontando como o alto teor de açúcar e gordura causam efeitos cerebrais relacionados muitas vezes com as drogas. Por isso, que é fundamental tomar cuidado com a alimentação, não apenas com os alimentos doces e os outros citados neste artigo, como também nos excessos. A compulsão por doces pode ser muito forte e deve ser levada a sério.

Café

O café não necessariamente traz malefícios à saúde, a não ser para quem possui problemas no estômago, osteoporose avançada ou insônia. No entanto, a bebida pode levar ao vício e é importante manter o equilíbrio.

Pipoca amanteigada

A pipoca amanteigada não faz parte da preferência de algumas pessoas apenas no cinema. Esse é mais um dos itens presentes em listas de alimentos viciantes, com o qual também se deve ter cautela para consumir de forma consciente, especialmente pela gordura presente na manteiga.

Salgados Assados

Os alimentos processados, como os salgados assados que muitas vezes são comprados congelados para fritar ou apresentam um alto teor de gordura, entre outros componentes, podem viciar. Além disso, podem contribuir com o aumento de peso.

Pão francês

O carboidrato presente no pão, apesar de ser simples, conta com uma rápida digestão, o que pode acabar promovendo a sensação de falta de saciedade. Dessa maneira, as pessoas podem acabar consumindo mais do que o necessário.

Frango Frito

Sal e gordura? São dois componentes presentes em boa parte dos alimentos desse artigo e essa combinação é capaz de ser adorada por muitas pessoas. No entanto, além de adorada, é uma combinação que a adoração chega ao nível do vício. Um vício que pode causar sérios problemas de saúde, especialmente cardiovasculares.

Bacon

Por mais que tenha um grande número de fãs, o bacon – alimento gorduroso presente em diversos lanches e até mesmo em cafés da manhã ou lanches da tarde-, pode trazer malefícios para a saúde ao ser consumido com frequência, incluindo a pré disposição a complicações envolvendo o excesso de gordura.

Queijo

Um estudo realizado pela Universidade do Michigan, nos Estados Unidos afirmou que o queijo é um dos alimentos viciantes. Um dos motivos, é a presença de caseína, encontrada em produtos originados do leite. Além disso, o queijo está presente em diversos alimentos, incluindo em pizzas e cheeseburgers, por essa razão, o cuidado deve ser redobrado.

Como se livrar dos vícios?

Agora que você já viu quais são 20 alimentos viciantes, está na hora de descobrir algumas dicas para se livrar desses vícios e obter uma alimentação mais equilibrada, longe dos exagerados que podem ser tão maléficos para a sua saúde. Confira a seguir:

  • É fundamental, a princípio, identificar quais são seus vícios, observar a frequência, quantidade de consumo e como se sente ao ficar sem;
  • Não adianta querer cortar de vez cada vício, é fundamental substituir pouco a pouco um hábito por vez. Dê a chance do seu corpo se adaptar e recuperar;
  • Busque sensações de bem-estar por meio de outras coisas, faça exercícíos, escute músicas, entre outras diversas opções, mantenha-se ativo;
  • Procure por opções mais nutritivas, que possam contribuir com a sua saúde;
  • Busque orientação médica para obter direções de quais alimentos são mais favoráveis para as suas necessidades;
  • Não se esqueça, principalmente por causa do refrigerante, de tomar água, outra opção boa também são os sucos naturais para a substituição da bebida gaseificada.

Saiba Tudo Sobre os Principais Tipos e Sabores de Vinho

O vinho é uma bebida que atrai muitos apaixonados e até mesmo os que não entendem muito sobre o assunto. São inúmeros tipos e sabores, são tantas diferenças que encantam e que requerem atenção para você saber qual o vinho ideal para o seu jantar, almoço ou comemoração. Aprenda e entenda mais sobre os vinhos de uma maneira mais simples.

Aos que entendem: compreenda ainda mais sobre essa bebida famosa que os atrai e que combina com momentos importantes e por muitas vezes românticos. Aos que não entendem: aprenda os tipos de uva, cores, sabores e surpreenda amigos, familiares e até o seu par.

I) Tipos de uvas e essências

1) Carbenet Sauvignon

A uva Carbenet Sauvigon é a mais utilizada nos vinhos tintos de todo o mundo. É de origem francesa, cultivada na região de Bordeaux e também em países como Argentina, Chile, Estados Unidos e Brasil. Esse tipo de vinho possui alta longevidade, estrutura, robustez e são vinhos encorpados, possui uma tonalidade violeta. Pode acompanhar queijos, filés, bacalhau e carnes.

2) Merlot

A uva Merlot São criadas em diferentes lugares do mundo, e sua origem é de Bordeaux, na França. Essa uva da origem ao vinho seco, encorpado, com cor intensa e acidez baixa fazendo com que produza bebidas macias com aroma e sabores frutados, ótimo para ser ingerido quando jovem. Com sabor adocidado, o vinho Merlot acompanha pratos leves quando jovem e combina com grelhados, queijos bem temperados, strogonoff de carne quando mais velho.

3) Malbec

Originária da França, a uva Malbec foi difundida em outros países, principalmente na Argentina, a maior produtora dessa uva. Com essas uvas o vinho recebe um aroma frutado, encorpado e com uma acidez balanceada, o vinho possui um caráter macio e aromático, com um leve sabor de flores e especiarias. O vinho Malbec é uma ótima opção para acompanhar massas, aves e carnes assadas.

4) Carménère

Como a maioria das uvas, a uva Carménère também é de origem francesa, de Bordeaux. Apesar de ser típica na região ela é mais comum em região chilena com a cepa considerados um dos melhores do mundo. Essa uva possui um vinho bem encorpado e, ao contrário dos outros vinhos franceses, ela possui um leve aroma apimentado com sabor frutado.

5) Pinot Noir

A uva Pinot Noir é originária da Borgonha e uma das uvas mais populares da França, mas é cultivada em diversos países. É a uva que faz o vinho Romanée-Conti, um dos mais prestigiados e caros do mundo, a uva é de de difícil e cara produção. Essa uva é responsável por vinhos secos e suaves, discretos, com tom sofisticado e único, possui cor violácea e possui com aroma de morango ou framboesa. O vinho Pinot Noir possui corpo médio e é ideal para acompanhar frutos do mar, massas, fondues e aves.

6) Syrah

Francesa e originária do Vale do Rhône, a uva Syrah se adaptou bem em vários países, como a Austrália, Argentina e Uruguai. Essa uva produz um vinho de cor intensa e com um aroma com especiarias e defumados, e caracteriza um sabor frutado. Produz um vinho tinto com forte e longa vida, podem ser guardados por no mínimo três anos e ser desfrutados durante as refeições.

7) Tannat

Originário do sul da França, a uva Tannat se adaptou muito bem no Uruguai. O vinho possui sabor frutado, com passagem pelo carvalho o que lhe faz ter equilíbrio e complexidade. É uma uva que caracteriza um vinho encorpado, com características que fazem com que ele seja saboreado após o envelhecimento, sendo mais suaves. É um vinho ideal para acompanhar pratos fortes, como carnes vermelhas e queijos com forte sabor.

8) Tempranillo

De origem espanhola e muito usado em vinhos portugueses e em argentinos, o vinho Tempranillo possui corpo médio e sabor frutado com aroma de ervas e especiarias. Ao ficarem envelhecidos eles podem obter notas de baunilha. Com uma boa acidez e encorpados o vinho se encaixa perfeitamente com carnes defumadas ou grelhadas, queijos, massas e até pratos da cozinha mexicana.

9) Chardonnay

Uva francesa, originária da Borgonha, responsável por produzis os mais famosos vinhos brancos e espumantes do mundo. O Chardonnay produz vinhos encorpados, macios e elegantes, ainda mais quando produzidos em terras francesas. Quando fermentado e amadurecido em toneis de carvalho o paladar se torna mais suculento. O vinha harmoniza com queijos de leite de casa, de búfalo e de cabra, desde os macios até os semiduros.

10) Sauvignon Blanc

Os Sauvignon Blancs mais conhecidos são originários do Loire, na França – Sancerre e Poully Fumé. A Nova Zelândia também produz ótimos vinhos a partir dessa uva. A maioria dos vinhos feitos a partir desta uva são em grande parte brancos, com uvas novas e secos, feitos para serem bebidos o quanto antes. O vinho possui sabor e aroma intenso, características de capim e groselha, com uma boa acidez.

II) Conheça as classes dos vinhos e seu teor alcoólico

  • Vinhos de mesa – possui uma graduação alcoólica de 10° a 13°g/l.
  • Vinhos Leves – possuem sua graduação alcoólica ente 7 a 9,9% do total de seu volume.
  • Vinhos Finos e nobres – sua graduação que pode variar entre 8,6 a 14,0% do seu volume.
  • Vinhos Espumantes Natural – a graduação alcoólica varia de 10 a 13%.
  • Vinhos Moscatel Espumantes ou mostro Espumante – seu conteúdo alcoólico varia de 7 a 10%.
  • Vinhos Frisantes – contém teor alcoólicos entre 7 a 13%.
  • Vinhos Gaseificados ou Filtrado Doce – apresenta um conteúdo alcoólico entre 10 a 13%.
  • Vinhos Licorosos – do seu volume total contém conteúdo alcoólica natural ou adquirido em 14 a 18%.
  • Vinhos Compostos – seu teor alcoólico é de 15 a 18% em volume.
  • Vinhos licorosos – a concentração alcoólica de 14 a 18° GL.
  • Vinhos compostos – sua concentração alcoólica varia entre 15° a 20° GL.

III) Confira o teor de açúcar do vinhos

1) Doce

O  vinho doce é feito com açúcar natural da uva após fermentação e não se transforma totalmente em álcool. Se você deseja começas a tomar vinhos, o vinho doce é ideal para você se familiarizar com essa bebida. É um bom acompanhamento para sobremesas. Ele é serviço em taças menores devido ao seu alto teor alcoolico.

2) Suave

Vinho com sabor doce exaltado, tendo concentrações acima de 20,1 gramas de açúcar por litro

3) Seco

O vinho seco é vinho no qual não se encontra adição de açúcar. Durante sua fermentação todo o açúcar – ou quase todo-  é transformado em álcool, ou seja, o teor de açúcar é tão baixo que se torna quase imperceptível, possuem até 5 gramas de açúcar por litro. Este é o vinho que mais tomamos no dia a dia.

4) Semi-Seco ou Meio Seco

Vinhos que começamos perceber o sabor doce, possuindo de 5,1 a 20,0 gramas de açúcar por litro.

5) Fortificado

São vinhos que possuem adição de aguardente vínica com função de interromper a fermentação e aumentar o teor alcóolico. Quase não apresentam sabor doce, possuem de 0 a 5 gramas de açúcar por litro.

IV) Conheça os tipos de vinhos

1) Vinhos tintos

São vinhos que se caracterizam por sua cor avermelhada em diferentes tons, devido aso fato de serem fermentador com a casca da uva. Quanto mais clara a sua tonalidade mais leves e de mais rápido consumo – como o Beaujolais Nouveau da Bourgogne francesa, já os mais escuros devem ser armazenados e envelhecidos – como o Cabernet Sauvignon da Califórnia.

  • Vermelho-púrpura: são tintos muito jovens e apresentam um equilíbrio acidez-tanicidade-maciez, é mais favorável aos dois primeiros.
  • Vermelho-rubi: são jovens a pronto, possuem acidez-tanicidade-maciez com um discreto equilíbrio.
  • Vermelho-granada: são vinhos que sofreram algum envelhecimento, possuem equilíbrio acidez-tanicidade- maciez, tende mais à maciez.
  • Vermelho alaranjado: são vinhos tintos que sofreram um grande envelhecimento. Possuem um equilíbrio acidez-tanicidade-maciez, mais favorável à maciez. Esse tipo de tonalidade pode ser considerada ruim se encontrada em vinhos mais jovens.

2) Vinhos Brancos

Os vinhos brancos são fermentados sem a casca da uva, por isso apresentam uma cor amarelada, muitas vezes com tons esverdeados e dourados. São feitos com uvas não muito maduras e buscam assegurar uma maior carga de acidez, tento um frescor gustativo. Pode ser dividido em Branco Seco e Branco Doce.

  • Amarelo-esverdeado: jovens, ligeiros, frescos e brilhantes. Possui equilíbrio acidez-maciez, sendo mais ácido. Normalmente são obtidos a partir de uvas colhidas antes de sua maturação e que sofreram alguns processos como filtração, clarificação. Os reflexos verdes podem diminuir depois de um ano de sua produção.
  • Amarelo-palha: é a cor dos brancos jovens que possuem um balanceamento entre acidez-maciez bem equilibrado. São obtidos a partir de uvas colhidas durante a maturação, apresentam boa concentração de açúcar.
  • Amarelo-dourado: possuem equilíbrio acidezmaciez, e tendem à maciez. São feitos de uvas bem maduras. A coloração também pode também obtida de maneiras diferentes como a maturação em barris de carvalho.
  • Amarelo-âmbar: possui equilíbrio acidez-maciez, sendo mais favorável à maciez. Normalmente são feitos a partir de técnicas que produzem vinhos licorosos.

3) Brancos Secos

São geralmente feitos com uvas brancas (casca verde). Em sua maioria são jovens e frescos e mais simples – não possuem profundidade de aromas e sabores, como os Bordeaux brancos, Aligoté e Mâcon e dos italianos Frascati e Verdicchio. Podem ser frutados e aromáticos como os melhores alemães do Reno e Mosela e os franceses da Alsace. Também há os encorpados e aromáticos que são maturados em barris de carvalho..

4) Brancos Doces

São chamados de vinhos de sobremesa, o açúcar deste tipo de vinho vem da própria uva. O mais famoso é o Sauternes, da região de Bordeaux.

5) Rosés

Produzidos com uvas tintas, cuja casca é retirada no meio do processo, de forma que tinja apenas levemente o vinho. São produzidos na França, no vale do Rhône (Tavel) e no vale do Loire (Rosé d’Anjou)

  • Rosado ou rosa tênue: é o termo usado para descrever vinhos rosados que lembram a cor da flor do pêssego. Por ser obtido de uvas tintas ele assume na juventude reflexos violetas. Pode ser obtido de uvas com pouca cor e, dessa maneira, terá cores que remetem à casca da cebola.
  • Cereja: a cor do vinho lembra cerejas e o seu reflexo podem ir do violeta ao alaranjado, assim monstra o grau de maturidade do vinho.
  • Clarete: Possui uma cor entre rosado e tinto, é como um vinho tinto com pouca intensidade de cor. Normalmente possui uma boa vivacidade de cor, com reflexos violeta no primeiro ano, podendo perder o frescor depois de dois anos de produção se tornando mais alaranjado.

6) Espumantes

Feitos de uvas brancas ou tintas, resulta muitas vezes em um vinho branco ou rosé, com gás. O melhor exemplo é o feito na região francesa de Champagne.

7) Fortificados

Produzidos como vinhos de mesa, possuem adição de álcool e são mais doces com maior durabilidade. É o caso do vinho do Porto e do Madeira, de Portugal e de vinhos degustados em sobremesas, como os franceses Muscat de Beaunes-de-Venise e o português Moscatel de Setúbal.

A aparência de um vinho pode nos dizer muito – sobre idade, sanidade, corpo, viscosidade, acidez, efervescência, adstringência, teor alcoólico, tipo de uva que o compõe. Ele pode nos dizer a respeito da safra, da região de que veio, em que temperatura ele foi elaborado e se teve amadurecimento em barris de madeira. Com um olhar atento você já pode se informar muito a respeito de um vinho.

V) Como saber se o vinho é bom?

Vinho: Saiba Sobre os Principais Tipos e Sabores de Vinho!

O ideal é inclinar a taça contra um fundo branco, em seu centro analisamos a tonalidade e nas bordas, os reflexos. Quando giramos o líquido no copo, podemos avaliar a viscosidade ou fluidez, pode que indicar o corpo, peso e até teor alcoólico. As arquetes, conhecidas como lágrimas que escorrem pelas paredes da taça demonstram a quantidade de álcool: quanto mais lágrimas, ou mais numerosas e finas são suas “pernas”, mais álcool deve haver no vinho e quanto mais lenta elas escorrerem mais densa será a bebida.

“Quanto mais escuro um vinho é, ele é mais encorpado; quanto mais brilhante, mais ácido e jovem; quanto mais esmaecido, mais velho e menos ácido”. Aprenda a analisar as cores dos vinhos.

Agora até você pode dar uma aula sobre vinhos. Aproveite e aprecie um bom vinho que combine com seu gosto. 

Livre-se do Zumbido e Perda Auditiva com Hearing Guardian v1

Você deve estar perguntando com que um simples software pode resolver o seu problema de audição. Para isso você precisa entender como a nossa audição funciona. Leia atentamente este texto curto e você não se arrependerá.

A Cóclea é a parte fundamental do sistema auditivo humano, responsável por transformar um sinal acústico em um sinal elétrico. Células ciliadas auditivas da cóclea têm sua distribuição similar a um teclado de piano. Cada célula ciliada, ou seja, cada tecla é responsável por detectar certa frequência. Se houver um problema em qualquer tecla, é necessário que haja um ajuste, portanto o software Hearing Guardian v1 desempenhará o papel de afinador de piano.

No caso de um dano sutil, é difícil identificar a célula ciliada auditiva danificada. Caso ocorra um problema em uma tecla específica, conseguiremos perceber o problema pressionando a tecla danificada. Se você possui algum problema em uma faixa de frequência específica das células ciliadas auditivas, você provavelmente precisará aumentar o volume para ouvir o som. Ao realizar testes de volume mínimo audível em cada faixa (INDEX 1 ao INDEX 9) da cóclea, o programa Hearing Guardian v1 gerará sinal para a faixa mais danificada da sua audição.

As células ciliadas vibram somente com as ondas sonoras e não existe nenhum outro meio. A única maneira de condicionar a região danificada é fazer com que o software Hearing Guardian produza ondas sonoras personalizadas através de um simples teste que o mesmo fornece. Faça um teste com o software e você sentirá o efeito com alguns dias de uso.

Veja a imagem que mostra o funcionamento da nossa audição:

cóclea_gif

Não faça parte dos 28 milhões de brasileiros que sofrem de algum grau de perda de auditiva e zumbido! Baixe o programa Hearing Guardian v1 no seu computador agora e livre-se do seu zumbido agora!

Clique no link abaixo para baixar o software Hearing Guardian v1:

Veja como o software Hearing Guardian funciona na nossa audição (3:08)

O período entre o começo da perda de auditiva e do uso de aparelho auditivo é, em média, de 8 anos. Mas o que é preocupante é que as pessoas só vão ao otorrino quando já está na hora de usar os aparelhos auditivos.

Qual a diferença do Hearing Guardian com o aparelho auditivo?

Vamos falar desses dois aparelhos. Um aparelho auditivo auxilia os deficientes auditivos amplificando os sons externos. Ele não tem a função de uma terapia fundamental para perda auditiva. Ao contrário deste aparelho, o software Hearing Guardian é a nova solução que possibilita a melhora da sua capacidade auditiva. O Hearing Guardian V1 tem efeito da melhora e é alcançado pela localização precisa das células disfuncionais e estimulação com sinais de frequências moderadas daquela região.

Livre-se do Zumbido e Perda Auditiva com Hearing Guardian v1

O software Hearing Guardian V1 foi baseado no nosso equipamento que se chama REVE 134 que já é usado nos hospitais na Coréia. Diferente da audiometria convencional, a nossa tecnologia conseguiu quebrar os 12.000 hz em 134 bandas que possibilita a visualização das células, na qual intervalo entre os tons puros são menores do que as audiometrias convencionais. Podemos dizer que a diferença pode ser comparada a uma TV HD e uma TV convencional ou uma lupa e um microscópico. O software pode não ter a mesma eficiência do nosso REVE 134 mas é um bom começo para as pessoas começarem a sentir a diferença em suas audições com um pouco de disciplina e investimento de tempo.

Quantas vezes devo usar o Hearing Guardian v1?

Durante meia hora, por duas vezes ao dia, você deve exercitar o seu sistema auditivo escutando os sinais acústicos que o Hearing Guardian V1 gera. Os resultados dessa fisioterapia dependem do silêncio do ambiente em que o software é utilizado e da sua disciplina para que o zumbido no seu ouvido vá embora rápido, assim como depende do quanto você se alonga por dia para que você sinta o seu corpo mais elástico.

Mas lembrem-se dos seus hábitos diários. Prestar atenção no volume dos seus fones de ouvido, da sua televisão, e de utilizar protetores de ouvido sempre que necessário (principalmente para os músicos) podem ajudar a evitar os problemas da audição durante o uso do Hearing Guardian V1.

Como funciona o Hearing Guardian?

O Hearing Guardian é um software que ajuda as pessoas a identificarem quais são as frequências prejudicadas, através de um simples teste, certificado por pesquisas científicas. O teste consiste na emissão de sons em frequências distintas, para que o usuário possa ajustar o volume no mínimo audível. Assim, o aplicativo registra quais são as faixas que sofrem de qualquer degradação, passando a estimular e re-condicionar essas áreas específicas.

Funciona como vitaminas para o organismo. Usando esta ‘vitamina para os ouvidos’ de forma disciplinada, as regiões de frequência da audição com danos serão identificadas e recuperadas.

Não é só questão de recuperar as regiões danificadas. Através desse condicionamento, os nervos auditivos também adquirem percepção e resistência — como acontece quando a gente pratica qualquer outro exercício regularmente.

4) Quem pode usar o Hearing Guardian?

Livre-se do Zumbido e Perda Auditiva com Hearing Guardian v1

A origem do zumbido no ouvido pode estar relacionada a vários fatores. Portanto, é importante entender a causa do problema para achar a solução correta. Como, por exemplo, da mesma forma que o extrato natural da árvore chinesa Ginko Biloba é indicado para os problemas de circulação sanguínea, o Hearing Guardian V1 é recomendado para as principais causas como a poluição sonora, envelhecimento natural e até efeitos colaterais causados pelos remédios. É possível acabar com o seu zumbido apenas com fisioterapia para os ouvidos.

5) Quem somos?

A Biosom representa o software avançado de audição que torna o diagnóstico mais rápido, mais eficaz e mais preciso, fornecendo estímulos baseados na proteção e melhora da audição.

O nosso objetivo é fazer com que todas as pessoas descubram o problema antes que seja tarde. Quanto mais rápido descobrir-se o problema, mais fácil será o tratamento sem a necessidade de usar um aparelho auditivo.

Uma informação que o mundo deveria saber é que o mercado de aparelho auditivo chega a bilhões de reais anuais e esses são os principais produtos que estão tomando conta do mercado. A margem de lucro que as empresas obtêm sobre o produto são absurdos.

Agora, queremos saber se eles estão realmente pensando em ajudar as pessoas a ouvirem melhor ou visam apenas o aumento da venda dos aparelhos auditivos. A Biosom através dessa tecnologia, quer compartilhar essa informação tão preciosa e ser transparente aos usuários. O nosso objetivo é fazer o possível para que os especialistas estejam cientes da nossa tecnologia e possam ajudar as pessoas que são afetadas pela poluição sonora do nosso cotidiano.

Veja o que os nossos usuários falam sobre o Hearing Guardian!

Thiago de Lucca da Escola DJ Ban

Wladnei Damálio da Escola CAM (Curso de Áudio e Música)

Dennis Zasnicoff  do Academia Produto Musical

Revista Sound on Sound

Para mais informações visite o website da Biosom contato@biosom.com.br ou contate a empresa pelo  Whatsapp: 11-94144-3455

Conheça TSC Music, o Novo Aplicativo que Mudará sua Forma de Ouvir Músicas

TSC Music, o primeiro aplicativo inteligente de plataforma de música que analiza os dados auditivos e otimiza o smartfone para potencializar a experiência auditiva do usuário. Com este aplicativo você não terá mais que se preocupar com os altos volumes causados pelos smartphones.

Diariamente nós somos expostos aos mais diversos barulhos e ruídos, que segundo os especialistas, são os principais causadores da perda auditiva no mundo. 90% dos casos de perda auditiva são causados pela poluiçáo sonora.

Escutar música, ir aos discotecas, frequentar shows são alguns dos lugares que os jovens precisam tomar cuidado. Se caso não tomarem o devido cuidado podemos prejudicar seriamente nossa audição.

O aplicativo possui funções pensadas para preservar sua saúde auditiva, ele se integra totalmente à condição de audição pessoal e proporciona diversos outros benefícios ao usuário jamais vistos em qualquer outro aplicativo de música, como por exemplo:

  • A tecnologia Threshold Sound Conditioning™ melhorará sua capacidade de audição por meio da personalização dos sinais sonoros.
  • Você poderá ouvir qualquer música do seu celular ou até abrir qualquer tipo de music streaming o TSC Music Platform™
  • O Active EQ™ equalizará a música de forma automática e compatível com seu nível de audição
  • Você poderá visualizar a condição de sua audição em tempo real por meio de gráficos totalmente interativos Active Graphs.

1) Os estudos comprovam a eficiência do TSC Music

Conheça TSC Music, o Novo Aplicativo que Mudará sua Forma de Ouvir Músicas

Um estudo na Universidade do Stanford foi realizado como forma de comprovar a eficácia do aplicativo, e os resultados foram extremamente positivos. Por meio do estudo foi possível constatar que mais de seis em cada dez pessoas, usaram o aplicativo por pelo menos duas semanas (duas vezes ao dia por 30 minutos) e obtiveram o incrível resultado de melhora de mais de 10 dB em sua capacidade auditiva.

O aplicativo também ajuda pessoas que tiveram algum tipo dano sutil na audição, pois os estudos também mostraram que com o uso do aplicativo, a pessoa conseguirá impedir que seu dano se agrave. Tudo isso por meio dos sinais sonoros minimamente audíveis e personalizados que são emitidos pelo aplicativo.

A primeira versão do aplicativo já foi testada e aprovada por mais de 70.000 brasileiros, e vem mudando a vida de muita gente que é apaixonada por música, mas ao mesmo tempo se preocupa com sua audição.

2) Experimente a nova forma de ouvir

O aplicativo já está disponível para o sistema operacional iOS. Para desfrutar dessa maravilhosa tecnologia, basta fazer o download em seu dispositivo. Logo após plugue seu fone de ouvido para realizar o teste de capacidade auditiva com cada uma das cinco faixas de equalização, ajuste o volume para um nível de audição mínima.

Após terminar o teste, basta clicar no botão “Geração de Sinal” para adequar a frequência a sua condição auditiva pessoal e pronto! Ouça suas músicas tranquilamente e sem preocupação alguma.

Veja o vídeo da apresentação do aplicativo TSC Music:

https://youtu.be/1JkUbUmFc5M

O aplicativo é grátis e está disponível somente para o Iphone:

https://itunes.apple.com/app/id1132990735

Para mais informações, acesse: https://earlogic.com

Refrigerante Diet ou Refrigerante Normal?

Muitas pessoas preferem refrigerante diet do que os refrigerantes normais. Acreditam que zero caloria poderá ser mais benéfico para a saúde do que os refrigerantes normais. Porém, não há estudos suficientes para apoiar essa evidencia.

Os produtos dietéticos, como refrigerantes diet, fizeram as pessoas acreditarem que realmente podem ajudar a perder peso. Porém, os produtos dietéticos têm mostrado o efeito contrário. Como açúcar, esses produtos ativam a insulina forçando o seu corpo a armazenar gordura.

Vários estudos mostraram que as pessoas que bebem refrigerante diet não tiveram nenhuma perda significativa no peso. Pelo contrario, eles acabaram ganhando mais peso. Depois de 9 anos de estudo, os pesquisadores mostraram que refrigerantes diets podem causar mudanças no nosso metabolismo, causando parada cardíaca e até diabete.

Estudos sobre refrigerante diet

Pesquisadores da Universidade do Texas nos Estados Unidos concluíram, depois de quase uma década de estudo, que quem bebe refrigerante diet tem 70% mais chance de engordar do que bebe refrigerante normal. E beber refrigerante diet 2 ou 3 vezes por dia, tem 500% mais chance de engordar. Isso acontece devido os adoçantes confundem o nosso metabolismo. Além disso, existe uma razão psicológica, pois, quem bebe refrigerante diet tende a pensar que irá perder calorias, e acaba consumindo algo a mais.

Na Universidade de Miami, pesquisadores juntaram 2465 participantes e concluíram que aqueles que beberam refrigerante diet ao longo de 9 anos, tinham 48% mais chances de ter um ataque cardíaco ou derrame, comparado com aqueles que não beberam refrigerante diet.

O estudo feito na universidade de Minnesota dos Estados Unidos, comprovou uma série de mudança de metabolismo. Entre eles, mostraram um aumento de pressão, aumento de nível de glicose e aumento de colesterol. Todos esses fatores influenciariam no diabete e derrame.

Afinal o que faz menos mal?

Refrigerante diet é mais saúdavel do que refrigerante normal? 2

Você realmente deve estar pensando que iríamos recomendar um desses dois tipos de refrigerantes. Mas não podemos mostrar essa generosidade, porque também não existe nenhum benefício.

Existem muita influência para que nos faça acreditar que o refrigerante é o melhor acompanhamento para pizza ou hambúrguer. Então, se você quiser continuar a beber refrigerante, mas não exagere. Não passe de 1 ou 2 copos de refrigerante por semana.

Não deixe os refrigerantes serem partes da sua vida. Sempre que puder, substitua-os pelos sucos naturais e água, porque eles irão contribuir para sua saúde até o final da sua vida.

Fonte:

http://www.mensfitness.com/nutrition/what-to-drink/is-diet-soda-really-the-healthier-soft-drink

http://www.health.com/health/gallery/0,,20739512_3,00.html

Aennova Desenvolve um Teste Auditivo Online Interativo

Representando a Earlogic Korea, pioneira na criação de softwares para diagnóstico e melhorias na capacidade auditiva, a empresa Biosom inova mais uma vez e apresenta seu sofisticado teste auditivo online desenvolvido em parceria com a Aennova, uma empresa de gamificação de treinamento para empresas.

A dificuldade de ouvir faz com que as pessoas se isolem de outras porque a audição é um dos principais sentidos que auxiliam a comunicação. Ambientes mais barulhentos pioram o entendimento ainda mais os que têm algum grau de perda auditiva. Por isso, a Biosom criou um TESTE ONLINE que simula esses ambientes. Assim, as pessoas podem ficar cientes do seu nível de perda auditiva e manter a sua audição sempre saudável com o software Hearing Guardian v1.

Aennova desenvolve um Teste Auditivo Online Interativo

O teste auditivo ONLINE foi desenvolvido em parceria com a Aennova, empresa dedicada a gamificação de treinamento para as empresas. O propósito foi para conscientizar os jovens sobre a importância de cuidar da audição. O teste pré-diagnostica possíveis distúrbios auditivos e a Biosom rapidamente oferece uma solução baseada na tecnologia TSC – Threshold Sound Conditioning – que consiste em mapear o nível auditivo e condicionar as regiões de frequências danificadas. Assim, é possível aumentar a capacidade auditiva (mais informações aqui: http://www.biosom.com.br/sobre-a-tecnologia-tsc).

O teste auditivo online – que se assemelha a um game de perguntas e respostas – é funcional e intuitivo. É necessário preencher alguns dados pessoais e logo direciona seu usuário às situações propostas. De simples assimilação, o usuário é submetido a diversas situações de grande valor auditivo – estádios de futebol, shoppings, restaurantes, etc. – e precisa, em meio aos ruídos característicos dos ambientes, responder em vários níveis de volume, a determinadas perguntas, como valores financeiros, números de localização e especialidades gastronômicas.

Aennova desenvolve um Teste Auditivo Online Interativo

Ao final do procedimento, o Hearing Guardian entra em ação. Você recebe o resultado do teste auditivo por email e pode já baixar o software para condicionar sua audição. Depois de um tempo de uso regular, pode voltar a fazer o teste para comparar os resultados. Isso demonstra a eficácia da proposta, de melhorar a capacidade auditiva de seus usuários.

Qual é a música mais longa de todos os tempos?

A música “As Slow As Possible” é a música mais longa da história, com 639 anos de duração. O compositor é John Cage, falecido em 1992. A previsão de término da música seria em 2640 e ela está sendo tocada em uma igreja de Halberstadt na Alemanha.

A música foi composta sem colocar nenhuma duração para as notas. A princípio era para ter de vinte a setenta minutos de duração. Mas em 1997, após o falecimento de Cage, uma conferência de músicos e filósofos debateram sobre a velocidade de execução da música. Assim, ficou determinado o tempo das notas, fazendo jus ao nome da peça.

Em 1987, pela sugestão do organista Gerd Zacher, Cage mudou para o órgão. Este órgão que hoje está tocando a música em Halberstadt, foi o primeiro órgão do seu tipo com as claves de 12 notas e vem sendo usado até hoje em dia nos instrumentos de teclado.

musica longa 02

Este órgão é dedicado exclusivamente para esta performance. Uma máquina proporciona o ar constante para permitir que a música esteja em execução contínua. Esse órgão não tem a quantidade de tubos de um órgão normal, e vão sendo substituídos de tempo em tempo. Em 5 de julho de 2008 foram colocados mais dois novos tubos. Hoje o órgão possui seis tubos no total.

John Cage fez esta composição baseada na confiança do futuro. O interessante desta música não apenas é o som e as notas, mas também a percepção do tempo, suposta paralisação e transitoriedade. Serão outras pessoas que vão cuidar do futuro da música e essas pessoas precisam ser criativas e cuidadosas.

O compositor sueco e organista Hans-Ola Ericsson disse que foi discutido o quão lento é ser lento para um órgão. Ele disse: “É um som que nós damos para o futuro cuidar. Espero que a estética e as idéias de John Cage consigam sobreviver”.

Veja o órgão em plena execução no vídeo abaixo.

 

Fontes

http://universes-in-universe.org/eng/magazine/articles/2012/john_cage_organ_project_halberstadt
http://geekness.com.br/slow-possible-e-musica-mais-longa-mundo/
http://www.muitointeressante.com.br/pq/qual-a-musica-mais-longa-do-mundo

Saiba Tudo Sobre Ouvido Absoluto

Ouvido Absoluto é a capacidade de identificar qualquer nota musical ou cantar sem um tom de referência. Mas não se limita à música, a pessoa é capaz de identificar tons em qualquer tipo de som, desde barulhos na rua até sons de animais e pessoas. Na parte musical, quem tem ouvido absoluto é capaz de cantar ou tocar quando necessário, mesmo que não saiba a nota da música.

Não apenas músicos têm essa habilidade, qualquer pessoa pode ter o ouvido absoluto. Estima-se que uma pessoa entre dez mil, possui esta característica. Não há uma explicação unânime para este dom. Há linhas de pesquisa que afamam que o ouvido absoluto é herdado geneticamente, outros linhas acham que pode ser desenvolvido com treino diário.

Pessoas que possuem ouvido absoluto tem uma certa dificuldade em compreender a harmonia da música, o acorde é formado por um conjunto de notas e a pessoa que tem essa habilidade, ela apenas ouve notas musicais.

Será possível desligar o ouvido absoluto? A pessoa tem que ficar o dia inteiro ouvindo notas? Com a pessoa se acostumando e treinando a controlar seu ouvido absoluto, é possível apenas utilizá-lo nas horas necessárias.

“O dom não garante a criatividade na composição e nem na genialidade da interpretação. Um músico com ouvido absoluto pode tocar como um robô, técnica não significa expressividade.” Segundo Helen Tucker, professora de música para crianças em Londres.

Estudos feitos por especialistas

Foram feitos exames de ressonância magnética pelo neurologista Steinmetz e seu parceiro Gottfried Schlaug, dentre trinta músicos, onze tinham ouvido absoluto e dezenove não, eles foram comparados com outras trinta pessoas. Chegaram a conclusão que o lobo temporal esquerdo é um pouco maior que o direito, para os músicos a diferença pode chegar a dobrar e pode ser maior ainda para aqueles que têm o ouvido absoluto.

Ninguém desenvolve ouvido absoluto sem estar exposto à música desde cedo. Ser treinado, mesmo que seja ouvindo alguém de sua familia cantar afinado no chuveiro. A Universidade de Nova York, pesquisou 600 pessoas com ouvido absoluto e descobriu que 25% dos seus filhos também têm essa capacidade. A diferença está em aprender entre três e seis anos. No máximo até os nove anos. Diz o psicólogo da Universidade McGill, Daniel Levitin.

 

Assista o vídeo que explica sobre o ouvido absoluto no Brasil:

Abaixo estão alguns dos músicos famosos que possuem ouvido absoluto:

Jimi Hendrix

ouvido-absoluto-jimi-hendrix

Foi um guitarrista e cantor americano. Quando ele começou a aprender guitarra não tinha dinheiro para comprar um afinador, então, foi a uma loja de música e apenas tocou as cordas sem apertar nenhuma nota, quando voltou para casa ele conseguiu afinar seu violão. Hendrix no começo de sua carreira, não tinha aprendido a ler partituras. Mas ele conseguia aprender o repertório inteiro de uma banda ouvindo apenas uma única vez.

Wolfgang Amadeus Mozart

ouvido-absoluto-mozart

O compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart também tinha ouvido absoluto, reconhecido na infância como menino progídio, era rigorosamente disciplinado pelo seu pai, um violinista e músico experiente, que largou tudo para se dedicar à educação de seus filhos. Mozart uma vez quando criança, teria exclamado “Sol sustenido!” ao ouvir o guincho de um porco.

Mariah Carey

ouvido-absoluto-mariah-carey

Em sua infância, ela descobriu que tinha um talento natural para cantar, aos quatro anos de idade ela conseguia cantar exatamente igual ao que ela ouvia.

 

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Wolfgang_Amadeus_Mozart
http://classicalmusic.about.com/od/classicalmusic101/p/perfectpitch.htm
http://www.psychologytoday.com/articles/200607/the-mysteries-perfect-pitch
http://super.abril.com.br/saude/ouvido-absoluto-447768.shtml

Por que algumas músicas soam com harmonia e outras não?

Desde a era antiga, escolas sempre tiveram dúvida porque algumas músicas tem uma harmonia tão perfeita enquanto outras não. Os gregos acreditavam que cada tamanho de uma corda de um instrumento musical, representava uma nota e tudo era uma questão matemática. Por outro lado, os compositores do século 20 estudaram que o gosto dependia do que cada indivíduo está acostumado a ouvir.

Os pesquisadores publicaram recentemente uma análise de mais de 250 universitários de Minnesota em relação a variedade de músicas e sons não musicais. “A pergunta é, qual teoria está atrás de uma nota prazeirosa ou não prazeirosa?” questiona Josh McDermott, quem conduziu o estudo na universidade do Minnesota antes de mudar para a Universidade de Nova Yorque. Esse foi uma das questões mais discutidas sobre a percepção humana.

Harmonia é a relação entre a frequência e a batida de tempo

A equipe da universidade do Minnesota, que inclui os colaboradores Andriana Lehr e Andrew Oxenham, foi capaz de manipular independentemente a relação entre a frequência harmônica do som e a qualidade das batidas do tempo. Frequências harmônicas são mulitiplicações de uma frequência, explica Mc Dermott. Por exemplo, notas de frequência 200, 300 e 400 Hertz são multiplicações de 100. Essas batidas ocorrem quando dois sons de frequências distintas estão próximos um ao outro. Assim, causando o aumento ou diminuição em amplitude, e produzindo um audível “balançando” com qualidade.

instrumentos_musicais_frequências

Os resultados dos pesquisadores mostraram que as cordas musicais podem soar bem ou não dependendo se as notas estão sendo tocadas produzindo frequências harmonicamente relacionadas ou não. As batidas do tempo não foram consideradas tão importantes. Impressionante é que os músicos com mais experiência tinham uma seleção melhor pelas frequências harmônicas. Ou seja, a aprendizagem influencia bastante- até mesmo as notas primárias, explica McDermott Mc Dermott diz, que precisa estudar fora do país para saber se as pessoas ao redor do mundo reagiriam da mesma maneira mas os efeitos da experiência musical explica que a cultura da música ocidental influenciou na aprendizagem de sons da frequência harmônica. Ouvintes com experiências diferentes podem ter preferências diferentes. “ A diversidade das músicas das outras culturas estão baseado nisso. “intervalos e notas que são dissonantes no padrão ocidental podem ser comuns em outras culturas, “diz McDermott. “ A diversidade é a uma regra mas não uma excepção”.

Recentemente a música ocidental está dominando os rádios do mundo inteiro. “Jovens da Indonesia estão ouvindo Eminem,” diz McDermott, “Assim irá ficar difícil para descobrir a verdade”

Entre os pesquisadores estão, Josh H. McDermott, New York University, New York, NY; Andriana J. Lehr, University of Minnesota, Minneapolis, MN. and Andrew J. Oxenham, University of Minnesota, Minneapolis, MN.

 

Fonte: Josh H. McDermott, Andriana J. Lehr, and Andrew J. Oxenham. Individual Differences Reveal the Basis of Consonance. Current Biology, 2010; DOI: 10.1016/j.cub.2010.04.019