Labirintite: Principais Causas, Tratamentos e Dicas Caseiras

Labirintite: Causas e Dicas Caseiras para Tratar Labirintite

O termo labirintite refere-se a um problema que tem a principal característica uma infecção que ocorre no canal do ouvido, mais precisamente na região da cóclea ou no vestíbulo, que estão localizados na parte interna do ouvido. Um fator importante a ser notado, é que são responsáveis por emitir os sons captados e enviá-los até o cérebro. Dessa forma, a condição enquadra-se no conjunto de doenças chamadas de vestibulares.

A condição também recebe o nome de otite interna. É importante notar que é um problema desencadeado pela infecção que tem a capacidade de ser viral ou bacteriana e acomete os nervos que o ligam ao cérebro.

Apesar de existir tratamento para essa condição, o preocupante da doença são justamente seus sinais e como eles podem interferir no dia a dia, já que a estrutura interna do ouvido responsável pela audição e equilíbrio é afetada.

Na maioria dos casos, a labirintite, comumente resulta em tonturas e em uma incapacidade de se manter em linha reta por um período longo. Faz com que o indivíduo sinta a sensação de que está rodando, caindo ou até mesmo flutuando.

Levando em conta esses e os outros sintomas que acompanham a doença, entende-se melhor a necessidade de um tratamento adequado. Pode ser realmente estressante e perigoso para os portadores. Além disso, a labirintite tem responsabilidade pelo zumbido, e eventualmente levar a perda auditiva temporária, até que a infecção seja totalmente tratada.

A incidência da labirintite é maior na idade adulta, por volta dos 40 e 50 anos, por causa das mudanças vasculares e metabólicas. No entanto pessoas mais jovens também podem sofrer com essa condição, incluindo até mesmo crianças.

Neste artigo você poderá se informar dos sintomas que podem ser muito desconfortáveis. Isso porque geralmente, a labirintite é acompanhada por zumbido, crises de vertigem, náuseas, entre outros. Felizmente, pode-se resolver em dias ou semanas a condição, mas complicações podem surgir, por isso é importante ter cautela e ter o tratamento certo.

Em muitos casos, a terapia de reabilitação vestibular pode ser recomendada e ser de grande ajuda. Se você está suspeitando de que está com o problema ou conhece alguém que pode estar sofrendo com ele, este artigo irá esclarecer mais sobre o assunto, bem como dar as melhores dicas de prevenção e muito mais.

Quais são os sintomas da labirintite

Para compreender melhor este problema e até mesmo os seus indícios, é interessante compreender que o cérebro possui grande influência na capacidade de equilíbrio das pessoas. Claramente que  não só nessa, mas tabém em ouvir, falar, sentir e muito mais.

Observando esse fato, em relação ao equilíbrio, a posição do corpo no espaço é percebida e isso é afetado notavelmente nos episódios de labirintite. Afinal, os nervos são afetados e a capacidade do cérebro de decodificar os impulsos recebidos é alterada. Além disso, a audição, como pôde ser visto, também é afetada.

Dentre os principais sintomas que podem ser ocasionados pela existência da labirintite, destacam-se:

  • Dificuldade em focar os olhos por causa de movimentos oculares involuntários;
  • Tontura;
  • A perda de audição em um dos ouvidos;
  • Perda do equilíbrio;
  • Náuseas e vômitos;
  • Zumbido nos ouvidos.

Quando falamos do zumbido, se trata basicamente do ruído, que geralmente é originado no ouvido ou em outra área da cabeça. Dificilmente essa condição apresenta um risco ao estado de saúde, mas certamente indica que algo não vai bem. A audição é uma capacidade extremamente importante, por isso que o ruído pode ser um incômodo notório de acordo com o seu nível. Em território brasileiro, aponta-se que 28 milhões de indivíduos são vítimas de algum grau de perda de audição e zumbido. Esse ruído tem a capacidade de aparecer em uma das seguintes áreas: no ouvido externo, no ouvido médio, no ouvido interno ou por anomalias no cérebro.

Note que o ruído ou zumbido na região da cabeça é normal, por exemplo, se alguém fica no interior de uma cabine à prova de som e o ruído exterior normal é diminuído, nesse momento, esse indivíduo torna-se ciente destes sons normais do corpo. Nós geralmente não somos conscientes desses sons porque os ruídos do ambiente os mascaram.

Uma das causas mais comuns do zumbido é o dano para as terminações microscópicas do nervo auditivo na orelha interna. A idade avançada é geralmente o caso que apresenta a deficiência auditiva do nervo e, consequentemente, o zumbido crônico. No entanto, apesar da perda de audição progressiva com o passar dos anos, é possível assegurar uma boa saúde auditiva e garantir sua qualidade.

Atualmente, a exposição ao ruído demasiado é uma consequência extremamente comum dos zumbidos e, em diversos casos, de malefícios na audição também. Principalmente quando o cenário das grandes cidades é abordado, afinal, nesses casos, os barulhos são intensos e constantes. Geralmente, diversos indivíduos não se preocupam com os efeitos nocivos do ruído em excesso, como em casos do uso de armas de fogo ou ouvir música em alto volume. Alguns medicamentos (por exemplo, aspirina) e outras doenças da orelha interna (Síndrome de Meniere) também podem causar zumbido.

Além dos sintomas citados, a vertigem também pode estar fortemente presente em quadros de labirintite. Ela se caracteriza quando a pessoa enxerga objetos rodarem em torno de si ou o corpo girar em relação ao ambiente.  É uma condição, de fato, bem incômoda, que pode gerar um grande mal estar no portador.

Acabar com o zumbido no ouvido

A vertigem também pode estar presente por meio de crises. Elas podem ocorrer em atitudes consideradas simples, como durante a movimentação da cabeça. Apesar de ser uma forte característica da labirintite, essa não é a única doença que apresenta a vertigem, ela pode estar presente em outras doenças, como neuronites e síndrome de Ménière.

As crises podem durar minutos ou horas, dependendo de qual estágio a sua labirintite está. Dessa forma, é importante obter um diagnóstico preciso do médico para receber o tratamento adequado e descartar outras opções de doenças. Essa é uma forma também de evitar complicações futuras.

Existem tratamentos para labirintite?

Para as pessoas que sofrem de Labirintite, há tratamentos eficazes que eliminam o vírus e os sintomas causados pelas bactérias. O tratamento Ayurveda de origem indiana ajuda a tratar as infecções e sintomas através de ervas. Além do Ayurveda, medicamentos herbais, como Punarnava, Amalaki, Haritaki e Saariva também possuem a capacidade de contribuir com o tratamento da inflamação no ouvido interno, mas lembre-se de não negligenciar um suporte médico para cuidar do seu caso.

O tratamento de Ayurveda é rápido e eficaz, e a maioria dos pacientes retorna para a saúde normal dentro de alguns dias a algumas semanas. No entanto, se a doença não for tratada adequadamente ou ignorada pelo paciente, podem surgir doenças como meningite e outras, que são graves e podem causar sérias complicações.

Se você tiver algum sintoma descrito no tópico anterior, procure um médico para adquirir informações sobre tratamentos convencionais. Tratamentos médicos convencionais para a labirintite podem incluir na maioria das vezes, anti-histamínicos e corticosteroides. Sedativos como Valium pode também ser indicados para alguns pacientes. É claro, tudo depende da sua situação e do estágio da doença.

Naturalmente, o remédio mais adequado para o seu quadro de labirintite, será recomendado por um medico especializado. Em alguns casos, podem ser indicados remédios voltados para amenização da tontura, vasodilatadores para regular a pressão sanguínea e outras possibilidades para amenizar os sintomas. Há possibilidade de que medicamentos para outros sintomas como a náusea e mal estar também sejam prescritos.

Como é feito o diagnóstico?

Se você está apresentado alguns dos sintomas prováveis da labirintite, o ideal é que, sem dúvidas, você procure um médico otorrinolaringologista, pois é ele o profissional mais indicado, que poderá fazer os exames essenciais para descobrir o seu problema, além de acompanhá-lo no tratamento de forma adequada.

Nem sempre será possível descobrir algo com um exame simples de ouvido, portanto o profissional poderá passar diversos exames, laboratoriais ou clínicos, que variam desde um eletroencefalograma até uma ressonância magnética. Naturalmente, são opções que dependem muito do seu médico e do que ele julga necessário para um diagnóstico e tratamentos precisos.

Feitos os exames solicitados, torna-se possível diagnosticá-lo com precisão, até porque existem muitas outras doenças que apresentam sintomas similares aos da labirintite, principalmente náuseas e a vertigem. Por essa razão, é necessário fazer tantos exames, para que tenha certeza do que realmente você pode estar sofrendo e assim fazer os procedimentos necessários.

Em alguns casos, o diagnóstico pode ser um verdadeiro desafio para os profissionais. Isso porque, como dito anteriormente, podem ser comuns em diversos outros problemas. Por essa razão repetimos ovamente que a procura por um otorrinolaringologista é o mais indicado para um diagnóstico preciso.

Quais as possíveis complicações?

A grande complicação que pode surgir por causa de uma doença como a labirintite é a perda parcial ou total da capacidade auditiva. Essa perda ocorre com muita frequência em crianças, que acabam tendo a infecção em decorrência de doenças como a meningite. Nesses casos, o diagnóstico precoce e um suporte médico podem ser essenciais para evitar complicações graves.

Quando isso acontecer, na maioria das situações ocorrentes, é necessário fazer um implante coclear, por intermédio de aparelhos disponíveis no mercado. Caso chegue a este ponto, o médico responsável pelo seu caso indicará o melhor tipo e dará as informações necessárias, principalmente no que diz respeito à adaptação.

Existem fatores que propiciam o surgimento da doença?

Como qualquer outra doença, existem fatores de risco que podem propiciar o surgimento da labirintite no indivíduo, por isso é importante estar atento e evitá-los. A falta de informação, na maioria dos casos, é uma grande vilã, que favorece o progresso de doenças e impede que um médico seja procurado o mais rápido possível.

Outro ponto importante, além de estar atento aos fatores de risco, é prestar atenção no surgimento de sintomas. Nesse contexto, vale lembrar que algumas doenças são assintomáticas e por isso, visitas regulares ao médico são benéficas. O grupo de fatores de risco para a labirintite contém itens diversos. Dentre os principais destaca-se:

  • Uso habitual de nicotina;
  • Excesso de álcool;
  • Excesso de café;
  • Histórico com alergias frequentes;
  • Fadiga constante;
  • Estresse habitual;
  • Uso contínuo de remédios controlados;
  • Doenças como a hipoglicemia, diabetes, hipertensão, colesterol alto e zumbido no ouvido.

Como se prevenir da labirintite?

É possível prevenir o aparecimento da labirintite com alguns cuidados e mudanças no estilo de vida. A condição reúne alguns sintomas extremamente incômodos, por isso, busque estar atento e não deixe de lado a prevenção. Há quem diga que se prevenir é o melhor remédio e sem dúvidas, essa afirmação não poderia estar mais certa. Desse modo o indicado é que você tome as seguintes ações:

  • Comece a beber bebidas alcoólicas com menos frequência e bastante moderação;
  • Se você fuma, deixe esse hábito e se você não fume, continue dessa forma. Afinal, o tabagismo é um vilão e favorável para diversas doenças;
  • Consulte um nutricionista para manter uma dieta saudável;
  • Mantenha seus níveis de colesterol, triglicérides e glicemia baixos;
  • Mantenha seu peso saudável;
  • Comece a praticar exercícios físicos com mais regularidade;
  • Beba bastante água durante o seu dia;
  • Evite ao máximo locais muito barulhentos;
  • Não se esqueça de manter o controle sobre os níveis de estresse e ansiedade.

Note que boa parte das formas de prevenção também contribui para evitar outros tipos de doenças, exercer o controle sob o nível de colesterol, glicemia e triglicérides, por exemplo, é uma ótima forma de evitar problemas cardiovasculares. Dessa forma, com algumas atitudes diárias e hábitos ruins amenizados ou totalmente excluídos, é possível cuidar bem melhor da sua saúde!

Não deixe de baixar o aplicativo Hearing Guardian no seu computador ou no seu mobile

Recomendamos que você baixe o software no seu computador desde já. Quando você sofre algum acidente e precisa ficar de repouso por muito tempo recorre-se à fisioterapia para trazer de volta seus movimentos. Quando você sente que o seu corpo está sedentário, você procura se exercitar mais, se alongar, realizando exercícios contínuos.

E quando você percebe que está com perda de audição? Faz a mesma coisa? Sim! Você também pode exercitar os seus ouvidos com fisioterapia. Aliás, porque ainda não começou? Já faz tempo que o seu zumbido está te incomodando e não te deixa dormir direito, mas uma simples busca na internet pode te trazer a solução.

A cóclea é a região do seu ouvido responsável por transformar os sinais acústicos em sinais elétricos, ou seja, é ela que te faz escutar. O condicionamento de som direcionado nas células ciliadas disfuncionais da sua cóclea exercita o seu sistema auditivo, como fisioterapia, fazendo com que ele seja recuperado e protegido de maiores danos.

É assim que o  Hearing Guardian V1 funciona. Entre no website www.biosom.com.br e baixe o programa no seu computador neste instante!  Caso tenha dúvidas adicione o WhatsApp: 11-94144-3455 e a equipe te ajudará instalar no seu computador gratuitamente.

Veja este vídeo para saber como este software incrível funciona (3:17):

Exercícios para evitar a tensão no trabalho

Quando condições reúnem sintomas tão desconfortáveis como a labirintite, é importante buscar opções de lidar de uma forma mais leve com o problema. Por essa razão, dicas podem ser muito vantajosas!

Acabar com o zumbido no ouvido

Existem exercícios que podem ajudar na recuperação do equilíbrio e a treinar seu organismo para processar os estímulos enviados pelos ouvidos. As atividades que você fará, integram um tratamento que recebe o nome de terapia de reabilitação vestibular (do inglês, VRT). Siga os movimentos apresentados na figura a seguir:

Labirintite: Causas e Dicas Caseiras para Tratar Labirintite

10 Dicas caseiras para tratar os sintomas da labirintite

O dia a dia de quem tem labirintite ou algum outro tipo de doença vestibular pode ser impactado por crises, entre outras situações incômodas que podem surgir por causa dos sintomas. Nesse cenário, a possibilidade de amenizar o desconforto da situação pode ser explorada por meio de dicas. Confira a seguir algumas coisas que você pode realizar em casa:

  • Deite de lado;
  • Evite consumir sal e açúcar, principalmente os refinados;
  • Evite chocolate, café e álcool. Eles prejudicam o sistema do labirinto entre outras funções do corpo;
  • Evite ambientes estressantes, principalmente ambientes barulhentos;
  • Consuma muita água. Não é necessário contar os litros. Especialistas indicam que não existe controle melhor do que o sistema do corpo, a sede;
  • Elimine o cigarro. Caso não seja fumante, evite ambientes onde outras pessoas estejam fumando;
  • Mantenha o peso sobre controle. Pratique atividade física;
  • Faça massagem circulares na região da nuca;
  • Evite o consumo de refrigerantes e dos sucos industriais, busque por opções o mais naturais possível. Além de outros componentes que prejudicam a saúde, eles são ricos em açúcares refinados;
  • Invista na ingestão de legumes verdes escuros e frutas.

Outro ponto importante é seguir disciplinadamente as orientações dadas por seu médico. Não se esqueça de tomar os medicamentos corretamente, fazer ou não fazer o que ele passou. Afinal, seu caso foi avaliado por ele e suas recomendações precisam ser levadas em consideração.

Salve o nosso infográfico no seu computador para lembrar todos os dias. 

Labirintite: Causas e Dicas Caseiras para Tratar Labirintite

Remédios naturais que ajudam a tratar a labirintite:

Certas vezes, a busca por opções alternativas para tratar diversos tipos de doença, é grande. Especialmente por pessoas que buscam amenizar os sintomas por meio naturais. Claramente, isso não exclui a importância de uma intervenção médica, mas pode servir como um bom complemento ao tipo de tratamento que está seguindo. Confira a seguir algumas opções práticas para auxiliar no seu tratamento:

1) Chás

Existem ótimas opções para tratar a labirintite e uma delas é a ingestão de chás naturais. A dica é preparar a infusão de erva doce, alecrim e cravos da índia. Despeje todos estes ingredientes em 200 ml de água fervente e beba algumas vezes ao dia.

2) Ginkgo Biloba

Mais uma excelente opção que visa amenizar os sintomas da doença, é o Ginkgo Biloba, repleto de substâncias que contribuem com as funções dos vasos sanguíneos. A ingestão pode ser por meio das folhas e também do pó, basta acrescentar meio litro de água. O chá deve ser consumido três vezes ao dia.

3) Gengibre

O gengibre é uma grande dica para os mais variados problemas de saúde, pois é uma forma natural de contribuir com a regulação da circulação sanguínea, além de ajudar a aliviar as náuseas que podem surgir em quadros de labirintite. Posteriormente, é possível colocar uma colher de chá de gengibre ralado em um copo (200 ml) de água fervente, aguardar alguns minutos, coar e beber.

4) Noz

Acredita-se que a noz-moscada também seja uma grande aliada para amenizar nos sintomas da labirintite, mas cuidado: é importante não exagerar, pois dessa forma, ela pode gerar o efeito ao contrário, fazendo mal à saúde de uma forma notória.  Em um copo de água fervente (200 ml), rale a noz-moscada juntamente com uma folha de louro. Deixe amornar e basta consumir. Caso prefira, coe.

Como você notou neste artigo, a labirintite pode atingir as pessoas por várias maneiras. Apesar disso, é possível recorrer a um tratamento adequado com o suporte médico especializado, com os medicamentos e recomendações que precisa. Além disso, algumas dicas que podem ser seguidas em casa também podem ajudar, por exemplo, baixar o aplicativo Hearing Guardian, buscar hábitos mais saudáveis de saúde, entre outros!

Veja também a entrevista com um especialista sobre a labirintite (11:39):

Fontes:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/PMHT0027300/

https://medlineplus.gov/ency/article/001054.htm


Equipe Biosom

contato@biosom.com.br