DTM – Disfunção da Articulação Temporomandibular Pode Ser a Causa do Zumbido no Ouvido

DTM - Disfunção da Articulação Temporomandibular Pode Ser a Causa do Zumbido no Ouvido

A articulação da mandíbula (ATM) serve para mastigar, falar e bocejar, por isso, a disfunção dela, pode prejudicar muito a qualidade de vida e trazer sintomas, como estalos, dor muscular na face, dor de cabeça, zumbido no ouvido. A disfunção da articulação temporomandibular, chamada de DTM, pode estar relacionada com estresse, ansiedade e depressão. As causas são várias e o tratamento pode ser feito com relaxantes musculares, analgésicos, anti-inflamatórios, fisioterapia, cirurgia ou uso de placas de mordida para proteger os dentes.

A disfunção na articulação temporomandibular (DTM) pode acontecer por causa das alterações dos músculos da mastigação, perda de elementos dentais ou crescimento errôneo podem modificar as estruturas anatômicas da mandíbula que estão ligadas com a orelha média e o sistema auditivo. Mas na maioria das vezes a disfunção surge em decorrência do mau hábito de se pressionar, apertar ou travar os dentes. Esses hábitos tendem a forçar os músculos faciais e a sobrecarga também afeta na articulação temporomandibular (ATM), provocando dores e causando até o zumbido no ouvido.

O que diz o estudo sobre DTM – Disfunção da Articulação Temporomandibular e zumbido?

Duas fonoaudiólogas realizaram um estudo que mostra que o zumbido também pode ser originado de uma disfunção na articulação temporomandibular (DTM). Aline Albuquerque Morais e Daniela Gil selecionaram 20 indivíduos para o estudo, sendo que 70% deles eram do sexo feminino e 30% do sexo masculino, cuja idade variava dos 20 aos 55 anos.

Já existem estudos que demonstram a relação entre o zumbido e a disfunção na ATM, sendo possível afirmar que o zumbido é mais presente nas pessoas que possuem a disfunção do que nas que não possuem. No entanto, ainda faltava uma comprovação do como e porquê essa ligação existe. Além disso, também já se sabe que plenitude auricular, zumbido e otalgia são os sintomas que aparecem com mais frequência nos indivíduos com disfunção na ATM.

Os 20 participantes do estudo foram submetidos a diversos testes, entre eles a investigação das suas condições gerais de saúde para ter certeza de que o zumbido não é originado de outras doenças, como a diabetes, identificação do tipo e duração do zumbido e dos sintomas da disfunção na ATM. Para esse último teste, foi utilizado um checklist que perguntava sobre a simetria movimento de abertura da mandíbula, estalido, crepitação, amplitude dos movimentos, fadiga e/ou dor nos músculos de mastigação e bruxismo.

Na hora de avaliar os resultados, os zumbidos relatados pelos indivíduos foram divididos em dois grupos: grave e agudo, sendo que o primeiro corresponde a 25% dos resultados obtidos e o segundo a 75%. O zumbido contínuo se mostrou presente em 90% dos participantes e 60% do total apresentou zumbido bilateral. As pessoas que relataram a existência de zumbido no ouvido esquerdo totalizaram 5%, enquanto 20% demonstrou a presença de zumbido no ouvido direito.

Foi possível constatar que o sintoma da disfunção na ATM mais frequente entre os participantes foi o movimento de abertura assimétrico. O bruxismo se mostrou presente em 30% dos indivíduos e, além disso, ruídos articulares também foram notados, como a crepitação (25%) e o estalido (45%).

No entanto, a identificação de que tipo de zumbido está relacionado à DTM (Disfunção da articulação temporomandibular) não foi possível, mas existem autores e estudiosos que afirmam que pessoas com disfunção na ATM, geralmente, apresentam zumbido no ouvido de frequência alta, moderado e esporádico.

Principais causas da DTM – Disfunção da Articulação Temporomandibular

Com relação aos fatores que contribuem para o desenvolvimento da DTM, não existe uma causa específica e comprovada que possa ser mencionada como principal responsável pela disfunção. Porém, muitos especialistas dizem que alguns hábitos cultivados por nós podem provocar o aumento das chances de termos a disfunção em algum momento da nossa vida. Dentre os hábitos destacamos:

  • Apertar os dentes diariamente, seja durante a noite ou dia;
  • Ficar usando a mandíbula como apoio para a mão frequentemente;
  • Ter a mania de roer as unhas;
  • Mascar chiclete com certa frequência.

Além disso, certos fatores ligados à traumas, depressão, estresse ou até a existência de uma predisposição genética podem de alguma forma contribuir para o surgimento da DTM.

Quais os principais sinais e sintomas da DTM – Disfunção da Articulação Temporomandibular ?

Existem muitos sinais que podem significar a existência da disfunção temporomandibular. Dentre os principais podemos destacar a presença de dores intensas e sensações desconfortáveis em algumas regiões específicas do corpo, que pode durar temporariamente ou se prolongar por anos. Das regiões mais afetadas estão o rosto, a região onde se localiza a articulação temporomandibular, o pescoço, os ombros e em volta da orelha no instante em que mastigamos, falamos ou abrimos a boca.

Outros sintomas considerados mais comuns também podem surgir. São eles:

  • Limitação na capacidade de abrir a boca;
  • Sensação de maxilar preso ao manter a boca fechada ou aberta;
  • Espécies de sons que saem da articulação durante o ato de fechar ou abrir a boca ou ainda na mastigação (estamos falando dos famosos estalos). E tais sons podem vir “contemplados” com presença ou não de dor;
  • O indivíduo pode sentir cansaço na região do rosto;
  • Problemas que dificultam o processo de mastigação ou sensação de desconforto produzido por uma mordida repentina;
  • Parte do rosto pode ficar inchado;
  • Problemas com zumbido.

Todos os sintomas anteriormente citados podem acabar atingindo um dos lados da região facial e ainda ouros sintomas distintos também podem surgir tais como: dor na região dos dentes, dor de cabeça, sensação de tontura, problemas para ouvir (audição prejudicada), dor na região superior do ombro e problemas com zumbidos na região do ouvido.

Existe algum tratamento para DTM – Disfunção da Articulação Temporomandibular ?

Em muitos casos um tratamento médico não chega a ser necessário, mas uma simples correção de hábitos. Existem diversos tratamentos já que as causas são várias. Fisioterapia pode ajudar a acelerar na recuperação da articulação, remédios podem ajudar nos momentos de crise. Há pacientes que precisam de cirurgia, principalmente, para os que sofrem de zumbido. Isso é decorrente a pressão excessiva dos durante o sono , as placas de acrílico são indicadas e devem ser feitas sob medida pelo cirurgião-dentista.

Muitos que sofrem de zumbido no ouvido, também sofrem com a articulação temperomandibular, um problema das articulações da mandíbula e tecidos conjuntivos. A fisioterapia e exercícios de mandíbula podem ajudar pessoas com zumbido e aliviar seus principais sintomas, de acordo com o Dr. Michael J. A. Robb da Associação Americana de Zumbido.

5 Exercícios de Mandíbula para Aliviar Zumbido

DTM - Disfunção da Articulação Temporomandibular Pode Ser a Causa do Zumbido no Ouvido

Muitos que sofrem de zumbido no ouvido, também sofrem com a articulação temperomandibular, um problema das articulações da mandíbula e tecidos conjuntivos. A fisioterapia e exercícios de mandíbula podem ajudar pessoas com zumbido e aliviar seus principais sintomas, de acordo com o Dr. Michael J. A. Robb da Associação Americana de Zumbido.

1. Para começar, abra a sua boca o máximo que puder, em seguida, com a mão no queixo tente puxar ainda mais. Mantenha-se na posição durante 30 segundos. Repita o exercício quatro vezes em quatro sessões diárias. Assim como todos os tipos de exercícios, se começar a sentir dores pare imediatamente.

2. Exercício de “abertura assistida” é um pouco parecido com o anterior. Abra a sua boca, em seguida, coloque dois dedos nos dentes inferiores da frente, e puxe levemente para baixo, segurando por alguns segundos. Repita este exercício 10 vezes.

[wd_hustle id="drconsulta" type="embedded"]

3. Com a boca relaxada e ligeiramente aberta, deslize o maxilar para a direita, o quanto você puder. Pressione Levemente com a sua mão esquerda contra a sua mandíbula para o lado direito e segure por 30 segundos. Faça o mesmo para o lado esquerdo. Repita quatro vezes este exercício em quatro sessões diárias.

4. Na frente de um espelho, junte os dentes, o superior e o inferior alinhando-os. Lentamente tente abrir a boca mantendo os dentes juntos e centrados sem mover a mandíbula para esquerda e nem para a direita. Repita o exercício 10 vezes por dia.

5. Este exercício é recomendado quando você se sentir tenso ou estressado. Com os dentes ligeiramente afastados, toque os dentes superiores com os inferiores delicadamente várias vezes e sorrindo.

Como a fisioterapia pode contribuir no processo de melhora?

O que pouco sabem é que a fisioterapia é extremamente importante para que o processo de melhoria da disfunção em questão ocorra eficientemente. E é muito simples entender o que ela pode fazer nesse contexto: a fisioterapia, através de métodos que envolvem as técnicas de eletroterapia, ultrassom e laser, promove o estímulo da cicatrização dos tecidos presentes na região prejudicada, bem como a sua mobilidade.

Quando é necessário fazer a cirurgia?

Boa parte das pessoas diagnosticadas com DTM conseguem resolver o problema com métodos e tratamentos simplificados, mas existem alguns casos que precisam se utilizar da intervenção cirúrgica e isso sempre irá depender diretamente do diagnóstico recebido, enfatizando o fato de que nem todo mundo irá passar pelo mesmo tratamento específico, sendo importante consultar um médico para que ele avalie e recomende o método mais eficaz para cada caso.

Mas dentre as situações em que é fundamental fazer cirurgia, destacamos os casos de anquilose. A anquilose nada mais é do que uma espécie de rigidez que atinge as articulações, seja ela completa ou parcial, e ainda com a presença de tumores. O maior questionamento referente a esse assunto por parte dos pacientes é ligado aos desarranjos que existem na parte interna da ATM. Esses desarranjos são basicamente a situação em que o disco existente entre o osso da mandíbula e do ouvido, se desloca provocando sinais como estalos, crepitação e até mesmo uma certa limitação do movimento da própria mandíbula.

Mais uma vez enfatizamos como é importante consultar um médico qualificado, pois somente em casos muito especiais é recomendado fazer a cirurgia, já que a maioria das ocorrências tem melhora através dos métodos tradicionais. Só o seu médico poderá diagnosticá-lo de forma precisa e segura, e desse modo lhe indicar o melhor método para curar a sua possível disfunção.

Odontologia e sua importância nos casos de DTM – Disfunção da Articulação Temporomandibular

Sabemos da importância de ir atrás de um médico qualificado não é mesmo? Mas qual médico procurar? Pois bem, quando o problema se trata de uma DTM ou como já vimo, uma disfunção temporomandibular, o ideal é consultar um médico especializado na área de dor orofacial, uma vez que ele dará o diagnóstico e tratamento, juntamente com o dentista. Nos casos de evolução da doença é necessário também consultar um médico especializado na área de traumatologia e cirurgia bucomaxilofacial, já que será possivelmente preciso fazer alguma cirurgia.

Veja também esta reportagem sobre o exercício de mandíbula (13:46):

Baixe o software Hearing Guardian 

A causa do zumbido pode estar relacionado à audição. A Cóclea que é a parte fundamental do sistema auditivo humano, responsável por transformar um sinal acústico em um sinal elétrico. Células ciliadas auditivas da cóclea têm sua distribuição similar a um teclado de piano.

Cada célula ciliada, ou seja, cada tecla é responsável por detectar certa frequência. Se houver um problema em qualquer tecla, é necessário que haja um ajuste, portanto o software Hearing Guardian v1 desempenhará o papel de afinador de piano.

No caso de um dano sutil, é difícil identificar a célula ciliada auditiva danificada. Caso ocorra um problema em uma tecla específica, conseguiremos perceber o problema pressionando a tecla danificada. Se você possui algum problema em uma faixa de frequência específica das células ciliadas auditivas, você provavelmente precisará aumentar o volume para ouvir o som. Ao realizar testes de volume mínimo audível em cada faixa (INDEX 1 ao INDEX 9) da cóclea, o programa Hearing Guardian v1 gerará sinal para a faixa mais danificada da sua audição. Caso você queira instalar o software gratuitamente, adicione o  Whatsapp da Biosom: 11-94144-3455

As células ciliadas vibram somente com as ondas sonoras e não existe nenhum outro meio. A única maneira de condicionar a região danificada é fazer com que o software Hearing Guardian produça ondas sonoras personalizadas através de um simples teste que o mesmo fornece.

Veja este método eficiente que fala sobre como curar o zumbido no ouvido:

Veja também este vídeo animado explicando o que causa a disfunção da articulação temporomandibular (3:35):

Fontes:

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1808-86942012000200010&script=sci_arttext

http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v12n6/39-10.pdf


Equipe Biosom

contato@biosom.com.br