Fones de Ouvido Podem Causar Perda Auditiva e Zumbido

Fones de Ouvido Podem Causar Perda Auditiva e Zumbido

Embora muitas pessoas gostem de colocar o volume dos seus fones de ouvido no máximo, especialistas da Universidade de Leicester, na Inglaterra, mostraram evidências que ligar o volume de seus fones de ouvido muito alto pode danificar o revestimento das células nervosas, eventualmente causando surdez temporária.

Ouvir música alta por menos de 1 hora e meia produz mudanças significativas na capacidade auditiva, que pode colocar em risco os ouvintes a perdas auditivas. Enquanto os estudos alertam que os alto-falantes de alta potência e fones de ouvido tornam mais fácil para as pessoas ficarem expostas a níveis de ruído potencialmente prejudiciais em shows, concertos ou durante o uso mp3 players.

“Quando se trata de música alta, em particular música amplificada, não se sabe se as mesmas medidas utilizadas para o ruído industrial irão descrever com precisão os efeitos sobre a audição e o risco que estes comportamentos representam”, diz Dr. Ordonez. De acordo com os pesquisadores, os níveis de ruído semelhantes aos dos níveis de jato pode ser ouvida em fones de ouvido pessoais se forem altos o suficiente.

Os cientistas já sabiam que a surdez temporária e zumbido podem ser causados por ruídos mais altos do que 110 decibéis. Este estudo, publicado na Revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, é o primeiro a examinar como esses barulhos causam danos subjacentes às células.

De acordo com pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, de Israel, o uso de fones de ouvido em volume alto pode levar à perda auditiva precoce entre os adolescentes. Um em cada quatro adolescentes está em risco de desenvolver perda auditiva por causa do uso constante de fones de ouvido.

Os resultados desse estudo, publicado no Jornal Internacional de Audiologia, mostram claramente que o uso de iPods, smartphones e outros dispositivos de MP3 pode ser prejudicial à audição dos adolescentes.

“Daqui 10 ou 20 anos, será tarde demais para perceber e tratar uma geração inteira de jovens começou a apresentar problemas auditivos muito mais cedo do esperado do envelhecimento natural”, diz o professor Chava Muchnik na Faculdade de Medicina de Sackler e do Sheba Medical Center, ambos pertencentes à Universidade de Tel Aviv.

A perda de audição em seus 30

Uso constante de tocadores de MP3 submete o adolescente à exposição contínua a música alta, o que pode levar a perda auditiva lenta e progressiva. Portanto, as pessoas só descobrem o efeito do dano depois de muitos anos. Ou seja, em um momento em que o tratamento torna-se mais difícil, caro e, em alguns casos mais extremos, a situação pode ser até irreversível.

Os adolescentes que colocam o volume muito alto, podem começar a ter a sua audição deteriorada a partir de 30 ou 40 anos, e isso é muito mais cedo do que em gerações anteriores, adverte o Prof Muchnik.

Riscos causados pela música alta

Para investigar o potencial risco entre música alta e a saúde, a equipe mediu sons conhecidos como “emissões otoacústicas” como um índice da função auditiva. Estes são sons gerados dentro do ouvido interno, em resposta a estímulos de som, e eles podem ser medidos nos canais de orelha de pessoas que têm audição saudável. A pesquisa mostra que as emissões otoacústicas desaparecem quando o ouvido interno está danificado.

Neste estudo, os pesquisadores mediram as emissões otoacústicas para avaliar mudanças na capacidade auditiva antes e após a exposição à música amplificada, testando este método em um ambiente de show ao vivo. Comparando como estes dois conjuntos de medidas mudaram após uma exposição de som com os parâmetros acústicos da música amplificada pode-se conduzir a uma melhor compreensão de como a audição é afetada.

Resultados do estudo

Surgiram duas conclusão importantes com os resultados:Uma é que é possível medir as mudanças na audição após exposições de duração relativamente curtas, menos de uma hora e meia. A segunda é que existem notáveis diferenças individuais em níveis de exposição de som, bem como nas alterações em emissões otoacústicas produzidos por condições de exposição semelhantes.

Acabar com o zumbido no ouvido

As próximas etapas de trabalho da equipe incluem aperfeiçoar seus métodos de medição e descrição dos efeitos biofísicos e mecânicos que os níveis sonoros de música têm sobre os indivíduos. Em última análise, eles esperam para fornecer dados e argumentos científicos em que o estabelecimento de critérios de risco de dano para a exposição de som musical.

Um estudo britânico revela que oito em cada dez não têm considerado que podem prejudicar sua audição ou ter zumbido aumentando sua música.

A organização de caridade internacional “Action” realizou uma pesquisa sobre perda auditiva envolvendo 1.000 britânicos. Surpreendentemente, 80% deles não sabiam que podem prejudicar sua audição ouvindo música alta.

O estudo feito na Univerisdade de Tel Aviv (Israel)

A estatística começa a preocupar cada vez mais os jovens. Estudo da Universidade Tel Aviv (Israel), divulgado na revista científica “International Journal of Audiology”, revela que um em cada quatro adolescentes corre o risco de sofrer perda auditiva. A causa disso? Horas e horas com fones de ouvido no volume máximo. A constante utilização pode trazer sérios danos a vida dos adolescentes. O que mais preocupa é que os sintomas começam a aparecer aos poucos e as chances de recuperação são cada vez menores, se não for cuidada desde cedo.

A primeira parte do estudo consistiu de 289 participantes com idades entre 13-17 anos. Eles foram convidados a responder a perguntas sobre seus hábitos com relação a dispositivos eletrônicos de música – mais especificamente, qual é o volume que preferem ouvir música e por quanto tempo a ouvem.

Na segunda parte do estudo, esses níveis de volume e durações foram utilizados num teste envolvendo 74 adolescentes em ambientes ruidosos e silenciosos. O nível de ruído medido foi usado para calcular o risco potencial de danos à audição com base nos critérios estabelecidos pelas regulações de saúde industrial e segurança.

Segundo o Prof Muchnik, as conclusões do estudo são preocupantes. 80% dos adolescentes usam seus “gadgets” regularmente, com 21% escutando 1-4 horas por dia, e 8%, para mais de quatro horas de forma consecutiva. Tomados em conjunto com os resultados das medições acústicas, os dados indicam que um quarto dos participantes está em risco grave de perda auditiva.

Principais dados do estudo:

  • 83% sofreram zumbido.
  • 19% se preocupam um pouco sobre isso – o resto não se preocupa com o zumbido.
  • 87% ouvem música no mp3 players ou dispositivos similares.
  • 76% não sabem que os regulamentos da UE dizem que os MP3 players devem ter um volume máximo de 85dB como configuração padrão.
  • 34% substituiriam a configuração de 85dB.
  • 80% mudariam seu comportamento auditivo se eles soubessem o quanto estão prejudicando a audição por exposição a música alta.

Necessidade de critérios para diminuir os riscos em ouvir música

Normas de segurança e de saúde relacionada à indústria são atualmente a única referência para medir o dano causado pela exposição contínua ao ruído em volume alto. No entanto, de acordo com o Prof Muchnik, existe uma necessidade crescente de critérios para minimizar o risco de ouvir música para prevenir a perda auditiva.

Enquanto isso, ela espera que os fabricantes possam incorporar normas europeias em seus produtos que estabelecem um limite de 100 dB em tocadores de MP3. No presente momento, alguns players de MP3 podem tocar até 129dB.

Abaixar o volume quando estiver usando os fones de ouvido!

Em grupos de discussão com estudantes de duas escolas na Holanda, pesquisadores constataram que os adolescentes, em geral, estão cientes de que aumentar o volume de fones de ouvido no máximo pode prejudicar sua audição. No entanto, a maioria dos jovens diz não se preocupa em mudar isso.

Como muitos adolescentes, os estudantes negaram o risco pessoal que sofrem. Na publicação do Journal of Pediatrics os pesquisadores afirmaram que a maioria conhece os perigos de ouvir música alta, mas acreditam ter “baixa vulnerabilidade” a perdas de audição.

Diante disso, o pesquisador Ineke Vogel disse à Reuters Health em uma entrevista por e-mail, “recomendamos que os pais informem e discutam com seus filhos o uso de fones de ouvido e as potenciais consequências irreversíveis para a audição futuramente.”

Como prevenir?

1) Como ouvir música sem prejudicar a audição?

MP3 player “deve ser configurado com o volume mais baixo possível para que a música possa ser entendida confortavelmente. Procure escolher o volume de 50 a 60% da potência máxima”, diz a Dra. Sharon Curhan, que revelou que 1 em cada 5 adolescentes sofre de algum tipo de perda auditiva. Se for ouvir música com volume alto, faça por períodos mais curtos de tempo, pois, quanto mais alto, menor o tempo seguro para se expor ao som.

2) Volume pode prejudicar audição

Já percebeu como você tem que aumentar o volume para manter a mesma sensação da música que inicialmente sentiu quando começou a ouvir? “Isso é devido à contração dos músculos minúsculos no ouvido que limitam o quanto os pequenos ossos do ouvido pode se mover, diminuindo, assim, a transmissão de vibrações sonoras ao ouvido interno, onde os sons são detectados”, explica Curhan. “A exposição à música alta resulta no que é chamado de mudança temporária do limiar e pode prejudicar a audição”.

Com o tempo, o ouvido torna-se menos sensível ao ruído e o tempo que ele tem para recuperação varia. Dê tempo aos seus ouvidos para descanso. Fique em silêncio. Depois de show de rock, o nível de saturação de seu tímpano fica no limite, seus ouvidos podem precisar de mais de um dia para se recuperarem. Eles estão tentando dar-lhe um sinal de que eles estão sendo abusados.

3) Não aumente o volume para abafar o ruído do ambiente

Embora possa não parecer muito, aumentar o volume para bloquear o ruído ambiente, faz a diferença para seus ouvidos. É mais comum fazer isso no metrô, quando o ruído é muito alto e você passa a não ouvir bem a música. Isso não deve ser feito, pois, pode prejudicar audição. Como diz Curhan, “Muitas vezes, o fator que leva a aumentar o volume não é a adaptação sensorial, mas sim, a presença de um ruído ambiental”.

Especialistas recomendam o uso de fones de ouvido que bloqueiam o ruído que se ajustam perfeitamente no ouvido ou, ainda, que bloqueiam eletronicamente o som ambiente, para não prejudicar audição. Se o seu par de fones de ouvido novo não tem esses recursos, vale a pena ir para uma loja de eletrônicos.

Acabar com o zumbido no ouvido

Pais, fiquem atentos!

De acordo com Vogel e o co-pesquisador Dr. Hein Raat, ambos da University Medical Center Rotterdam, os pais também podem procurar por sinais de problema de audição: quando um adolescente se queixa de zumbido nos ouvidos ou de sons abafados. No entanto, com base nas discussões em grupo, muitos pais podem não estar cientes dos riscos auditivos decorrentes de fones de ouvido, observam os pesquisadores.

Dos 73 estudantes envolvidos no estudo, poucos disseram que seus pais os haviam alertado de que ouvir música alta poderia danificar sua audição. Também pode ser necessário que os próprios fabricantes de fones de ouvido realizem mudanças, disseram os pesquisadores em seu relatório.

Muitos estudantes afirmaram não saber como dizer quando seus MP3 players eram muito barulhentos. Volumes iguais ou superiores a 90 decibéis (dB) são considerados perigosos, observa Vogel, mas os níveis de ruído que chegam entre 120 dB e 140 dB podem se tornar desconfortáveis ou dolorosos. De acordo com os pesquisadores, os fabricantes poderiam equipar os MP3 players com um indicador que mostra o nível de volume em termos de decibéis, juntamente com um sinal – como uma luz intermitente – que se apaga quando os níveis de decibéis alcançarem a zona de perigo.

Baixe o software Hearing Guardian v1 no seu celular e previna-se agora!

Por enquanto, Vogel e seus colegas recomendam que, como uma “regra de ouro”, os usuários de fones de ouvido definam o volume não superior a 60% da sua capacidade total quando usar os fones de ouvido, como aqueles que vêm com os iPods. Assim como existem normas de segurança para exposição ocupacional ao ruído, Vogel e seus colegas sugerem que mais estudos em longo prazo sejam necessários para desenvolver as diretrizes de segurança para a exposição ao ruído no “lazer”.

Use o software para computador Hearing Guardian v1. Depois de ouvir música muito alto é provável que alguma região das células ciliadas da cóclea esteja danificada de tanta pancada. O aplicativo descobrirá quais as regiões foram prejudicadas e gerará sinal para condicionar e estimular as células ciliadas prejudicadas na cóclea. Você sentirá a diferença em alguns dias de uso dependendo da gravidade.

Leia também o artigo como a balada ou show pode causar danos na sua audição.

Fonte:

http://www.hear-it.org/MP3-players-put-teens-at-risk-of-early-hearing-loss

http://www.reuters.com/article/2008/03/26/us-teens-risks-mp-idUSLAU68250

http://www.medicalnewstoday.com/articles/249646.php

http://www.sciencedaily.com/releases/2012/05/120508152005.htm

http://www.hear-it.org/Unawareness-Loud-music-can-damage-your-hearing


Equipe Biosom

contato@biosom.com.br